Reprodução/Instagram

A explicação de Saul Tourinho Leal para o plágio: ‘Esforço mútuo’

07.10.20 20:30

Ao falar sobre o plágio de seus trabalhos por Kassio Marques, Saul Tourinho Leal (foto) recorreu a explicações similares às do desembargador, com quem diz nutrir há anos uma relação acadêmica. O advogado negou irregularidades e afirmou na noite desta quarta-feira, 7, que as passagens idênticas decorrem de um “esforço mútuo”.

Os artigos de Tourinho Leal foram publicados em um site jurídico em 2011, quatro anos antes de Kassio apresentar a dissertação de mestrado à Universidade Autônoma de Lisboa. Dezenas de trechos da tese do magistrado reproduzem partes de textos do advogado, muitas sem tirar nem pôr palavras. Não há, no trabalho, qualquer referência a Tourinho Leal.

Mas, na versão do advogado, as similaridades se dão somente porque seus artigos “são frutos de debates, discussões e troca de informações, que, em conjunto com o desembargador Kassio Marques, constituíram um acervo doutrinário comum para ser utilizado na produção acadêmica de ambos”. As explicações constam de nota enviada por Tourinho Leal ao Estado de S.Paulo.

No presente caso, as ideias expostas na dissertação do Desembargador Kassio Marques são de sua autoria, até porque, temos linhas doutrinárias absolutamente divergentes, guardando em comum tão somente parte do acervo pesquisado, fruto do esforço mútuo dos autores”, completa.

Tourinho Leal, entretanto, não esclareceu outro ponto que chama atenção na dissertação de Kassio Marques: o arquivo do texto, disponibilizado na internet, registra o nome “Saul” como autor do documento. É uma informação que leva à suspeita de que o advogado pode não apenas ter “inspirado” o trabalho de Kassio a ponto de ter passagens inteiras de seus artigos reproduzidas, mas ajudado o magistrado a escrever a dissertação.

Mais cedo, em conversa com Crusoé, o dono do escritório em que Tourinho Leal trabalha, o ministro aposentado do Supremo Tribunal Federal Carlos Ayres Britto, afirmou que, ao que estava inteirado, o advogado não sabia da tese de Kassio Marques, a qual jamais tinha lido. “Se houve plágio, o plagiado não sabe”, disse.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

Só R$ 1,90* no primeiro mês

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

*depois, 11 x R$ 14,90

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Nossa como sempre é um cobrindo o descoberto do outro. Eu não aguento tanta hipocrisia na minha vida de brasileira. Quem sabe um dia conseguiremos ser uma nação que saiba realmente votar. E teremos políticos íntegros e juízes que façam jus a função.

  2. Nova tipificação para advogado chulo, preguiçoso e estelionatário: ˜Esforço Mútuo", é o Piauí exportando suas melhores cabeças. Me espanta Ayres Britto passando pano para plágio. GEZUIS.

  3. Isso se chama “esforço de canonização”. Aceita-se o delito e o erro porque amanhã terei um “santo” para rezar e pedir favores.

  4. Difícil um advogado fazer caso por causa disso, quando na outra ponta tem alguém com os dois pés no STF. Essa história de notório saber jurídico não é tão importante quanto o apadrinhamento e a rede de relacionamento. O candidato já chega ao posto com um passivo de gratidão, indo a Constituição às favas.

  5. Eles pensam que as pessoas são idiotas. Se o esforço foi conjunto então o resultado seria um trabalho em conjunto publicado em uma revista jurídica e não uma dissertação individual picareta na qual metade do conteúdo foi copiado da internet.

    1. Pior que esse escroto vai ocupar a cadeira no STF. Ainda podemos chamar de Côrte Suprema ?

  6. Com a palavra a Universidade Autônoma de Lisboa. Após estes "esclarecimentos", transportando-se para a época, validaria a tese?

    1. Pagando eles validam qualquer coisa. Não é de graça que o Gilmar Beiçola vive por lá arredando dinheiro com esses cursos que, na realidade, é só aparência. Como gosto de ditados, tem um que diz desse turma de doutores, pós-doutores, etc. e tal: CANUDO NÃO ENCURTA ORELHA.

  7. Dois caras de paus, mau caráteres. Ainda acham que tudo mundo é idiota como eles, com pouca bagagem cultural e científica, daí a necessidade do plágio. Falta de conhecimento e estudo.

    1. muito esforço mesmo, copiar e colar, da um trabalhão.

  8. Com essa """cara de selfie""" , """em todos os sentidos""", o """vaquinho leal""" não conseguirá convencer ninguém.....🤭🤭🤭🤭🤭🤭🤭🤭🤭🤭🤭🤭

  9. Se o esforço foi mútuo, o que não significa nada irregular, por que não houve citação de autoria. Numa dissertação isso é muito comum, mas com a devida citação.

    1. Na minha época de escola a tal "ajuda mútua" tinha nome certo: COLA !!! KKKKKK

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO