Fabio Braga/Folhapress"A esquerda brasileira hoje aprende a pauta enquanto toma Coca-Cola"

A ‘esquerda Cinderela’

O filósofo Luiz Felipe Pondé diz que a agenda de costumes importada dos Estados Unidos é tudo o que restou para os socialistas do Brasil e reclama da falta de uma tradição liberal no país
22.03.19

O escritor Luiz Felipe Pondé foi um dos primeiros a denunciar a hegemonia da esquerda nas artes e nas universidades, fenômeno que ganhou a alcunha de “marxismo cultural”. Adepto das ideias conservadoras e liberais e assumidamente de direita, durante anos a fio ele esteve entre os críticos mais tenazes dos governos petistas. Hoje Pondé diz que a esquerda segue hegemônica no meio cultural e na academia, mas está perdida, sem saber o que quer e limitada a causas comportamentais. “Eles têm uma visão de mundo Cinderela. Acham que se ficarem trabalhando com wifi em coworkings, usando scarfs, sendo hipster e fazendo projetos cheios de significados podem conseguir alguma coisa”, afirma.

Pondé reconhece o papel histórico das redes sociais no movimento que removeu o PT do poder, mas crê que a guerra cibernética já passou dos limites. Para ele, é hora de deixar a bolha da internet e as polêmicas e partir para o que precisa ser transformado na vida real. O filósofo estende a crítica, dirigida aos antipetistas que seguem atuantes (e incisivos) nas redes, a Jair Bolsonaro. A razão: o presidente estaria privilegiando a pauta dos costumes em detrimento de temas como a reforma da Previdência e o pacote anticrime. “Ele fica nessa guerra cultural, quase fofoca, criando instabilidade o tempo todo. Este é um governo que fala demais. Vai e volta. O problema é que com essa atitude Bolsonaro vai gastando o seu capital simbólico e as expectativas de que ele faça um governo que melhore a economia e a segurança pública vai caindo”, diz.

Apesar de seguir dando aulas na Pontifícia Universidade Católica e na Fundação Armando Álvares Penteado, em São Paulo, Pondé perambula muito mais fora dos corredores das universidades. Dá palestras, escreve artigos, tem um canal no Youtube com mais de 500 mil inscritos e é um autor incansável de livros. Sua última obra, “Filosofia do cotidiano: um pequeno tratado sobre questões menores”, foi lançada no início de março pela editora Contexto. O filósofo recebeu Crusoé em seu escritório em São Paulo para a seguinte conversa:

A sociedade brasileira está ficando mais conservadora nos costumes?
Não acho isso. O Brasil é um país de maioria católica. E os católicos sempre tiveram um temperamento mais acomodado. É uma denominação religiosa que convive bem com o pecado. Existe uma certa tradição de entender que o bom católico é aquele que se sabe um pecador. Tem padre para confessar e toda uma coisa que os protestantes, mais rígidos, não têm. O que percebo é que as mídias sociais trouxeram à tona um certo comportamento conservador. Com as redes sociais, esse sujeito apareceu mais. É o cara que acha que bandido tem de ficar preso, não quer que o professor diga para o filho dele que ele pode ser gay e não gosta de artista pelado no museu. Isso, sim, apareceu mais. Mas é algo que sempre existiu.

O aumento da população evangélica estaria impulsionando um conservadorismo maior?
É verdade que o Brasil tem ficado mais evangélico e que eles têm mais filhos. Provavelmente hoje estão se sentindo mais representados, porque aumentou a bancada identificada com os evangélicos. Mas, à medida que eles vão enriquecendo, também vão abandonando as pautas conservadoras. Além disso, eles nunca foram organizados no Brasil da forma como são nos Estados Unidos. Sempre foram muito fisiológicos e pragmáticos. Veja que o pastor Marco Feliciano chegou a participar da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados no governo de Dilma Rousseff. Eles conviveram muito bem com o governo do PT durante muito tempo. Então, não acho que o que esteja acontecendo no Brasil seja por causa do aumento da população evangélica. Isso tem mais a ver com as redes sociais.

Por que no Brasil a pauta progressista nos costumes sempre esteve nas mãos da esquerda?
A esquerda nasceu na Revolução Francesa (1789-1799) com um discurso humanista. Na Europa, principalmente entre sindicalistas, o foco era melhorar as condições de trabalho da população. Essa esquerda que conhecemos hoje, progressista nos costumes, é uma invenção americana. Karl Marx jamais pensaria assim. Nos Estados Unidos, esse fenômeno acabou ocorrendo porque não havia mais o que fazer. No século XX, a esquerda produziu regimes políticos terríveis. Na economia, faliu todo mundo. O que sobrou para eles foi a cultura, os costumes. Mais tarde, os brasileiros acabaram importando esses valores adotados pela esquerda americana. Isso se deu principalmente entre a classe média alta de universidades caras e com jovens criados a leite de pato dentro de casa. Gente que foi fazer humanas, comunicação e audiovisual. Na frente de europeus como Karl Marx e Lênin, essa moçada do PSOL faria xixi nas calças. Iriam morrer de medo.

Como o sr. definiria a pauta da esquerda brasileira atualmente?
A esquerda brasileira hoje aprende a pauta enquanto toma Coca-Cola. É uma coisa totalmente americana. Eles ignoram o que acontece na Europa. Recentemente, recebemos a visita do filósofo francês Bernard-Henri Levy, autor do livro “O Espírito do Judaísmo”. Ele veio logo depois da eleição do Bolsonaro. Na plateia havia um contingente importante de pessoas de esquerda e todo mundo estava festejando a presença do francês. Mas quem conhece o cenário político da França sabe que Levy é da direita liberal. Ele se dissociou do marxismo, mas foi acolhido no Brasil como se fosse de esquerda. Do Brasil, só sabemos olhar para os Estados Unidos. Principalmente depois que a esquerda nacional perdeu o poder federal, com a eleição de Jair Bolsonaro, só restou a pauta dos costumes. Discutem minorias, falam de racismo e fazem filmes em que Marighella é negro, forçando a barra. Aí argumentam que é para empoderar a população negra.

Por que a parcela da direita brasileira que é liberal nos costumes quase não aparece?
A semântica do pensamento liberal no Brasil é quase inexistente. Essa tradição nasceu na Inglaterra, com John Locke no século XVII. Ele influenciou o inglês John Stuart Mill e Edmund Burke. Eles defenderam um limite ao poder do soberano, reforçando a ideia de respeito à vida privada dos indivíduos. Poderíamos chamar isso de liberalismo de comportamento, em que se reserva um espaço para a esfera privada e individual. Isso foi algo que a esquerda americana acabou pegando. Não é à toa que o termo “liberal” nos Estados Unidos se refere a pessoas de esquerda. No Brasil, esse liberalismo de comportamento de tradição europeia nunca pegou. Por aqui não existe uma bibliografia liberal conservadora, só existe a bibliografia marxista. Os alunos não aprendem o que é liberalismo e os jornalistas não sabem do que se trata. Se eles não dominam a história do termo, as pessoas comuns sabem menos ainda.

Fabio Braga/FolhapressFabio Braga/Folhapress“O que ainda segura o Bolsonaro é a ideia de que a outra opção, um governo do petista Fernando Haddad, seria pior”
Por que esse liberalismo de John Locke não pegou no Brasil?
Nosso país é pobre em letras. Paupérrimo. A elite brasileira econômica ainda não acredita em letras. E, quando acredita, é ignorante o bastante para achar que investir em cultura é investir só em pautas da esquerda americana. Nossa elite econômica não acredita em qualquer coisa que não seja ganhar dinheiro. Ela é muito pobre de espírito. Todo mundo que conhece gente muito rica sabe disso. Quando o filho dessa elite vai fazer cinema e documentário, ele quer falar sobre pobre, puta, bandido e ladrão. Acha que isso vai significar que ele é melhor do que o pai capitalista e que vai mudar o mundo, mas a verdade é que esse ser vive de dividendos. Tudo isso também tem a ver com o fato de o capitalismo não ter fincado raízes direito no Brasil. Quando se fala em privatização, as pessoas acham que todo mundo vai morar debaixo da ponte. Para contra-atacar, falam em direitos trabalhistas. Mas não tem ninguém querendo vir dos Estados Unidos para cá, só o contrário. Nunca vi um americano querendo trabalhar ilegalmente aqui.

Nos Estados Unidos, o senador independente Bernie Sanders e a deputada democrata Alexandria Ocasio-Cortez estão levantando a bandeira do socialismo com forte intervenção estatal. A esquerda pode ir além dos costumes e atacar o liberalismo econômico de frente?
Não muito. A questão é que a esquerda, no momento em que virou millenial, começou a achar que tudo pode ser resolvido pelo iPhone. Eles têm uma visão de mundo Cinderela. Acham que se ficarem trabalhando com wi-fi em coworkings, usando scarfs, sendo hipster e fazendo projetos cheios de significados podem conseguir alguma coisa. Mas aí a vida fica meio aerada. Quando se coloca socialismo em cima disso…

O que acontece?
Podem fazer documentários, isso sim. Conheço uma moçada assim, principalmente no ramo audiovisual. Dou aula para gente de 18 e 19 anos. Também já dei uma residência em que orientei 24 projetos ao longo de seis anos. Eles falam em fazer algo por meio de documentários, de vlogs, de blogs… Querem transformar o mundo discutindo questões do ponto de vista artístico e da estética, mas essas coisas são completamente periféricas. É o mesmo erro que o presidente Jair Bolsonaro comete ao espalhar um vídeo de um cara fazendo xixi na cabeça do outro. Trata-se de um assunto completamente secundário. O governo tem de fazer a reforma da Previdência. Tem de cuidar do que precisa ser cuidado.

Que opinião o senhor tem do governo Bolsonaro até agora?
Bolsonaro venceu a eleição do ano passado com os votos dos que achavam ele a melhor opção e com os votos dos que achavam que era a opção menos ruim. Mas, para esse segundo grupo, o presidente está aquém. Aparentemente, ele mesmo não consegue entender qual é a sua função. A prova disso é esse bate-boca sobre golden shower ou sobre o Carnaval. Ele fica nessa guerra cultural, quase fofoca, criando instabilidade o tempo todo. Este é um governo que fala demais. Vai e volta. O problema é que com essa atitude Bolsonaro vai gastando o seu capital simbólico e as expectativas de que ele faça um governo que melhore a economia e a segurança pública vai caindo. O que ainda segura o Bolsonaro é a ideia de que a outra opção, um governo do petista Fernando Haddad, seria pior ainda. É esse o fio que ainda o segura. Muita gente acha que o PT seria ainda pior por causa da corrupção, da economia péssima, da visão socialista.

Não dá para polemizar o tempo todo nas redes sociais?
A direita aprendeu essa técnica com a esquerda. É um método que teve sua importância na história da política brasileira. Se essa direita não tivesse agido assim, a gente provavelmente estaria pior. O PT ficaria 150 anos no poder. Orgânico do jeito que o partido era, com gente trabalhando de coração para aquele negócio, eles não sairiam jamais. Então eu reconheço a importância de ter uma militância contra a esquerda na internet. Faz parte do jogo. O problema é que o momento agora é outro. É preciso deixar o vício de lado e entender que certas coisas são necessárias para botar o país rodando. Se continuar somente nas questões periféricas, polemizando, a esquerda pode preparar uma reviravolta na esquina. E a direita pode tomar uma porrada nas eleições para prefeito.

Fabio Braga/FolhapressFabio Braga/Folhapress“Reconheço a importância de ter uma militância contra a esquerda na internet. O problema é que o momento agora é outro”
Para um governante, não fica muito difícil governar se as pessoas só querem saber de outras coisas?
A democracia é assentada na soberania popular. Mas a verdade é que os cidadãos decidem pelo voto sobre coisas que não compreendem. E nunca vão entender porque não há tempo hábil para isso. A democracia é um mito moderno por excelência. As pessoas estão muito mais interessadas sobre temas ligados a sexo, como dizia o velho Sigmund Freud, do que sobre a reforma da Previdência. Então essa baixaria o tempo inteiro nas redes sociais funciona por um certo tempo. Minha pergunta é: se a economia for para o saco, essa estratégia continuará funcionando a médio prazo? Essa é a minha dúvida.

O que o sr. recomendaria para as pessoas que não querem entrar no corpo a corpo dos radicais da internet?
A primeira coisa que eu recomendo é que a relação com as mídias sociais seja sobretudo profissional e limitada ao estritamente necessário. As mídias sociais são como a pessoa promíscua sexualmente. Quando você vai até ela, você está sempre correndo o risco de pegar doenças sexualmente transmissíveis. É preciso sair das câmaras de eco e dos discursos contínuos em que um fica xingando o outro o tempo inteiro. Uma postura estoica como essa pode ajudar até mentalmente. Melhor do que ficar nessa tagarelice é se concentrar em coisas concretas e próximas. Focar no trabalho, nos vínculos com as pessoas próximas. Esse é o tipo de atitude boa quando o mundo que você vive está enlouquecendo. Ler mais literatura também pode ajudar.

O que salva na produção artística brasileira hoje?
Acho que nossos artistas ainda estão muito presos pelos mecanismos de financiamento. Além disso, eles também estão imersos nos mecanismos de socialização. Se você não for de esquerda, não fará amigos e não será convidado para as festas. Os artistas, assim como os jornalistas e professores, enxergam a si mesmos como se fossem um clero do bem. Isso tem a ver um pouco com a miséria financeira em que eles vivem. Quando se é pobre e ninguém reconhece valor em você, é melhor achar que se está lutando uma guerra em nome do bem. Isso ajuda a pessoa a levantar de manhã, já que ela não pode tomar café da manhã numa padaria cara. Talvez daqui a uns cinquenta anos isso mude.

O ministro da Educação, Ricardo Vélez, tem dito que a esquerda domina as escolas e universidades. Acredita que ele conseguirá quebrar a hegemonia do chamado “marxismo cultural”?
Não acho. Para fazer isso, o ideal seria acabar com o Ministério da Educação. Já falei para o Paulo Guedes: feche o MEC. A máquina, a veia burocratizante e a tendência que arma a Nomenklatura, como se falava na época da União Soviética, nascem com o MEC. Penso que o nível máximo que o estado poderia meter a mão na educação devia ser a prefeitura. No pior cenário, o estado. Mas jamais a federação. O MEC não serve para nada. Dependendo do burocrata que está lá, ele acha que vai dar um resultado. Como esse cara (Ricardo Vélez). É um burocrata, não entende nada da máquina, e que tem lá o seu ideário combativo e cultural. Ele se meteu nessa história idiota de mandar as crianças cantar o hino nacional, pedir para filmar e mandar para Brasília. É uma proposta tosca.

Como o sr. vê a atual onda patriótica?
Essa história de ‘Brasil, ame-o ou deixe-o’ é coisa da ditadura militar. Na época, significava basicamente que estávamos na Guerra Fria. Que estávamos do lado americano e os comunistas eram a ameaça. Hoje a situação é outra. A América Latina é um continente isolado e distante. Os americanos olham para a gente com sono. Além do mais, não existe nenhuma ameaça por aqui. Qual é a ameaça que o nosso país enfrenta? Bolsonaro acha que os travestis irão acabar com o Brasil? Ele é patriota contra quem, exatamente? Vejo que esse discurso é um pouco equivocado e, de certa forma, atrasado. Até porque o PT também poderia usá-lo, mas com sinal contrário. Seria algo parecido com o que faz o Nicolás Maduro faz na Venezuela. Veja que lá, em Caracas, o (presidente interino) Juan Guaidó é acusado de entreguista. Para mim, isso de nacionalismo é que nem queimar vela com defunto ruim, como diziam as nossas avós. A luta mais interessante a ser travada no Brasil hoje seria transformar isso em uma sociedade liberal de verdade, em todos os sentidos.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

Só R$ 1,90* no primeiro mês

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

*depois, 11 x R$ 14,90

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Travesti nao... mas a hegemonia '' progressista '' pode sim... destruir nossas instituições, e a posteriore a economia do país etc - que já está a beira da bancarrota. E na guerra sempre há apenas um vencedor. De resto, SHOW a matéria.

  2. Concordo com o filósofo Pondé. Devemos cuidar das redes sociais irmos à luta nas ruas quando necessário! Também penso que nosso presidente deva cuidar e tomar suas decisões para melhor nosso país sem ficar provocando a outra ala porque não vale a pena! Penso também que os filhos do presidente foram eleitos para cargos que precisam deles onde ganharam ! Então que parem de ficar junto do presidente porque não votamos neles !!!

  3. Pondé, este cara deveria ponderar mais! Acho ele mto controverso, mto elitizado e polêmico! As redes sociais ainda são mto importante a meu ver tanto para o Presidente como para seus apoiadores! São importante para o presidente pq a mídia sistematicamente o persegue desde a 1ª semana já cobrava resultado uma coisa absurda! É o único canal de comunicação que ele tem c a população! Agora seus seguidores precisam apoia-lo, então tem que continuar fieis mostrando isto nas redes!

  4. O brasileiro tem que entender que o Brasil é nossa grande casa e quem não gosta da sua casa, não cuida bem dela. Ha muito tempo o brasileiro não precisa de inimigo externo, pois ele mesmo destrói sua grande casa .

  5. Ponde deve entender q a internet e nosso meio de comunicação e combate.Sem ela entraríamos no esquecimento, o q não queremos. Basta uma pequena ausência e a maquina podre e poderosa volta a dominar.E nem todos ficam se xingando o tempo todo, ao contrario, e uma rica fonte de esclarecimento e conhecimento.Hoje isto não é mais restrito ao meio intelectual.Todos tem acesso.Tenho consciência do poder da esquerda.E só baixar a guarda que eles voltam.Nao morreram em 1964, governaram ate hoje.

  6. Gosto de ouvir Pondé, por ser uma voz oposta à esquerda, só que ele é diferente dessa direita lixo que cresceu com Bolsonaro. Sua voz é fresca, sem ranço e sem caretice moralista.

  7. Ser liberal é ser livre. Duda, sugestão: entrevista o Villa, ele tem um pé atrás com o liberalismo, gostaria de entender melhor. Esta direita bolsonarista é over.

  8. Já tive esperanças no Pondé, até entender que ele nada tem de conservador. O liberalismo total pretendido pelo Pondé não é nada mais do que o fiel parceiro do (neo-)comunismo, do qual o marxismo cultural é meio. Desdenhar da guerra cultural é sugerir aos conservadores voltar à passividade de antes e perder sem lutar. Dito isto, Pondé está muito mais à esquerda do que parece, e longe do que quer parecer: o centrado, Pondé-rado como disse alguém. Ponderado na linguagem, mas daninho nas ideias...

    1. ... menosprezar a guerra cultural é usar a estratégia do diabo (fazer crer que não existe para não ser combatido) em favor do socialismo. O que não é surpreendente num liberal puro. Vejam o Pondé na Academia e o Amoedo na política. E o Soros...

  9. Do discurso do PONDÉ não se tira nada... Coitada da PUCatólica, os padres deveriam ser mais rigorosos com seus professores. Parece enredo de escola de samba, precisa ser explicado cada alegoria senão ninguém entende nada.

  10. O que é democracia? Todos sabem, ou pensam saber. Mas o que é liberalismo? Pondé é um democrata ("a democracia é o mito moderno por excelência") e liberal ao extremo. Liberalismo é uma incógnita em constante evolução. Ou uma "metamoforse ambulante", como cantaram. Lutero, ao protestar, lançou o liberalismo na doutrina e nos costumes (ensaiou o liberalismo político, mas depois se aliou aos príncipes, por conveniência). A Revolução Francesa lançou o liberalismo político (começou com democracia...

    1. Ah! Esqueci de fazer um alerta. Nem de longe, mas nem de bem longe, sou simpatizante do guru pseudo-filósofo da Virgínia, o Rasputin dos bolsokids. Eles também criticam Pondé. Mas eles que são filósofos que se entendam!

    2. ... conduzirá? "A luta mais interessante a ser travada no Brasil hoje seria transformar isso numa sociedade liberal DE VERDADE, em todos os sentidos". Ou seja, para Pondé ainda não chegamos a um liberalismo DE VERDADE. Que liberalismo é este? Ele não explicita, mas sugere acabar com o MEC, para começar. Talvez até seja uma opção. Mas destruir antes de construir? Talvez o liberalismo de Pondé esteja além da anarquia da Revolução da Sorbonne.Alguém já disse: "Quero ir além do comunismo!" E Pondé?

    3. ... nos Estados Gerais, afogou-se de sangue no Terror, moderou-se no Diretório, expandiu-no Império com Napoleão (a "revolução à cavalo"), recuou na Restauração, emburguesou na monarquia de Luis Felipe e explodiu novamente (já socialista) nas barricadas de 1848. Depois, o liberalismo pariu seu novo filho, o igualitarismo econômico, com a bandeira do comunismo. Em 1968, tivemos a explosão do liberalismo nos costumes, com a Revolução da Sorbonne. E o "liberalismo total" de Pondé, para onde nos...

  11. Algumas coisa concordo, no geral, ficou deitado em cima do mudo, sem se aprofundar em temas polêmico. Disse que "cidadãos decidem pelo voto que não compreende", na verdade, compreendem sim, por isso que a esquerda caiu. "As pessoas estão interessada em sexo", quem está interessado é a mídia e os esquerdistas e não à direita. Viu, só esses dois tópico. Faltou adentrar mais no governo o qual já fez a parte dele, o congresso viciado em propina não está fazendo sua parte. Mais Coragem da próxima.

  12. Bolsonaro et prole poderiam ouvir as ideias lúcidas de Pondé que ajudariam a iluminar os caminhos rumo a um Brasil melhor e mais digno; ao invés de dar ouvidos a um pseudo filósofo brasileiro que sequer vive em nosso país e que se julga no direito de dar palpites no nosso destino !!!!

  13. Pondé é muito Ponde-rado. Por isso o leio e gosto de suas reflexões. Nada radical e de uma lucidez acachapante. Um bálsamo para quem passa o dia lendo asneiras extremistas.

  14. Pondé é uma rara luz de sensatez, a orientar a direita no Brasil, contra o obscurantismo marxista -comunista que dominou o meio acadêmico, as artes e a imprensa nos últimos 30 anos no Brasil.

  15. Gostei da afirmação que todos devem ler mais; eu diria e ver menos novelas das TV´s. Se lessem mais poderiam se informar melhor do que está acontecendo no mundo e no País. Não entendo como um petista não saiba da corrupção havida nestes 16 anos e das propinas recebidas de todos os partidos, e ainda os defende. Saber que o comunismo no mundo foi um sistema falido e matou muita gente. Como pode defender um tal sistema, que além de tudo não diminuiu a pobreza em lugar algum. O Governo que governe.

  16. Tai um cara q merece ser lido e ouvido, nao um astrólogo q se diz guru. Enfrenta as questões sem acusações vazias. Fala do momento com os pés bem fincados na historia. Nos remete a uma reflexao séria do q precisa ser feita. Espero q os áulicos do poder tenham a ousadia de ler e entender, particularmente o presidente e seus filhos. Mas nesse caso acho q ja é querer demais

  17. Sempre muito lúcido, deve ter suas preferências e consegue abordar temas polêmicos sem acusações e sim constatações, esclarece as circunstâncias dos fatos, analisa e emite sua opinião de tal maneira que a gente pensa que é a nossa. Lia na Folha, mas não assino mais. Só youtube.

  18. Pondé é lúcido, como sempre. Ele vai direto a ponto e é objetivo. Quanto a transformar a sociedade brasileira em liberal, o caminho seria longo e incerto, pois a essência de nosso problema é a raiz cultural, cujo DNA, desde cedo, foi (des)construído pela Lei de Gerson e pela Cultura Patrimonialista do Colonialismo Português (Casa Grande Senzala), uma sociedade de castas. Quem sabe, no Século XXII... Até lá, poderemos criar mais um puxadinho, pois o país nasceu defeituoso.

  19. O melhor é que nessa entrevista o Pondé vai na ferida do que se chama “direita “ hoje no Brasil. Concordo que não existe pensamento genuinamente liberal. O que vimos é uma guerrinha chinfrim de egos por conta justamente dessa fraqueza que todos querem esconder porque talvez nem a conheçam.

  20. Muito boa a entrevista. Para quem está aberto a ouvir, acrescenta bastante. Acrescentou muito para melhorar minha interpretação dos fatos da atualidade. Parabéns ao entrevistado e ao entrevistador.

  21. Seria bom que o ponderado filósofo apontasse os caminhos para a construção de uma sociedade liberal, sem, antes, desconstruir as raizes das práticas esquerdista existente.

  22. O Pondé como sempre preciso - apesar de filósofo - em suas análises. O barco-Brasil está ancorado, cuja âncora, não quer o libertar. Nós brasileiros, políticos do vereador ao presidente, empresários , imprensa e trabalhadores, formadores dessa âncora, não conseguimos pensar um centímetro em direção ao futuro: com crescimento, investimentos, emprego, segurança e dignidade. O Brasil se tornou o palco dos interesses próprios e dane-se o resto.

  23. Filosofar é legal. Mas o governo precisar ser despetizado. A reformar da Previdência tem que ser efetivada. O crime precisa ser combatido e punido em todos os níveis. A economia tem que ser destravada.E é isso que democraticamente a equipe de Bolsonaro tenta fazer. Pondé tá viajando muito.

  24. DE Pondé em Pondé o tempo vai passando. Temos muita gente boa pensante, soluções aparecem a todo momento, na hora de pô-las em prática, faltam os das ferramentas. Nos livramos da pior coisa que poderia acontecer ao Brasil, nos livramos da esquerda, que na América Latina se confunde com corrupção e desordem, nos levando a crer que as ideias de esquerda conseguem produzir somente isso. Agora é descer do palanque pegar as ferramentas e trabalhar. Esquecer a oposição, ele é saudável e orienta.

  25. Ele esqueceu de dizer que a agenda conservadora de costumes não combina com o capitalismo. O capitalismo é baseado na inovação e na transformação dos costumes. Cada novo produto ou método muda os costumes, às vezes de forma radical. Por isso, conservadorismo é contra o capitalismo real. É o que sempre tivemos no Brasil. Liberalismo é diferente. Liberalismo significa inovar e não ter medo de experimentar novas ideias visando o bem comum. O Brasil nunca foi liberal.

  26. Parabéns Crusoé pela entrevista com Pondé. Como filósofo é ponderado e não acha que se combate fogo com fogo. O PT fez das universidades uma trincheira ideológica onde ser socialista é o correto e combatem os que não são com porrada, como Stalin,Mao,Castro e Chávez. O que precisa é escancarar que a Câmara dos deputados e o Senado são Canalhas e interesseiros, não pensam no Brasil. LULA e seus comparsas, filhos ficaram ricos muito ricos. E o povo POBRE muito POBRE.

  27. Gostaria de ter estado junto com Duda Teixeira durante esta entrevista com Pondé. Teria me divertido bastante. Ótimas pinceladas sobre o momento atual da sociedade/politica brasileira. Verdades ditas principalmente sobre a esquerda, a direita, a elite, os evangelicos e os que votaram no atual presidente. Parabéns !!

  28. Depois de Bolsonaro descobri que não sou nem de direita e nem de esquerda, não me adapto com estes conceitos, agora sigo somente meus princípios e valores e prezo pela liberdade individual e quanto menos o Estado se meter na minha viida tanto melhor e também acho uma bobagem este negócio de nacionalismo, devo ser liberal. Obrigada!

  29. Interessante, mas equivocado. Enorme erro ao dizer que o francês BHL é de direita. BHL é um discípulo incondicional de Jean-paul Sartre, ele, Marxista da primeira hora. BHL não é de esquerda ou de direita, ele é Judeu, nada mais.

  30. Quem furunfô furunfô, quem não furunfô nunca furunfará !!! Há países no mundo que a maioria das demandas são atendidas de forma razoável. Se você tem entre 18 e 90 anos de idade e condições de obter um visto para habitar um desses parta segunda feira dia 25/03/2019 ou providencie isso a partir dessa data. As Américas, abaixo do muro do trumpe estão muito distantes do século XXI; só despertam interesse pelas commodities e pela cocaína.

  31. Me impressiona ler os comentários. sempre me deparo com um "excelente artigo", "excelente entrevista", "parabéns Crusoé". não entendo esse tipo de comentário, afinal um bom texto ou entrevista é o mínimo que se espera de uma revista. No mais Pondé falando bobagens nem foi tão interessante assim. Parece alguém que está lendo os artigos de Olavo de Carvalho de 15 anos atrás.

    1. Concordo que nenhum dos dois tem algo significativo a dizer. Quem quer ser liberal de fato, que leia Sir Karl Popper. O resto é apenas o resto.

  32. Ah! os filósofos.! Que entes extraordinários! Parecem descidos de um Olimpo misterioso, sustentados pelas douradas asas de seu pensamento. Pondé parece não ser diferente. Deu pinceladas para todos os lados, e nos presenteou, com um quadro luminoso e confuso. Confuso só para os simples mortais como eu. O quadro de Pondé parece também com uma figura de Lego, no qual as idéias podem mudar posições, serem substituídas ou sumir. Mas o ponto central foi inclusive apontado aqui, num comentário abaixo:

    1. ... trajando bermuda e camiseta regata, calçando sandálias havaianas, e proclamando que o MEC deverá ser extinto, como sugeriu na entrevista. Vélez no MEC, sob a influência da fumaça do cachimbo do guru da Virgínia, é uma sucessão de gafes; com Pondé, o MEC tornar-se-ia uma vaga idéia. Espero que o Brasil (e nós brasileiros) tenha mais opções para salvar o futuro de nossa educação. Porque está difícil!

    2. ... numa moldura luminosa e onírica. Mas com que sonha Pondé? Seu liberalismo nada tem de novo e já foi proclamado na Sorbonne, em Paris, no ano de 1968. Além da conhecida frase "É proibido proibir", temos: "A imaginação no poder"; "O sonho é realidade"; "A política acontece na rua"; "Sejam realistas, exijam o impossível".E a que certamente vai ao encontro da idéia central de Pondé: "A emancipação do homem será total ou não será". Imagino Pondé como ministro da educação, chegando numa reunião...

    3. É a frase com que encerra sua entrevista: "A luta mais interessante a ser travada no Brasil hoje seria transformar isso numa sociedade liberal de verdade, em todos os sentidos". O liberalismo total em todos os sentidos, este é o projeto e o sonho de Pondé. Ele discorre sobre liberalismo e Revolução Francesa, liberalismo no século XIX, liberalismo americano: liberalismo nas idéias, na política, nos costumes, na economia... Pondé é um liberal TOTAL e RADICAL, mais apresenta seu quadro de Lego ...

  33. Pc. EXCELENTE. Deixar periférico o que é secundário. Valorizar o essencial. Infelizmente, tem gente que se perde nas ideias superficiais por não ter capacidade nem vontade de focalizar o que é fundamental. Estamos vendo isso há mais de 500 anos. Agora, com maior nitidez.

  34. Muito bom. Só não incluiu a LavaJato, o ponto fora da curva que foi fundamental na mudança do país. As mídias sociais são periféricas quando se olha para a LavaJato.

  35. Pondé fotografa verbalmente a nossa sociedade com uma lente de aumento de alta definição. Tudo claro, tudo explicável, tudo lógico. Só quando afirma que "a luta mais interessante a ser travada no Brasil hoje seria transformar isso numa sociedade liberal de verdade, em todos os sentidos" sonha com uma revolução cultural capaz de deletar milagrosamente todo o embasamento histórico que ele retratou.

    1. Também me chamou a atenção. Parei a leitura para pesquisar, vi que a expressão é bastante usada, mas não entendi claramente o significado.

  36. Luiz Felipe Pondé, filósofo brasileiro procura imitar Jean-Paul Sartre, filósofo francês, compare a imagens de ambos na internet usando óculos e cachimbo, chega ser ridícula e grotesca a imitação Pondé.

    1. Ele deveria trocar para cigarros e lentes de contato?

    1. Seria trocar seis por meia dúzia. Um astrólogo-guru por um filósofo-guru (o outro também se diz filósofo, só que autodidata).

  37. Acho o Pondé um babaca; não fala coisa com coisa. As suas críticas não acrescentam em nada!! Tenta impressionar com pose de bacana!

  38. Parabéns parabéns a revista CRUSOÉ pela nova modalidade de ler.È a primeira revista digital e agora também em audio que ficou muito boa para ser ler e ouvir.Aos diretores e jornalistas de toda a revista meus parabéns, pois já eram muito bons na forma digital e agora em audio. Só podia ser CRUSOÉ com essa idéia fenomenal. Muito obrigado por vcs fazerem isso e espero que novas novidades podermos aguardar para a melhor e mais completa revista brasileira quiça internacional.

    1. Também gostei bastante da novidade do áudio. 👏👏👏

  39. Acho o Pondé muito chato. Acompanhei seus comentários no Jornal da TV Cultura quando o Âncora do jornal era o William Corrêa. Depois desisti de Pondé ao perceber que o conteúdo dos seus comentários pouco me acrescentava. Para mim tanto faz Pondé de direita ou de esquerda, só queria que seu comentário jornalístico tivesse mais conteúdo, se preparando melhor, ou não ocupe a bancada!

    1. Joao, vejo voce p.ex.como Um babaca. Acho mais interessante para satisfazer a sua cultura de Ameba, que voce aproveite o horario e ao inves do jornal da cultura vc começe a assistir o programa do Ratinho.

  40. boa entrevista e muito lúcido em seus comentários. podemos não concordar com tudo mas que na essência foi uma boa entrevista isso foi. parabéns à Crusoé...tá valendo a assinatura

  41. Essa entrevista é de uma lucidez extraordinária . Eu acredito em um futuro para o Brasil que seja um meio termo entre o liberalismo radical de Paulo Guedes e uma esquerda moderada e modernizante, que possa reduzir um pouco nossa aguda iniquidade social . O Prof. Pondé, intelectual com origens culturais européias, entende esse processo como poucos .

  42. Se tivermos mais entrevistados assim vamos ter de emoldurar a Crusoé ! É um prazer quase dionisíaco ler uma formulação tão profunda e que comunica sem rebusques de erudição...MAIS !!!!

  43. Acho que o Pondé subestima a questão do sentimento patriótico. Pra transformar o Brasil é preciso amar o Brasil, única forma de deixar os interesses particulares em segundo plano. É o que está fazendo o nosso presidente, pois uma vez que ele não seja ladrão como os antecessores, o exercício da presidência não traz qualquer vantagem pessoal mas apenas sacrifícios. Veja portanto a importância de um patriota de verdade, disposto a todo o sacrifício pra tentar mudar o curso da história do Brasil.

    1. Muito bem colocado. Concordo plenamente. Ponde quase chegou lá qd comparou com o Maduro. Ele desperta o amor à pátria para dominar a população. Bolsonaro desperta para acabar com a corrupção e imbuir o senso de responsabilidade com o bem público.

  44. Infelizmente, tudo o que queremos nossos governantes não querem, inclusive os atuais: "transformar o Brasil em uma sociedade liberal de verdade, em todos os sentidos.". O que interessa são as picuinhas na internet e nas redes sociais. Coisas laterais, sem a mínima importância para o desenvolvimento do Brasil. O Bolsonaro deveria tirar uma noite e se debruçar sobre esta entrevista magnífica. Tudo o que espera o brasileiro de bem. O brasileiro de bem não quer nada além de um país fraterno e feliz.

  45. Excelente a entrevista e principalmente o ponto de vista do Ponde. Nosso presidente precisa urgentemente colocar um basta nos entreveiros que assolam os bastidores da política. Esse vai e vem de comentários apequenados entre o governo e as redes sociais atrapalham e muito a engrenagem do crescimento e na angariação de um grupo forte para aprovação das reformas que tanto precisamos. Temos que ter uma coalisão forte. Um governo forte. O Brasil anseia por uma mudança em todos os sentidos.

  46. Outra boa reportagem. Crusoe, mais dessas. Faltou comentar o papel da imprensa nessa idiotice de pensamento esquerdopata. Nossa imprensa nao ajuda em nada o pais. So fazem fofoca.... Ajudem o pais imprensa!

  47. A sensação que se tem da política nacional é de somos joguetes da vontade de um Big Brother. Ele esquentou a esquerda até ela se embriagar de poder e fazer caca. Aí esquentou os "puritanos" éticos para uma caça às bruxas sem fim. Agora vende com ortodoxia doentia umas reformas meia boca pra amenisar injustiças grotescas. Reformas servem para corrigir construções sadias. Os lixos tributários e previdenciários que temos, devem é ser substituidos por novas. Senão só empurraremos de barriga.

  48. Não se esqueçam que o PT usou e abusou do discurso tipo "Brasil, ame-o ou deixe-o", criando o slogan "Sou brasileiro, não desisto nunca" e outras propagandas nacionalistas subliminares. Para que viveu os anos 60, parecia a volta da ditadura militar 1964-1984. A intenção era cooptar os corações para um Brasil que se levantava e chegava no futuro, finalmente! Ainda bem que foram apeados do poder, senão estaríamos condenados, como os personagens de Orwell em 1984.

  49. O Bolsonaro é humano, por isso errou sim ao comentar nas redes sociais o episódio do carnaval, mas, com certeza já refletiu, pois, pelo que tenho visto, só tem usado as redes sociais para participar dos fatos relevantes para a Nação a população.

  50. "liberalismo de compootamento, em que se reserva um espaço para a esfera privada e individual. Isso foi algo que a esquerda americana acabou pegando." - Como é que é, Pondé? Isso está longe de ser verdade. A esquerda americana, os liberais, pregam o tempo todo o coletivismo e poder do Estado sobre o indivíduo, com propostas que atacam a liberdade individual. Pelo jeito nem o intelectual sabe o que é a esquerda dos EUA.

    1. Left e Liberals são coisas completamente diferentes nos USA. Se quiser entender melhor sobre o que o Pondé falava, assista os videos do Dennis Prager no YouTube. Ele explica claramente as diferenças.

  51. Ótima entrevista! O Pondé é um dos poucos que não tem medo de falar o que pensa. Assim como o Mainardi. Gostaria de vê-los juntos num bate-papo qualquer dia desses.

  52. Nunca tinha ouvido falar desse filosofo, mas, concordo plenamente com a ideias dele, ele traduz em palavras o meu sentimento, parabens crusoe

    1. Além da putaria nos costumes a esquerda agora é ambientalista pra valer. Ela perdeu na história a guerra econômica, então vai de qualquer coisa para ficar no palco e mamar em alguma parte do estado se a coisa eleitoral der certo. E vai mentir pra valer o tempo todo e em qualquer assunto; como ter vergonha na cara não é virtude de comunista, fará o quer for preciso para conquistar nacos do poder. Uma coisa boa para mandá-la para mais próxima da privada seria acabar com a verba partidária.

  53. Sem o conhecimento da história dos povos, as pessoas ficam a bater-cabeça, sem nada saber ou simplesmente perceber. A suma é se focar em coisas concretas e largar as estatística pra lá. Pois não se consegue algo, sem se trabalhar com afinco.

  54. Parabéns a Revista por nos oferecer mais um momento de reflexão e conhecimentos através da contribuição do Filósofo Luiz Felipe Pondé. Acompanho Pondé pelo Facebook e já assisti, através do YouTube, várias palestras dele. Abraços.

  55. Pondé tem muitas visões interessantes, outras nem tanto. "Os americanos olham para a gente com sono", despreza as ditaduras, o Foro de SP e a China. "os tempos são outros". "Vida real", é meta da China se tornar a principal potência mundial (desbancar os EUA) até 2050, econômica, militar e politicamente. Produzem menos de 15% da soja que consomem! Não comem sem a nossa, não existe outra alternativa. Também são dependentes em matérias primas. "Liberalismo em todos os sentidos"? Vida real p favor.

    1. Concordo plenamente Marcos! Pondé está preso em conceitos e não está enxergando os fatos, a realidade.

  56. Abração, Pondé. Obrigado por nos proporcionar leituras agradáveis e honestas neste Brasil de futilidades e simulações em todos os graus do círculo trigonométrico ideológico.

  57. Meus camaradas, vocês tão sabendo que o Pondé cairia muitíssimo bem como colunista da Crusoé, né? No mais, parabéns por mais uma ótima entrevista!

  58. Entevista brilhante, inteligente, ponderada e realista. Suas palavras são o norte para o presidente, toda classe politica e para todo povo. Esta na hora de se fazer um país pujante e para gerações futuras e esta é a hora.

  59. Lastimo discordar. A luta que estou incluído nasceu há mais de 30 anos, quando surgiu o PT. Com a vitória de Bolsonaro, nós - os antipetistas - apenas subimos 1 degrau. Nossas bandeiras - que jamais serão vermelhas - estão desfraldadas de novo visando galgar o segundo degrau, que é vencer a guerra das finanças, da economia, da diminuição do desemprego. Mas, continuamos atentos. Muito atentos. Contra quem? CONTRA O LULOPETISMO. É isto.

  60. Admiro e concordo com Pondé. Bolsonaro tem que focar no Pacote anticrime ( uma resposta que a sociedade cobra com urgência) e na refirma previdenciária SÉRIA, sem os erros de falências e " vendas de contratação" das AFPs do modelo chileno. Se fizer isto, e falar menos sua pauta ideológica, ganhará o jogo! A sociedade não aguenta mais ser punida e assistir a impunidade do alto poder do país!!! O exemplo é péssimo.

  61. Sou fã do Pondé, mas discordo sobre não haver riscos. Basta verificar tudo o que o PT vinha e vem ainda tentando fazer, ver nosso vizinho, Venezuela, e teremos um quadro tenebroso que chega andar arrepio no corpo.

  62. vc viu o video do youtube olavo de carvalho - Pondé o mentiroso. Se eu não tivesse visto até acreditaria nessa entrevista. A crusoé tem se desviado da sua proposta. Tenho encontrado outras pessoas que sentem a mesma coisa. Cancelei a renovação automatica da crusoé pois tenho duvida se vou continuar como assinante. Uma pena.

    1. Sou aluna do professor Olavo de Carvalho e minha primeira decepção com esta revista é a inveja e desrespeito de seus autores com o grande mestre. Deveriam ler ao menos um pouco da imensa produção científica de Olavo de Carvalho ao invés de tentar desmoralizá-lo. Olavo de Carvalho é um grande intelectual , um cientista político. Sei disso pelo rigor de sua investigação, pelo surpreendente percentual de acerto de suas previsões. Estudar com ele é praticamente reingressar no mundo acadêmico.

    2. Não tenha dúvidas, Roberto, abandone esta publicação logo. Ela é para pessoas que desejam ler um jornalismo independente. Alguém que segue o Olavo de Carvalho realmente não deseja ler a Crusoé. Vá sem medo de ser feliz. Há vários sites chapa-branca por aí, alguns que seguem o Olavo. Vá para um desses, você ficará mais feliz ouvindo só aquilo em que já acredita. Boa sorte.

  63. vc viu o video do youtube olavo de carvalho - Pondé o mentiroso. Se eu não tivesse visto até acreditaria nessa entrevista. Tenho me decepcionado com o trabalho da crusoé. Inclusive cancelei a renovação automatica da assinatura. E tenho encontrado outras pessoas que tem sentido a mesma coisa: a crusoé esta se desviando da sua proposta inicial. Uma pena.

    1. Concordo plenamente com você Roberto e também cancelei a assinatura automática. Aliás, acho que eles filtram aqui muito de nossos comentários. Os meus quase não aparecem.

    2. Se existe um mentiroso entre os dois, não é o Pondé. Veja o vídeo do Olavo sobre Einstein... completamente equivocado. Ou ele não entende nada do trabalho do Einstein, ou mentiu descaradamente para colocar um título polêmico no vídeo e ganhar views.

    3. Vídeo do Olavo de Carvalho se destina a um público infantil que não sabe pensar por conta própria e precisa de alguém para dizer pra ele o certo e o errado. Quem tem consciência política e ainda está na fase de idolatrar o Olavo não aprendeu nada, é como alguém que está há 20 anos na escola e ainda está na primeira série.

  64. Antes do Sr. Pondé, o Prof. Olavo já "alertava" para a tomada de poder pela ocupações espaços estratégicos na revolução cultural. O Socialista do Prof. Buarque ja dizia, MEC não é Min da Educ, mas do Ensino Superior. Deveria ser uma Secretaria. Porém, caro, a descentralização aos estados e Municípios será conseguida com a descentralização das verbas, o que o Paulo Guedes está tentando fazer. Critica é ótima e sóbria, realmente, o Gov precisa governar, mas não pelas mídias sociais. Parabéns!

  65. Boa entrevista! O sr Ponde deliberadamente ignora nela qualquer papel de influência europeu tais como Gramsci, fabianismo, social-democracia, produção cultural,...Seria interessante ouvir mais sobre isto. Boa a ideia da extinção do MEC! Quando alguém diz “o estado deveria focar em educação, saúde e segurança” leva consigo conceitos como doutrinação avançada (infantil), dependência de vida (vs. auxilio aos desfavorecidos) e controle estatal dos grupos armados (oficiais e extra-).

  66. Parabéns Prof.Pondé Realmente a nossa elite não tem noção de nada, desconhece a história, os fundamentos da economia e muitos acham que A Escola de Chicago é algo ligado ao gângster Al Capone. Nunca leram poesia e muito menos conhecem literatura. Duvido que os membros do clero do bem leram alguma estrofe dos Lusíadas.

    1. Pondé ilumina as trevas d nosso caprinalismo, carneirinhos ganhando ração e chibatadas do Estado. Enquanto não tivermos capitalismo na veia, andaremos tortos e suplicantes. Essa deve ser a meta da direita: instituir o liberalismo econômico e cultural, erguer a cabeça dos brasileiros

  67. O Pondé é genial, ...com todo o significado que essa palavra pode ter. Dá gosto ler as suas matérias e ponderações pelo simples fato de que ele consegue diagnosticar a realidade de uma maneira clara e precisa e com um embasamento e lógica invejáveis, o que demonstra uma lucidez intelectual fantástica.... Com certeza uma das melhores cabeças de nosso tempos, senão a melhor. Parabéns !!

    1. Sim, me desculpem os bolsominions fanáticos por reformas nos costumes, mas o Pondé deixa o Olavo no chinelo.

  68. Pondé, grande cabeça pensante! Admiro muito seu trabalho, sempre com ponderações lúcidas! Este ser podia ser melhor utilizado por nossa sociedade, garanto que ganharíamos muito em razão, lucidez e bom senso.

  69. Não entendi o professor Pondé, sobre o ministro do MEC: "Ele é um burocrata, não entende nada da máquina". Ora, um burocrata é alguém da burocracia, alguém que supostamente entenderia da máquina burocrática ...

    1. Um burocrata entende a burocracia e se alimenta dela, mas não necessariamente saberá fazer uma desburocratização. Colocar um burocrata para desburocratizar algo é o mesmo que pedir para trocar 6 por meia duzia, acredito que esse deva ter sido o raciocínio do Pondé. Resumindo, tirou um grupo ideologicamente alinhado para esquerda e colocou um alinhado com a direita, mas a estrutura e os processos provavelmente continuarão na mesma toada, só que com outro viés ideológico.

    2. Será que faltou um 'não' ("Não é um burocrata, não entende nada da máquina")?

  70. Exige-se do presidente um performance de Déspota Esclarecido. Dos eleitores insaciáveis que votaram no Bolsonaro contra as ORCRIMS representadas pelo PTismo, um final de festa quando ela está apenas começando. Foram 33 anos pra renascer a esperança, sendo que os últimos 13 (leia-se mensalão ou Joaquim Barbosa) de total escuridão. Não apague a minha luz sorrateiramente. Brindemos, vigiemos, trabalhemos, desaparelhando...sejamos felizes.

    1. Exige-se do presidente uma performance de presidente, não uma cópia de guru interneteiro que fica caçando likes em rede social e criando polêmicas apenas pra lacrar com seus seguidores.

  71. Dessa vez, o Pondé tem razão. E a direita conservadora anda expondo nas redes uns malucos de sinal trocado. Gente que vê fatos e interpreta ações do Bolsonaro & Filhos de modo fantasioso e alucinado, em defesas iradas e irreais. Pra variar, a massa de manobra são os tontos úteis que chamam a atenção, enquanto a velha política continua nas sombras saqueando a Nação. Nada mudou.

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO