Pedro Ladeira/Folhapress

Empresário confirma pagamento a Witzel na pré-campanha em troca de contratos

13.01.21 16:18

O empresário Edson Torres reafirmou nesta quarta-feira, 13, que pagou 980 mil reais a Wilson Witzel (foto) em 2018, quando ele exercia o cargo de juiz federal e ainda não havia iniciado a campanha eleitoral. As declarações foram prestadas em depoimento no processo de impeachment do governador afastado do Rio.

“Nós fizemos um caixa de subsistência, caso ele não ganhasse a eleição, de um valor que era de aproximadamente 1 milhão de reais. Chegou a 980 mil reais esse valor, que foi pago até a data da desincompatibilização. Foram pagas algumas parcelas”, disse ao tribunal misto que julgará Witzel, formado por cinco deputados e cinco desembargadores.

Torres já havia falado sobre os repasses em depoimento ao Ministério Público Federal — o órgão usou os relatos na denúncia apresentada contra Witzel pela prática do crime de organização criminosa. De acordo com o empresário, os pagamentos foram realizados em conjunto com Victor Hugo Barroso, apontado como operador de Pastor Everaldo.

No novo depoimento, Torres deixou claro que a contrapartida pelos repasses era a retomada de contratos entre suas empresas e o governo estadual, uma vez que os acertos acabaram suspensos em gestões anteriores.

“Eu, como empresário, assumi a responsabilidade de fazer a arrecadação e da minha parte também contribuir, porque eu teria contratos. Porque eu tive muitos contratos com o estado e tive meus contratos cassados. Foi o combinado.”

Torres assegurou, porém, que a promessa não foi cumprida e alegou que os contratos conquistados com Cedae e no Detran são lícitos.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

Só R$ 1,90* no primeiro mês

Edição nova toda Sexta-Feira. Leia com Exclusividade!

Assine a Crusoé

*depois, 11 x R$ 14,90

Deixar para mais tarde

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Independente de ser lícito esses dois contratos, é vagabundo também, da pior espécie. Tem que rodar também. Pode até ficar livre da cela por causa de delação ou coisa assim, mas tem que ficar impossibilitado com o poder público por muitos anos. Pilantras, vagabundos, cafagestes, degetos...

  2. E qual governador nessa merda de país, não tem que pagar o que gastaram com ele pra se eleger? Alguém gasta 10, 20, 30 milhões ou mais, pra ganhar 5.

    1. Explêndida colocação. A maioria esmagadora dos eleitos para qualquer cargo eletivo no Brasil, em todo o tempo da nova CF, gastou muito mais do que ganhou de subsídio nos seus 4/8 anos de mandato. Suponhamos que fossem honestos, se o eleito gastou de seu bolso, é burro e não sabe fazer contas. Se gastou de doações, geralmente usou caixa dois e mais do que o permitido em lei nas doações. E os doadores? Qual seria a razão para doações generosos. A Novonor (Odebrecht) que responda.

  3. Me engana que eu gosto. Alguém acha que ele diria que estes dois contratos fazem parte do acordo? Óbvio que não, porque iria perdê-los

  4. Os corruptores acreditam, pelo visto já compraram antecipadamente o governador. Vai saber se quando era juiz já não fazia outros acertos e por isso já era conhecido no meio por ser sensível a um agrado financeiro.

  5. Em quem acreditar nesse meio político brasileiro, infestado de corruptos, ladrões, mentirosos? Só tem bandidos da pior espécie.

Mais notícias
Assine
TOPO