À vontade, Wassef volta à PF para torpedear o Coaf

17.04.21 08:03

O advogado Frederick Wassef voltou à Polícia Federal nesta semana. Pela segunda vez em menos de um mês, o defensor da família Bolsonaro prestou depoimento no inquérito aberto para investigar um suposto “aparato” montado dentro do Conselho de Controle de Atividades Financeiras, o Coaf, que teria promovido a “quebra indevida” de seus sigilos bancário e fiscal.

Desta vez, além de depor, o advogado entregou documentos que, segundo ele, mostrariam que os bancos não identificaram nem comunicaram ao Coaf irregularidades em suas transações financeiras. O depoimento foi prestado na quarta-feira, 14.

Wassef chegou a pé — e sem máscara — ao prédio da Superintendência da PF em Brasília por volta das 14 horas. Ele permaneceu no prédio até o início da noite. Ao todo, o advogado do clã Bolsonaro já falou aos investigadores por quase nove horas no inquérito do “aparato do Coaf” — o primeiro depoimento ocorreu no dia 30 de março.

A investigação foi aberta por determinação dos desembargadores da Terceira Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, o TRF-1, no julgamento que anulou o relatório de inteligência financeira do Coaf que apontava pagamentos de 9,8 milhões de reais feitos pela JBS a Wassef. O conteúdo do relatório foi revelado em agosto do ano passado por Crusoé.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

Só R$ 1,90* no primeiro mês

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

*depois, 11 x R$ 14,90

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
    1. Vc deve gostar muito de fofoca. Não perde uma reportagem da Crosue e não tem outro argumento?

  1. Se fosse num país como os Estados Unidos, aonde é aplicado o princípio do "espírito que move a Lei", esses documentos levados ao conhecimento da PF por Wassaf em q bancos declaram a não notificação do órgão de controle - e, portanto o movimento partiu do COAF - seriam PROVAS da cumplicidade dos bancos. Seriam cúmplices. Houve movimentação atípica e os bancos não reportaram. Entrariam como réus, também. Teriam q se explicar - e pagar pesada multa pra não errar novamente. Mas, no Brasil? É mangue

  2. O Moro já havia alertado lá atrás. Foi chutado do governo, pois não compactuava com a bandidagem. Inversão total de valores. Acorda Brasil!!! 🇧🇷🇧🇷🇧🇷

  3. O único sistema que permite o “ folow the money” será torpedeado pelos U2,s inimigos ! Porque ? A quem interessa ? Aos pobres e cidadãos comuns e que não é !!

    1. neste país só tem gente honesta e decente perseguidos pelas instituições que Bolsonaro tentou aparelhar

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO