Pedro Ladeira/FolhapressBolsonaro com Gilson Machado: Turismo também escoou verbas em troca de apoio

A conta é maior

O esquema de distribuição de verbas do orçamento paralelo a parlamentares aliados do governo vai além dos 3 bilhões de reais e envolve outros ministérios, como o do Turismo
21.05.21

Na semana passada, Crusoé revelou qual foi o destino de uma parte do orçamento bilionário usado pelo governo de Jair Bolsonaro para comprar apoio no Congresso Nacional. Em vários casos, a verba que deputados e senadores enviaram para suas bases eleitorais foi parar em empresas de aliados e familiares desses mesmos políticos. Já se sabia que só por meio do Ministério do Desenvolvimento Regional, comandado por Rogério Marinho, um dos ministros mais próximos do presidente da República, foram distribuídos 3 bilhões de reais. Mas a cifra total usada pelo governo para angariar apoio entre os congressistas vai além desse valor e, seguindo a mesma lógica, foi escoada também a partir de outras pastas, como o Ministério do Turismo e o Ministério da Agricultura.

A partir de um mapeamento minucioso do percurso do dinheiro, foi possível constatar que pelo menos mais 850 milhões de reais passaram pelos caixas do Turismo e da Agricultura e, depois, irrigaram projetos indicados por parlamentares aliados. Com um detalhe importante: a dinheirama foi liberada nos últimos dias do ano passado, às vésperas das eleições da Câmara e do Senado, em que o governo se moveu freneticamente para eleger Arthur Lira e Rodrigo Pacheco.

Líder do governo na Câmara, Ricardo Barros, do Progressistas, publicou um vídeo em suas redes sociais em que anunciou ter obtido um repasse de 25 milhões de reais em verbas federais para a construção de um centro de eventos em Maringá, no Paraná. “Tenho o privilégio de ter conquistado os recursos para que nós possamos construir essa importante obra”, anunciou. A mãozinha de Barros alçou o município que ele próprio já comandou à terceira colocação no ranking de repasses do Ministério do Turismo. Um parecer técnico sobre a liberação da verba obtido por Crusoé mostra que o dinheiro tem como origem recursos da chamada emenda de relator, que abasteceu o orçamento paralelo usado pelo Planalto para agradar os aliados.

Pedro Ladeira/FolhapressPedro Ladeira/FolhapressTereza Cristina, da Agricultura: outra frente de repasses
O líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho, do MDB, também foi agraciado com recursos dos ministérios do Turismo e da Agricultura — na reportagem da semana passada, o senador aparecia entre os contemplados com recursos do Ministério do Desenvolvimento Regional que, lá na ponta, foram usados em contratos com empresas ligadas à família dele. A maior parcela da verba destinada por Bezerra por meio do Turismo e da Agricultura foi para o município pernambucano de Petrolina, cujo prefeito é o filho dele, Miguel de Souza Leão Coelho. Em um intervalo de uma semana, entre 24 e 31 de dezembro de 2020, a prefeitura de Petrolina recebeu seis remessas de recursos que totalizam 54 milhões de reais.

O líder do governo no Senado mandou dinheiro, ainda, para outros municípios. Para Caruaru, no agreste de Pernambuco, foram 29 milhões de reais por meio do Ministério do Turismo, chefiado por Gilson Machado, conhecido como o “Sanfoneiro de Bolsonaro”. O mecanismo é exatamente igual ao que foi usado no MDR: o governo libera a verba e os políticos contemplados indicam para onde ela deve ser destinada, a partir de um sistema que passa ao largo dos mecanismos tradicionais das emendas parlamentares – no caso do orçamento paralelo, a destinação é feita sob medida que considera o nível de lealdade dos parlamentares.

Campeã de repasses do orçamento paralelo do Ministério do Desenvolvimento Regional, o município cearense de Tauá, de apenas 60 mil habitantes, figura entre os líderes de repasses também do Ministério da Agricultura, de Tereza Cristina. Foram 10 milhões de reais. A verba é mais alta do que a recebida por grandes polos agrícolas do país. Os recursos chegaram ao município pelas mãos do próprio relator do orçamento, o deputado Domingos Neto, do PSD. Ele vem a ser filho da prefeita da cidade, Patrícia Aguiar, eleita em 2020.

Câmara dos DeputadosCâmara dos DeputadosO deputado Domingos Neto: dinheiro para município administrado pela mãe
Curiosamente, quem teve que assinar às pressas a documentação para que os repasses ocorressem foi um adversário político da família. Candidato à reeleição, Fred Rego tinha acabado de ser derrotado pela mãe de Domingos Neto quando foi procurado para formalizar o papelório que permitiria a transferência da verba. A Crusoé, ele disse: “Esses recursos vieram porque a mãe dele foi eleita, né? Depois que ela foi eleita. Eu assinei porque acho que não poderia ser contra o recurso que estava vindo para o município. A maneira com que ele vem não cabe a mim, está entendendo? Se você fizer um levantamento, vai ver que não chegava tanto antes”.

O ex-presidente do Senado Davi Alcolumbre, do DEM, aparece entre os contemplados com as liberações do Ministério do Turismo. Por meio dos recursos extraordinários que chegaram à pasta para serem distribuídos a aliados do governo, ele pôde destinar ao Amapá, seu estado de origem, 16 milhões de reais. No parecer da equipe técnica do ministério aparece o registro: o dinheiro está carimbado como proveniente da emenda de relator, em mais uma demonstração de que o expediente foi transformado em um duto para o governo agraciar os parlamentares de sua predileção.

O velho jeitinho aparece de diferentes maneiras na distribuição dos recursos. Por exemplo: nem sempre os municípios que recebem verbas do Turismo estão em regiões com vocação turística. Há casos, porém, em que os parlamentares, em conjunto com prefeitos aliados, fazem uma gambiarra nos documentos para se enquadrar às exigências. E o governo federal, claro, aceita alegremente. Em resposta às perguntas enviadas por Crusoé, o Ministério da Agricultura confirmou que os repasses foram feitos com recursos provenientes da emenda de relator, mas evitou tratar dos parlamentares que foram agraciados e das razões dos repasses. Também procurado, o Ministério do Turismo não respondeu.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Por falar em dinheirama, tenho uma observação que gostaria de compartilhar ou confirmar com os leitores da Crusoé: Faz muito tempo (exceto no tempo de seu lançamento) que nos caixas eletrônicos aqui da região não aparecem as notas de R$ 200. Deixaram de circular? Qual a razão?

  2. Gostaria q os jornalistas explicassem qual a diferença entre o relatado e a entrega de ministérios “de porteiras fechadas” q sempre existiu em todos os governos anteriores? De fato, bem comparando, talvez o “modelo” atual seja até menos pernicioso q o modelo “porteira fechada”, pois permite algum “controle” (tanto q um adversário político teve que reconhecer o benefício p/ sua cidade). No mais, não vale APENAS dizer que não deveria ser assim a formação de base de apoio; tem q apontar a solução.

    1. Uma bela passada de pano, mas se você ainda não entendeu os repasses não eram feitos por força de lei e sim por conveniência. O político deve ser leal ao clã Bolsonaro para assim receber as emendas e destinar elas a seu estado.

    2. Se o #BolsoNero não tivesse dito na campanha eleitoral que acabaria com a corrupção eu até entenderia seu governo.

    3. Ah! Entendi. Vamos fazer uma corrupção assistida, controlada, que assim pode. É isso mesmo, LSB?

    1. E assim que Ele se diz Diferente dos anteriores?

  3. Só uma perguntinha: Com os políticos que temos, cada um pior do que o outro, salvo raríssimas exceções, sempre defendendo seus próprios interesses e não da coletividade, esse País tem jeito? Tem? Duvido.

    1. Nos meus 63 anos de vida lembro do termo carestia e do preço do pão, depois foi a ditadura, seguida pelo termo inflação, planos..., e, quando finalmente atingimos um certo equilíbrio econômico, cai em nosso colo a o tema corrupção. Felizmente conseguimos respirar um ar de modernidade e até orgulho cívico nos tempos de força-tarefa e Sergio Moro. Hoje, observo que a única coisa que não muda são eles, os políticos profissionais, os "macaco velho" de carreira!

  4. Vejo com tristeza essa perpetuação de uma mentalidade corrupta, mantida pela maioria de nossos políticos. Apesar de tudo, continuo acreditando que somente o Congresso tem força pra mudar esse estado de coisas. Basta elegermos parlamentares decentes ...

  5. O estelionato das opiniões do jornalismo de esquerda esqueceram das notícias, comparar o esquema da ratazana Mor Lula ladrão com Bolsonaro é o fim da picada.

  6. Por muito menos Dilma foi afastada. Esse lixo de presidente já deveria ser afastado e preso ! Vagabundo, populista incompetente e ladrão

    1. Muito menos, não. Não minta ou não se engane! Dilma fez a mesma coisa (comprou apoio com emendas e com ministérios de porteiras fechadas) e AINDA cometeu fraude contábil (muito mais grave e q foi o motivo “legal” de seu impeachment).

  7. Patrick e Luiz Vassalo, como sempre, reportagens excelentes! Agradecimentos pelo trabalho ! Parabéns à Rodrigo Rangel! Parabéns à Crusoé!

  8. Não é um mensalão, pois não ocorrerá mensalmente, mas o volume parece ser até maior, creio que poderia ser chamado de PLR -Participação no Resultado, um espécie de bônus por fidelidade

  9. Conclusão da Crusoé, 21.05.: S. Cabral denunciou Toffoli e foi mal; STF destruiu a CF, soltou Lula, para sua reeleição, engavetou denúncias contra seus aliados corruptos; J.M.B. comprou senadores para se blindar. Os Generais das FFAA covardes! O Brasil se ferrou!

  10. Todos os Governos Brasileiros são Corruptos. Nenhum se salva. O Povo Brasileiro é o mais Corrupto do Mundo. Só vota nessa Corja.

  11. os EXEMPLOS EXCECRÁVEIS que uma SOCIEDADE tão CORRUPTA é capaz de produzir! São DEGENERADOS MORAIS que IMPEDEM o BRASIL de AVANÇAR! Em 2022 SÉRGIO MORO “PRESIDENTE LAVA JATO PURO SANGUE!” Triunfaremos! Sir Claiton

  12. Tereza Cristina é competente e ė diferente da maioria dos ministros de Bolsonaro (os quais têm evidentes desvios de personalidade, doses fortes de psicopatia). É uma pena que sua pasta da Agricultura esteja colaborando nessa desonestidade.

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO