Reprodução

Ebrahim Raisi, o ‘açougueiro de Teerã’, toma posse como presidente do Irã

03.08.21 18:40

O clérigo radical Ebrahim Raisi (na foto, à direita) recebeu nesta terça, 3, o decreto do líder supremo Ali Khamenei (à esquerda) para ser o novo presidente do Irã. Na próxima quinta, 5, ele participará de uma cerimônia no Congresso, onde revelará os nomes dos integrantes de seu gabinete.

A partir de hoje, meu governo fará um programa urgente e de curto prazo para resolver os dez problemas mais importantes do país, incluindo os de orçamento baixo, investimento, inflação, a disseminação do coronavírus e a falta de água e eletricidade“, disse Raisi.

Os iranianos têm protestado desde o final de 2019 contra a Revolução Islâmica, pedindo a morte do ditador Ali Khamenei. Em geral, as manifestações começam pela falta de água e luz, mas logo ganham um tom político e se voltam contra a teocracia.

Raisi venceu as eleições de junho depois que os principais rivais tiveram seus candidaturas rejeitadas. Ele foi o escolhido de Khamenei e agora reúne todas as características que seu mentor tinha quando o aiatolá Ruhollah Khomeini morreu, em 1989. Naquele ano, Khamenei, que então era o presidente do país, assumiu o lugar do líder supremo Khomeini.

Raisi é considerado mais radical que seu antecessor, Hassan Rouhani. Em 1988, Raisi integrou as “comissões da morte” em duas prisões. Esses tribunais temporários formados por três ou quatro pessoas decidiram quais opositores do regime, que estavam detidos, deveriam ser mortos. A ordem para a carnificina, dada por Khomeini, levou à morte de mais de 5 mil pessoas. Por seu papel na tragédia, Raisi é conhecido como o “açougueiro de Teerã.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. É altamente depressivo deter-se a examinar um quadro do tempo das trevas onde a má pintura se torna um tipo de padrão a ser copiado por outros que igualmente querem reproduzir o mesmo cenário para vangloriar-se, ao fim, de seu poder implantado em cabeças desneuronafas.

  2. quem era o presidente do Brasil que estritou muito nossar relações com a ditadura iraniana? o mesmo que era grande aliado dos Castro dos Bolivarianos Chavez e Maduro de Ortega de Evo Morales? Deixar de ser aliado desseas ditaduras é isolar o Brasil???

    1. As porcarias que luladrão aprontou não pode servir de justificativa para quem o criticava fazer outras porcarias e acharmos que justifica!!Duas porcarias iguais e seguidas uma após a outra.O Brasil precisa achar uma alternativa!!!

  3. Eu acredito q o mundo será melhor a medida q nossos filhos forem melhores q nos. Na política é a mesma coisa, se os políticos q assumem são piores não há chance de um país melhor. Q deus proteja o Iran.

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO