Kevin David/A7 Press/Folhapress

CPI deve ampliar quebra de sigilo de empresas ligadas ao caso Covaxin

02.08.21 08:01

A possível ampliação da quebra de sigilo sobre a teia de empresas de Francisco Maximiano, da Precisa, que negociou a venda da Covaxin ao governo federal, vai atingir empresas centrais para desvendar o destino de dezenas de milhões de reais em transações comunicadas ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras, o Coaf.

Uma das empresas que ficaram de fora da primeira quebra de sigilo bancário aprovada pela CPI é a 6M Participações. De acordo com o órgão de controle, a 6M movimentou 66 milhões de reais apenas entre setembro de 2020 e fevereiro de 2021. Boa parte dessas transações tem relação com transferências da Precisa.

O pedido de ampliação da quebra de sigilo deverá ser feito pela CPI da Covid a pedido do vice-presidente da comissão, o senador Randolfe Rodrigues.

Com a medida, será possível descobrir para onde foi o dinheiro repassado à empresa, que declarou renda de 5 milhões de reais ao ano. A 6M é velha conhecida de investigadores. Trata-se de uma das empresas de Francisco Maximiano, o Max, que tinha participações no FIP Saúde, que recebeu aportes do Postalis, e hoje é investigada por fraudes ao fundo de pensão dos Correios.

Outra empresa que deve ter o sigilo quebrado, também a pedido de Randolfe Rodrigues, é a BSF Gestão Saúde, que recebeu 14 milhões de reais da Precisa e também pertence a Max. Tanto a BSF quanto a Precisa são sócias da Global Gestão em Saúde, que foi investigada por receber 20 milhões de reais para o fornecimento de remédios que nunca foram entregues.

A Global também é investigada por repassar 9 milhões de reais a uma empresa de Milton Lyra, apontado como operador de Renan Calheiros, do MDB — o dinheiro também seria desviado do Postalis. Os senadores ainda não pediram a quebra de sigilo bancário dessa empresa por considerarem que outras firmas em nome de Max tiveram movimentações mais relevantes.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. O governo Bolsonaro se transformou numa sala escura para os brasileiros. A CPI acendeu a luz dessa sala, e nós, os cidadãos brasileiros de bem, enxergamos um monte de baratas correndo desesperadas. Agora é chegada a hora de matar às baratas na chinelada. Depois é ir atrás dos ratos, que correram para os buracos. Deve ter cada ratazana...

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO