Alan Santos/PR

Em data limite para vacinas da OMS, Bolsonaro viajou para receber homenagem

28.07.21 07:31

Uma “homenagem do agronegócio a Jair Bolsonaro” oferecida em Sinop, Mato Grosso, tirou o presidente da República de Brasília no dia 18 de setembro do ano passado, data limite dada pelo consórcio Covax Facility para que o governo confirmasse sua adesão ao instrumento global de vacinas coordenado pela OMS.

Gravações de reuniões interministeriais obtidas por Crusoé com exclusividade mostram que, um dia antes, Bolsonaro não tinha se posicionado sobre o assunto e que não havia “previsão de agenda” para “se apropriar do tema” na data limite, quando teria “um dia muito cheio” no Mato Grosso.

Alan Santos/PRAlan Santos/PREm Sinop, Bolsonaro provocou aglomerações e cumprimentou eleitores sem máscara
“Ele conhece a iniciativa, mas evidentemente que toda a repercussão jurídica, política e financeira do tema aqui exige um tempo de maturação com o presidente. Eu perguntei ao Pedro [Marques, então chefe de gabinete de Bolsonaro] se tinha algum despacho marcado para tratar do tema e não está previsto”, afirmou Humberto Moura, subchefe adjunto executivo de Assuntos Jurídicos da Presidência. A informação apareceu já na noite do dia 17 de setembro, quando Moura comunicou aos técnicos de outros ministérios que Bolsonaro ainda não conhecia o assunto em profundidade e viajaria na manhã do dia seguinte.

Em razão da indecisão de Bolsonaro, o Itamaraty solicitou ao Covax Facility uma extensão do prazo para que o país se posicionasse com relação à iniciativa. Restou à Talita Saito, subchefe adjunta de Política Econômica da Casa Civil, ter “esperança” de que a Aliança Gavi, entidade que opera o consórcio de vacinas em parceria com a OMS, aceitasse a prorrogação.

A expectativa acabou frustrada quando, na manhã do dia seguinte, Nilo Dytz – ministro-conselheiro da Embaixada do Brasil em Genebra – informou Brasília de que o prazo para que o país confirmasse sua participação no Covax continuava sendo o dia 18 e que, caso houvesse a confirmação, o governo poderia assinar o contrato até o dia 25 de setembro. Na prática, técnicos do governo tiveram que deixar tudo pronto para a assinatura no dia 18, situação descrita por Talita Saito como “corda no pescoço”.

Avançando noite adentro, ainda no dia 17 de setembro, técnicos do governo que trabalhavam na elaboração da medida provisória que liberaria a adesão ao Covax questionaram o Planalto, em vista da viagem de Bolsonaro ao Mato Grosso, “qual a chance que essa medida seja assinada amanhã?”. Assessores da Presidência, então, indicaram que a decisão só seria tomada no fim do dia, confiantes de que a Aliança Gavi não “abriria mão de um negócio de 2,5 bilhões de reais”.

Além de ser um dos últimos do mundo a confirmar sua participação no consórcio da OMS, o Brasil aderiu à iniciativa com o objetivo de adquirir doses para apenas 10% da população, quando poderia contratar doses suficientes para imunizar metade do país através da iniciativa global.

Após receber a “homenagem do agronegócio” no dia 18 de setembro, Bolsonaro participou de cerimônia de entrega de títulos de propriedade a produtores rurais, visitou uma usina de etanol, compareceu ao “lançamento simbólico do plantio da soja” e provocou aglomerações com seus apoiadores. Na ocasião, o presidente da República discursou contra medidas de distanciamento para controle da pandemia. “Nada de se acovardar”, pregou, quando o país chegou a 135.857 mortes pelo coronavírus. Naquele mesmo dia, o então ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, visitava Roraima com Mike Pompeo, secretário de Estado de Donald Trump. 

À época, o governo só tinha acordo com a AstraZeneca para produção da vacina de Oxford pela Fiocruz, ainda sem a garantia de que o imunizante funcionaria e seria aprovado. Através do Covax, a OMS buscou financiar pesquisas para 9 vacinas “candidatas”, em busca de uma premiada que seria, então, adquirida pelos países signatários do contrato.

Em uma das reuniões com o Planalto, em 12 de agosto, mais de um mês antes do prazo final do Covax, a embaixadora do Brasil em Genebra, Maria Nazareth Farani Azevêdo, informou que a Aliança Gavi buscava ampliar o número de vacinas pesquisadas para 15, ao custo médio de 10,55 dólares por dose. A informação desmente declaração dada por Eduardo Pazuello à CPI da Covid de que o custo inicial da vacina nas negociações era de 40 dólares por dose.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Quando nos sentimos mais fracos, é que tornamos mais fortes. Assistir ao descaso do presidente, que ñ tem senso de prioridade, optando ir fazer piada com a cara dos brasileiros para o seu cercadinho, em vez de se concentrar na tomada de decisão com relação às vacinas, é aterrorizante. A gente até imaginava, mas assistir é outra coisa. É outro patamar de incompreensão. Essa matéria exclusiva da Crusoé, ñ pode continuar sendo ignorada pelas grandes mídias. Os brasileiros precisam tomar ver.

  2. Parlamentarismo bem implantado é uma espécie de vacina contra isto. Presidencialismo não é bom mesmo nos EUA: vide o que aconteceu com Nixon, e na saída de Trump...mas, é claro, os eleitores teriam de aprender a votar melhor!

  3. Mas tem mais, pra quem ainda não viu as canalhices desgovernantes do dia!!!! 👉👉👉👉👉 https://www.oantagonista.com/brasil/bolsonaro-so-e-obrigado-a-sancionar-r-800-milhoes-para-fundao/ 👉👉👉👉👉 https://m.extra.globo.com/famosos/ciro-nogueira-agora-na-casa-civil-deu-cargos-comissionados-modelos-como-denise-rocha-furacao-da-cpi-em-2012-25129517.html?utm_source=notificacao-geral&utm_medium=notificacao-browser&utm_campaign=Extra

    1. (corretor)....a categoria dos verdadeiros modelos, os fora do book cor-de-rosa, deveria reagir....

    2. Essa """função""" """mais antiga da história da humanidade""" agora mudou de nome: passou a ser chamada de...."""modêlo"""!!!! A categoria dos verdadeiros modelos, os fora do "book cor-de-rosa, deveriam reagir contra isso, né mesmo????

    3. E claro, para os bolsonéscios, cegos, surdos, mudos e de nariz entupido por opção!!!! Ô gado repugnante esse desses ordinários sem-vergonhas sem caráter!!!!!

  4. Nunca, em tempo algum na História do Brasil houve um governo tão ruim e ignorante, como o da FAMILICIA BOLSONERO, o Genocida,

  5. Parece revista de fofoca !! Kkk… notícia de quem não tem o que fazer , ou o que noticiar ! Será que Bolsonaro foi ao banheiro nesse dia fatídico ? A governanta da secretaria de banheiros disse que “ não acredita que isso tenha ocorrido “ ! Péssima reportagem …. Procurem assuntos mais interessantes e variados , cheio de coisas acontecendo no mundo !

    1. Não queria dizer isso, mas, não me contive: "As espécies se atraem". Se vc acha que i Gov. Bolsonaro está bom, então, acho que deverias se informar melhor... sai um pouco da casinha!

    2. Taca-le o pau, Luciane, ... kkk!! .... Bolsonaro 2022, a ÚLTIMA TRINCHEIRA contra o comunismo.

    3. Um conselho: cancele sua assinatura e assine a Globo. Assim você vai ficar sabendo com quem a Anita está atualmente. Agora, se você for um computador, esquece.

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO