André Dusek / Estadão

“Renan não é renovação”

Recém-chegada a Brasília, Simone Tebet ainda não admite publicamente, mas já trabalha nos bastidores para desbancar Renan Calheiros na corrida pela presidência do Senado a partir do ano que vem. Líder do MDB, ela defende que o partido reconheça seus erros e priorize a pauta econômica
15.11.18

Simone Nassar Tebet é a desafiante da vez. Aos 48 anos, a advogada sul-mato-grossense que lidera a bancada do MDB no Senado tenta se viabilizar como candidata a presidente do Senado contra ninguém menos do que o senador alagoano Renan Calheiros, que já comandou a Casa por três vezes e, nos bastidores, opera para chegar lá novamente. Tebet aposta na estratégia de reproduzir, na eleição marcada para o início de fevereiro, o recado de renovação política saído das urnas nas últimas eleições.

Filha do ex-presidente do Senado Ramez Tebet, Simone se destacou no processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. A seu favor na batalha contra Renan, há o fato de que o plenário estará repleto de novatos. De cada quatro senadores que tentaram a reeleição, três saíram derrotados. Das 54 vagas preenchidas este ano, 46 serão ocupadas por nomes novos. É justamente o voto dessa turma que ela buscará, repetindo um discurso que, a despeito de ainda não assumir a candidatura, já está na ponta da língua: “Renan não é renovação”. A seguir, os principais trechos da entrevista da senadora a Crusoé.

A sra. vai disputar com Renan Calheiros a presidência do Senado?
Como líder não posso me colocar como candidata porque começaremos esse debate em dezembro com os senadores que estão saindo, mas principalmente em janeiro, com os que estão chegando. Pode sair até uma terceira via desse processo, talvez de alguém que está chegando. Como líder, tenho uma limitação em responder (se será candidata) porque precisamos ainda nos reunir. Advogo apenas que o presidente do Senado deve ser do MDB, por ser a maior bancada. Quem elege a maior bancada tradicionalmente faz o presidente.

A renovação que a sra. defende passa por um novo nome no comando da Casa?
Passa por todos os espaços do Senado, não só a presidência. O recado foi muito forte das urnas. Não adianta achar agora que o líder vai ter a mesma força que teve no passado. Os líderes vão ter que lidar com senadores novos que estão chegando com uma pauta muitas vezes diferente da pauta do próprio partido. Eles chegam falando de combate à corrupção, por exemplo.

E Renan?
Renan não é renovação. Qualquer um que foi presidente do Senado não é renovação. Mas isso não impede a bancada de entender que, na discussão sobre a candidatura à presidência, prefere alguém com experiência. A vontade da maioria vai prevalecer. Eu advogo que deveríamos pensar em renovação. Também defendo que os senadores que agora estão no meio do mandato e em contagem regressiva para os próximos processos eleitorais tenham preferência para ocupar espaços.

Quem está nessa condição?
O Dario (Berger), o (José) Maranhão, eu e o (Fernando) Bezerra. Defendo que haja espaço para quem está nessa condição, no sentido até de poder estar mais próximo do centro das discussões dentro do próprio partido.

Do recado que as urnas deram para o Congresso nas últimas eleições, o que foi mais forte?
Erramos em quase tudo, principalmente na nossa pauta. Depois do impeachment (de Dilma Rousseff), ficou aquele embate acalorado, com acusações de golpista de um lado e o outro lado se defendendo. Não avançamos na pauta econômica, que ficou comprometida e prejudicada em função dessa discussão político-ideológica. Enquanto discutíamos, o desemprego aumentava.

Wilson Dias/Agência BrasilWilson Dias/Agência BrasilA senadora em atividade: MDB deve reconhecer seus erros
A mensagem dos eleitores para o seu partido, o MDB, parece ter sido bastante clara.
Sim, e em razão disso fiz uma crítica interna em uma reunião do partido. No encontro, estava sendo defendida a necessidade de apresentar uma agenda econômica ao próximo presidente como se isso fosse urgente para o partido agora. Fui obrigada a intervir e dizer que esse discurso nos afastaria ainda mais da população, e que devemos ter humildade para reconhecer nossos erros, que nos distanciamos das ruas, que estávamos vivendo do passado e deveríamos nos reinventar.

Como reinventar um partido assolado por escândalos de corrupção?
A primeira forma é entender que erramos e que precisamos viver no presente. O recado das urnas foi o combate à corrupção. Não é só fazer propostas na área econômica. Temos que rever tudo dentro do partido.

O MDB não ficou um partido muito pesado?
É um partido que passa por dificuldades, como os outros dois grandes, PSDB e PT. Foi atingido pela Lava Jato. Isso é indiscutível. E assumiu o governo em um dos piores momentos da economia brasileira. É preciso ser justa e dizer que o tempo da política é diferente do tempo da história. No caso do governo Temer, acho que a história vai corrigir eventuais injustiças em relação a realizações dele na política econômica. Sei que há desgaste por outras razões, mas houve na população uma falsa sensação de que ia mudar o governo e sobrar emprego no país.

Objetivamente, o que o partido deve fazer para sair dessa situação?
Precisamos de nomes novos ocupando espaços dentro do partido.

A Justiça chegou a bloquear os seus bens devido a uma licitação apontada como irregular quando a sra. foi prefeita de Três Lagoas. Isso não se choca com seu discurso de renovação?
Não tenho mais bens bloqueados. Fui rigorosa no processo de licitação na época, porque alguns promotores me procuraram dizendo que sempre as mesmas empresas venciam. Como recebi verba federal, fiz um processo licitatório muito restrito na época. Era uma obra grande, que inclusive já está inaugurada. Não se discute superfaturamento, se discutem aspectos técnicos. Está tudo dentro da lei.

Em que o novo Senado será diferente do atual?
Para a bancada do MDB, vieram pessoas experientes, mas que nunca foram do Senado. A exceção é o Jarbas (Vasconcelos). Notei uma bancada mais conservadora, que vem com discurso forte de combate à corrupção e que se aliou a candidatos mais de centro-direita no primeiro turno.

Senado FederalSenado FederalTebet sobre o novo Senado: mais conservadores e discurso afiado contra a corrupção
Qual será o papel do Senado no governo de Jair Bolsonaro?
Estamos em um momento conturbado. O presidente vai ter que pacificar o país e vai ter que contar com uma Casa mais equilibrada. Vamos ter que aparar arestas. Teremos o papel de Casa revisora para lapidar eventuais excessos. Seja o excesso da pauta econômica, dos costumes ou da segurança pública.

A pauta do Congresso deve ser a mesma do Poder Executivo?
A pauta do Senado tem que ser econômica. Isso é para ontem. Podemos até encurtar os prazos de votação para acelerar isso. E, em paralelo, temos que discutir questões relacionadas à segurança pública. Já o que for polêmico pode até ser apresentado pelo presidente, mas ele não pode exigir que essa discussão seja atropelada de forma a prejudicar a pauta principal, que deverá ser a econômica, repito.

Significa que os projetos polêmicos defendidos por Bolsonaro na campanha deverão ser deixados de lado?
O que defendo é que o presidente gaste tempo, energia e força política, neste primeiro ano, aprovando a agenda prioritária da economia e da segurança pública. No que for polêmico, que ele deixe o Congresso respirar e exercer o papel de uma casa democrática. Não dá pra usar o mesmo tempo e a mesma artilharia com projetos polêmicos e com projetos econômicos. Um projeto polêmico não se aprova em seis meses, nem em um ano.

Em quem a sra. votou para presidente?
Votei no 15 (Henrique Meirelles).

E no segundo turno?
Não votei no (Fernando) Haddad.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Sim! SENADORA! Na política e posições políticas de representação pública,o tempo de casa, não representa mudanças desejadas, Em frente!

    1. Sem foro, e sem reeleição, a hora de Eunício está chegando. Aliás, espero que durante o mandato de Bolsonaro, ele leve adiante a pauta do fim do foro privilegiado. Na minha opinião, apenas Presidente, presidente do senado e presidente do STJ deveriam ter foro.

  2. A casa (Senado) precisa entender que projetos difíceis terão que ser votados com uma celeridade maior que um ou dois anos a despeito do que a senadora disse. Tempos novos para todos inclusive para o “modus operandi” do legislativo!

  3. Atuar como um freio ao que for polêmico, inclusive sobre a segurança pública. Isso está claro na pauta. Não assume que está a favor do combate à corrupção quando deixa claro que o partido deve se reinventar. Não, deve até mudar de nome se for o caso, e fazer uma auditoria interna e ELIMINAR os políticos ficha suja. A partir daí, ganharia a credibilidade necessária ao comando de uma casa democrática.

  4. Esse leva jeito para se dar mal, não é a favor de acabar com a corrupção votando em FHADDAD. Quem votaria em mais do mesmo. Que discurso mais tosco é esse??

  5. Esse discurso de quem está a mais tempo no senado deverá ser o presidente não me convenceu! O povo quer renovação em ambas as casas! Clamamos por pessoas honestas e comprometidas com os anseios do povo! Ela teve tempo de sobra e só agora está se manifestando?

  6. Não devemos esquecer que o MDB é uma quadrilha sofisticada que abriga mestres da maracutaia que certamente inspiraram e ensinaram muitos truques aos larapios do PT e PSDB. É dificil acreditar que a legenda deu a liderança do partido no senado à alguém com princípios contrários ao seu DNA. Essa conversa de Simone enfrentar Renan parece mais um joguinho de cena orquestrado pelo que há de pior na política. Ramez Tebet deve estar se revirando no tumulo.

    1. Deve ser uma comparação ao múmia do Renan. A Simone foi muito bem no início do impeachment mas desapareceu depois dos escândalos que assolaram o partido.

  7. Sou do MS e não vejo Simone Tebet como renovação de nada. Não posiciona em nada. Passar responsabilidades para o Executivo é mole. O Congresso Nacional se esconde atrás do Executivo, como se não tivesse nada a ver com tudo que aconteceu. Tem que colocar sangue Novo na Presidência da Câmara e do Senado, alinhado com os projetos do Presidente.

    1. O Presidente Bolsonaro tem que se unir aos senadores alinhados com o projeto de mudar o país. Caso contrário, tudo poderá ir por águas abaixo.

    2. De acordo. Foi essa a promessa de campanha q não está sendo seguida na prática. Ou o Bolsonaro se alua ao povo como fez para ser eleito ou se entrega aos velhos e bandidos da politica traindo o povo brasileiro.

  8. É um absurdo estar discutindo Renan Calheiros para presidente do Senado. As urnas foram claras e condenaram Renan e outros membros da Orcrim ao lixo da história e a umas férias merecidas atras das grades.

  9. Renan é representante supremo da velha política, da corrupção, da falta de decoro, do fisiologismo e, finalmente, da falta de caráter. Há muito já devia ter sido banido da política.

  10. Simone Tebet é rainha. Inteligente, imponente. Crava-lhe resposta é no peito. Podes até cansar-te, mas não vai fraquejar ! Maravilhosa estamos ao seu lado! Em frente e a vaga é nossa! 💃🏻💪🏻💪🏻💪🏻

  11. Simone Tebet personifica a renovação e um ato de justiça a essa mulher triplamente qualificada: inteligente, lutadora e bela.

    1. Cara a mudança é agora. GOSTO dela como gostava do Itamar. Mas os dois super capacitados, inscritos na mesma GANG A arte da política certamente compreenderá o cidadão que vota Fora Renan. Fora mandantes de CAPITANIAS HEREDITÁRIAS

  12. É lamentável q Ana Amélia não estará no Senado em 2019,sempre foi uma voz ativa e com coragem defendeu preceitos constitucionais e morais, sempre pensando no país. Ela deveria fazer parte do governo de Bolsonaro!

    1. Não votei na nossa maravilhosa Vice, tão pouco no Álvaro, expoentes de correção neste mundinho político brasileiro. Que bom integrassem esses nobres brasileiros na nova administração! Mas isto é com o Novo governo. ESTAMOS CONFIANTES.

  13. Em um país meio sério esse cara já estaria a muitos anos na cadeia de preferência junto com o Marcola “Seguranca Máxima”

  14. Renan não pode continuar representando sequer a pulga de seu pijama. Deve ser banido. Colocado no ostracismo das catacumbas do poder. É um avilte, um escárnio. É desprezível, embora, não esqueçamos, sempre uma ameaça.

  15. Todos querem balizar a atuação do novo governo para que tudo continue como está . O STF já sinalizou e a senadora Tebet,líder do MDB, quer fazer o mesmo. Em resumo, os políticos não querem perder o controle do poder e devolvê-lo a sociedade. É isto que está em jogo.

  16. Já que a presidência do senado vai para a bancada mais numerosa, que é a do MDB, seja bem-vinda ao comando, senadora Simone Tebet! Parabéns e sucesso para você e para o Brasil!

  17. Perdeu minha admiraçao irrestrita (eu a tinha....), por se achar tao "importante" que privou-se da dignidade de dizer: votei em Bolsonaro (ja que nao votou na haddad.....) . Ha tb a indigna possibilidade de ter votado em branco, anulado, ou ido passear no dia do 2o.turno.... Bobona. Nao torcerei mais por ela.

  18. Não duvido que o Bolsonaro opte pelos mesmos. Como o Renan Calheiros. Afinal, a estação dá-cá-toma-lá já começou. E nada melhor do que alguém experiente, mesmo que com a Justiça no encalço. Acredito que o único que levará a sério o combate à corrupção será o Moro. Já existe muitos investigados pipocando no governo Bolsonaro. E o abafa também já começou. Se fosse governo do PT...

  19. Penso que essa moça está prontinha para presidir o senado federal, mostrar para todo Brasil o seu talento e seu equilíbrio. Vamos dar a ela a oportunidade de apagar as más impressões deixadas por Zélia Vardoso, Gleise, Vanessa, Fátima e aquela outra parente do saudoso e hábil Petrônio Portela. Sem nunca esquecermos o desastre de pessoa chamado Dilma. Viva Simone Tebet, viva Ana Amélia. Viva o Brasil Grande e Honesto.

    1. Se ainda está no MDB depois de toda a sujeira escancarada, não merece crédito.

  20. Outra que já está acostumada com a politicagem feita por anos no Brasil e não entendeu nada do que está acontecendo. Se o sistema de se fazer política não mudar, não adianta agenda econômica. Então se ela já tem alguns eventos no passado político, não vai ser bem vista pela população. Acho melhor nem o Calheiros e nem ela para a presidência do Senado. Ela fala em mudança, mas não sabe o que mudar.

  21. Resta saber se o Renan também irá dizer: Renan é Lula! Assim como fez em Alagoas para se reeleger e eleger seu filho como governador.

    1. Não disse que votou em Bolsonaro, deve ter sido em branco, se tivesse votado teria falado. Foi contra a cassação de Aécio, já confiei , hoje não mais, acho que trancará as pautas do interesse do governo. Acho que é tão somente uma excelente oradora. Queria Regufe, esse é bom.

  22. Enfim alguém posicionou os holofotes para essa honrada senadora. Ela merece muito ser presidente da Casa. Fico na torcida para que consiga, é o máximo que eu posso fazer. Mas ela merece mais destaque na mídia. O quanto antes! Senão, as raposas velhas vão acionar suas manjadas artimanhas de sempre.

    1. O senado ainda ainda tem muitas raposas, acho que o Presidente vai ter dificuldades no senado, mas torço para que haja,ainda, um pouco de patriotismo nessas raposas.

  23. Eu gostaria que saísse das mãos dos coronéis do Nordeste. Eles representam o passado e significam perpetuação das capitanias hereditárias.

  24. Simone tebet ...!! Essa eu confio.!! Essa sim é renovação!! Renan!?...minha nossa!! que retrocesso. Precisamos de ventos puros e gente nova. Acompanhei a senadora Simone na demissão da dna Dilma; que atuação admirável e fiquei sua fã!!

  25. Muito embora paulista,morando em Curitiba a muito tempo e com filhos todos do antigo ""leite quente"" hoje em dia aquela maneira de pronúncia existe em gerações com idade mais avançada, que aos poucos vão sendo suavizados. Voltando as Simone Tebet, juntamente com Caiado, Malta, Ana Amélia e mais um ou outro, sempre tive um grande apreço,consideração e respeito por ela. sempre correta, coerente, seria ótima presidente do senado, ou tbm a querida Ana Amélia, duas mulheres de indiscutível valor .

  26. Gostei dela no processo do Dilma. Sem sombra de dúvida uma forte opção para o Senado. Renam, jamais. Os alagoanos me decepcionaram.

    1. Ela não me convenceu...Está distante do Bolsonaro !!

    2. Erildo, ela é farinha do mesmo saco do Renan e Jucá. No processo da Dilma não dava para correr, Com Aécio foi boazinha, leia bem a entrevista, ela vai boicotar Bolsonaro. Acorda Brasil, figura bonita e boa oratória somente. Regufe merece o cargo.

    3. O Renan é réu em muitos processos e torce pelo PT descaradamente. Não serve p o novo Brasil!!!

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO