ReproduçãoEl Paisa, Iván Márquez e Jesús Santrich, da esquerda para a direita: experiência com batalhas e narcotráfico

Eles voltaram

O retorno das Farc à luta armada, a cooperação com o ELN e o apoio da Venezuela podem acender um barril de pólvora na vizinhança do Brasil
06.09.19

Com uniformes verde-oliva, roupas camufladas, pistolas na cintura e fuzis a tiracolo, um grupo de vinte dissidentes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, as Farc, anunciou o retorno à luta armada no final de agosto. Em um vídeo nas redes sociais, Iván Márquez, um dos que negociaram o acordo de paz com o governo colombiano em Cuba, acusou a existência de uma “guerra injusta contra a Venezuela”, revelou uma coordenação com o Exército de Libertação Nacional, o ELN, outro grupo terrorista, e prometeu uma batalha contra a “oligarquia excludente, corrupta, mafiosa e violenta que acredita que pode continuar a fechar a porta do futuro do país”.

Como o governo da Colômbia anunciou que iria no encalço do grupo, que está abrigado na Venezuela, o ditador Nicolás Maduro ordenou a realização de exercícios militares na fronteira com a Colômbia. As manobras terão início na próxima terça-feira, 10, e irão até o dia 28. “O governo da Colômbia agora pretende criar um falso positivo para agredir a Venezuela e começar um conflito militar com nosso país”, disse Maduro. “Iniciaremos toda atividade militar necessária para a Venezuela preservar sua segurança e tranquilidade.”

Uma análise do perfil dos integrantes do bando de Márquez dá uma pista sobre o tamanho da encrenca que se tem pela frente. Os homens e mulheres que posaram no vídeo ao redor dele e de Jesús Santrich, de óculos escuros, são um grupo da pesada, com experiência em combate. “Os que aparecem no vídeo não se destacam pela política. É gente operativa, curtida na batalha”, diz o colombiano Marcos Peckel, professor de relações internacionais na Universidade de Rosário.

À direita de Márquez estava Hernán Dario Velásquez, conhecido como El Paisa. Mercenário do traficante Pablo Escobar em Medellín, ele foi capturado com 1.000 fuzis e 250 morteiros e condenado por tráfico de armas. Na cadeia, conheceu integrantes das Farc. Em liberdade, uniu-se ao grupo. El Paisa comandou uma das colunas mais temidas e sanguinárias das Farc, responsável pelo assassinato de famílias de políticos, pelo atentado com carro-bomba no clube social El Nogal, em Bogotá, com 37 mortos e quase duzentos feridos, e pelo sequestro simultâneo de doze deputados em 2002, dos quais onze morreram.

Reprodução/redes sociaisReprodução/redes sociaisMaduro com Iván Márquez, na assinatura do acordo de paz, em 2016: o ditador esperava o terrorista no Foro de São Paulo, em Caracas
A possibilidade de uma cooperação com o ELN preocupa. Inspirado na Revolução Cubana, com ideias marxistas, padres da Teologia da Libertação e apoio nas universidades, o ELN tem mais capacidade de promover atentados em áreas urbanas. “Eles são mais dogmáticos e radicais do que as Farc e têm mais presença nas cidades”, diz a cientista política colombiana Sandra Borda, da Universidade dos Andes. “Ataques em áreas populosas costumam produzir mais vítimas e geram mais terror.”

As ameaças de Iván Márquez, no entanto, não significam um retorno à guerra interna que deixou 260 mil mortos ao longo de 60 anos. Com o acordo de paz com as Farc assinado no final de 2016, cerca de 90% dos seus integrantes abandonaram as armas. O grupo que aparece no vídeo com Iván Márquez é uma minoria. O que move a maior parte deles é o medo de enfrentar a Justiça. Vários enfrentam a possibilidade de serem extraditados por envolvimento com narcotráfico. Por pouco esse não foi o destino de Jesús Santrich, flagrado este ano negociando a exportação de dez toneladas de cocaína para os Estados Unidos.

Enquanto o ELN tem se financiado principalmente com a mineração ilegal, as Farc tem se associado ao narcotráfico, a ponto de participar da fabricação da droga. De acordo com o Departamento de Estado americano, Iván Márquez foi o responsável por implementar as políticas da guerrilha em relação às drogas, o que incluiu “dirigir e controlar a produção, a fabricação e a distribuição de centenas de toneladas de cocaína para os Estados Unidos e para o mundo”. Márquez também ordenou a morte de centenas de pessoas que tentaram atrapalhar seu negócio. Os americanos oferecem 5 milhões de dólares para quem der informações que levem a sua captura.

Flickr Julián Ortega MartínezFlickr Julián Ortega MartínezCartaz do ELN: presença maior nas cidades pode provocar mais vítimas
Para voltar à ativa, porém, o grupo de Iván Márquez terá de disputar espaço com outras dissidências das Farc que também recusaram o acordo de paz. Eles hoje somam cerca de 2.300 indivíduos. Para as organizações maiores e bem estabelecidas, não há sentido em se unir às Farc, pois isso atrairia a atenção das Forças Armadas. Conflitos entre os bandos são muito prováveis. “O retorno das Farc implica que eles entrarão em territórios que foram ocupados recentemente por dezenas de grupos criminosos. As Farc, então, terão de fazer acordos com eles ou liquidá-los, o que deve deflagrar uma luta sangrenta pelo território com sérias consequências para as comunidades rurais, indígenas e negras”, diz o sociólogo colombiano Ricardo Vargas Meza.

Quanto à cooperação com o ELN, há dúvidas se a amizade é mesmo para valer. O grupo chegou a festejar o retorno das Farc na capa de sua revista, mas os dois bandos continuam se enfrentando em vários lugares. “Tem muita mentira nessa última declaração das Farc. Os antigos grupos das Farc e o ELN brigam por território o tempo todo e têm projetos políticos muito diferentes”, diz o colombiano Víctor de Currea-Lugo, especialista em conflitos e autor de livros sobre o ELN.

ReproduçãoReproduçãoEm vídeo, Santrich foi flagrado negociando venda de cocaína para os EUA
Para o Brasil, o risco seria se um conflito armado de maiores proporções tivesse início na fronteira entre Colômbia e Venezuela. A gravidade dependeria muito do tipo dos vínculos que foram estabelecidos entre as Farc e as Forças Armadas da Venezuela. Desde a chegada de Hugo Chávez ao poder, em 1999, o grupo terrorista tem se aproximado do governo venezuelano e adotado alguns de seus slogans bolivarianos. Em julho, o ditador Nicolás Maduro disse que Iván Márquez e Jesús Santrich seriam bem-vindos a seu país. Maduro chegou a dizer que a dupla compareceria ao Foro de São Paulo, encontro de partidos e movimentos de esquerda que aconteceu em Caracas no final de julho.

“Na eventualidade de uma ação colombiana além da fronteira, a grande pergunta será sobre qual será a relação entre as Farc e as estruturas militares e paramilitares da Venezuela”, diz o historiador e cientista político colombiano Sergio Guarín, diretor-executivo da Fundação Reconciliação Colômbia, em Bogotá. “Se, além dos agrados políticos, as Farc receberem armas e apoio logístico dos militares venezuelanos, então o risco de um conflito bélico será muito maior.”

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. O poder corrompe homens que já trazem em si a imoralidade. As FARC basta a si mesma. Um poder não constituido tomado pelas armas e pela violência. Uma quadrilha armada com braços espalhados por todo globo terrestre. Para deter essa força, somente instalando uma contra guerrilha no território deles.

  2. na ERA da ESQUERDALHA no poder no Brasil, foi noticiada a aproximaçao com as FARC com a DILMA nomeando MONA , mulher de PADRE MEDINA ex-terrorista das FARC (não existe ex terrorista.. errei.. existe apenas gabeira e alfredo sirkis, acho!). è melhor que nossas FFAA fiquem já de prontidão , de olho em nossa fronteira NORTE! Vai ter terrorista colombiano e venezuelano cruzando nossa fronteira. MATEMOS QUEM CRUZAR ! AJUDEMOS a COLOMBIA!!!

  3. Esse é o seleto grupo que participa, junto com os petralhas, do Foro de São Paulo. A esquerda brasileira, admiradora do socialismo bolivariano que tanta miséria e mortes têm causado ao povo da Venezuela não se pronuncia em defesa dos "irmãos socialistas". Se pelo menos tivessem coragem de pegar em armas, como o companheiro José Dirceu, que nem pra guerrilheiro prestou, ajudaria o Brasil a se livrar dessa corja de ladrões da república. É óbvio que Maduro dará apoio logístico aos terroristas.

  4. Mais uma vez fica clara a ligacao das FARC com a esquerda e com o narcotrafico. No fundo sao um bando de bandidos e devem ser tratados como tal. Acho q a Colombia deve fechar a fronteira e liquidar as faccoes internas. Limpar a casa.

  5. Até a igreja quer se meter na questão Amazônica. O Papa Francisco anunciou a convocação de um Sínodo Especial para a Amazônia, em outubro de 2017, dando início a um processo de escuta sinodal que começou na própria Região Amazônica com sua visita a Puerto Maldonado em janeiro de 2018. O sínodo ocorrerá entre 6 e 27/10/2019. O principal temor é que as conclusões do Sínodo se tornem um pretexto para a disseminação de ideias de internacionalização, que ameacem a soberania nacional sobre a região.

    1. Pior: se JB ousar defender nossa soberania e falar que Sua Santidade não precisa se preocupar com a Amazônia, essa mídialixo e alguns comentaristas esquerdopatas vão cair de pau nele, dizendo que está desrespeitando o Papa e envergonhando o país. Por que esse cidadão argentino originalmente de batina preta e pendores socialistas, não convoca um sínodo para internacionalizar a Sibéria, que está derretendo? Afinal água é um patrimônio da humanidade e segundo os alarmistas, vai faltar.

  6. Bandidos unidos, quem apoia também é bandido, está recebendo dinheiro e vantagens com esses narcotraficantes. Aliás, essa é a história das esquerdas latino-americanas

  7. Isso se deve em grande parte a uma imprensa que age com tolerância ao terrorismo, tratando-os como "democratas". Aí quando o Jair põe os pingos nos is chamam ele de "radical". Esse é o preço que se paga pela falta de valores éticos-morais por grande parte da imprensa.

    1. Ela tá preocupada com quem mata bandidos e não com quem os bandidos matam, uma canalha.

  8. Acho que dessa vez os EUA vão entrar direta ou indiretamente nessa guerra. Jesus Santrich é procurado pelo FBI e pela Interpol e ambas agências oferecem recompensa de mais de 5 milhões de dólares, além do 1 milhão de dólares oferecido pelo Governo da Colômbia.

  9. Padres e universidades a serviço da esquerda. Como vombatê-los em seu próprio território? Temos grandes lições e só nos resta aprendê-las.

  10. Olha as cobrinhas voltando ... acreditaram na Anistia ? ahhh eu vejo a história se repetir ... Bateram palmas pra "malucos" dançarem agora aguentem ... e como eles dizem .... Viva Simon Bolívar ....

    1. Infelizmente, o Maduro não caiu. a Cristina volta e tomam a Argentina. O Lula será solto, inocentado, de FICHA LIMPA, com as bênção do stf. voltarão ao governo com os bilhões roubados, cooptaram muita gente e continuam fazendo. E a guerrilha voltara oara retomar a Colômbia. TEORUA DA CONSPIRAÇÃO? não, COINCIDÊNCIAS...

  11. O comentarista se esqueceu que dentro do Brasil já há uma guerra de guerrilha em andamento com fabulosa união do PT e PCC com ataques a bancos e mortes , considerando que a esquetdopatia arma da é forte na América "Latrina"

    1. O comentário, ao menos nas entrelinhas, se adapta perfeitamente aos que dominaram o país nas duas últimas décadas, continuam mentindo compulsivamente, mesmo da cadeia, e se auto intitulam de "resistência democrática", em nada - pois apoiam ditaduras extremistas facínoras.

  12. Esse é o novo capítulo do resultado do prêmio Nobel da Paz de 2016. "Não se negocia com terroristas". Principalmente com aqueles que têm sua base no narcotráfico! Tal como dependentes químicos, muitas vezes acabam retornando ao vício...

Mais notícias
Assine 50% off
TOPO