Reprodução

Apesar das promessas de Biden, EUA endurecem com haitianos

26.09.21 18:32

Os Estados Unidos realizaram ao longo da última semana uma das maiores operações de deportação da história recente. Sete voos diários levaram migrantes haitianos (foto) para a capital do Haiti, Porto Príncipe. Milhares foram devolvidos ao México após cruzarem a fronteira. A polícia americana também interditou um acampamento de 15 mil pessoas montado debaixo da ponte internacional entre a cidade americana de Del Rio e a mexicana Ciudad Acuña. Nesta sexta-feira, 24, restavam apenas 225 pessoas no local.

A expectativa era a de que a ação das autoridades migratórias americanas não fosse tão dura, em razão das promessas de um acolhimento mais humano feitas pelo presidente Joe Biden, como a suspensão do financiamento para construir um muro, o fim da separação das crianças de seus pais e a anistia para os milhões de ilegais que entraram nos Estados Unidos quando crianças.

As pessoas em geral acreditam que a política migratória americana possa mudar facilmente de um governo para outro, mas não é assim. Aos olhos da legislação americana, a situação dos haitianos não mudou“, diz o professor de relações internacional Dorival Guimarães Pereira Jr., do Ibmec de Belo Horizonte.

O governo de Joe Biden até estuda aumentar o limite de refugiados aceitos ao longo do ano de 65 mil para 125 mil. A medida depende de aprovação pelo Congresso, mas não necessariamente deve ajudar os haitianos que estão na fronteira com o México.

Para obter o refúgio, é preciso fazer um pedido a partir do exterior e alegar “temor de perseguição”. A solicitação pode ou não ser aprovada, após uma análise cuidadosa. Uma pessoa também pode se apresentar na fronteira e solicitar asilo. A análise, nesse caso, é individualizada.

Os Estados Unidos, ao contrário do Brasil, não têm o visto temporário de acolhida humanitária, que pode ser dado em situações mais amplas que as do refúgio, como crises humanitárias, econômicas, ambientais e sociais“, diz Guimarães Pereira Jr.

No Brasil, haitianos, venezuelanos e sírios já foram recebidos com base nesse visto humanitário. Atualmente, há uma expectativa de que o Comitê Nacional de Refugiados, o Conare, adote o visto humanitário também para afegãos. “Essa modalidade, contudo, não existe nos Estados Unidos, onde a estrutura legal se move lentamente“, diz Guimarães Pereira Jr.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. só idiotas acreditam em ianques .. quexo digam as nações apaches . sioux. lakotas . araphaos extintas por fuzis assassinos .. juízo gente.

  2. Bem feito a todos os estadunidenses, acharam que Biden era moderado mesmo diante de todos os indícios contrários, se mostrou mais do mesmo.

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO