Carlos Fernandodos santos lima

É a economia, estúpido!

26.11.21

Quando Bill Clinton tornou-se candidato democrata em 1992, contra o então presidente George H. W. Bush, o seu marqueteiro James Carville cunhou as três mensagens que embasariam toda a vitoriosa campanha: “não se esqueça da assistência médica”, “mudança x mais do mesmo”, e a que ficou famosa pela concisão “é a economia, estúpido!”.

Se a segunda delas, afirmando a necessidade de mudança, foi central na eleição de Barack Obama, em 2008, a ênfase da campanha de Clinton no enfrentamento da recessão do final do governo Bush foi o catalisador das esperanças dos americanos naquele início dos anos 90. Assim, a percepção de que nenhum discurso ideológico resiste a uma situação econômica ruim passou a ser a regra mais importante a ser observada por qualquer manual de campanha eleitoral moderno.

Dessa forma, é importante deixar claro que essa mensagem deve também orientar a campanha do candidato da terceira via nas próximas eleições presidenciais, seja ele qual for. Por mais que as absurdas discussões da direita cultural bolsonarista sejam convidativas para uma enérgica oposição, por mais que haja a tentação de enveredar por temas mais complexos e de difícil entendimento pela população – não que não sejam importantes, mas apenas distração do principal –, a questão mais importante e decisiva da próxima campanha é a recuperação econômica.

Isso acontece principalmente pela destruição promovida pelo governo Bolsonaro, incapaz de enfrentar corajosamente os efeitos destrutivos da pandemia e da inflação subsequente. A apropriação do orçamento público pela classe política – e aqui estou falando do Centrão, com suas soluções “milagrosas”, que, na verdade, significam o engessamento completo do orçamento e a quebra da segurança jurídica –, leva a uma descrença do mercado na solução dos problemas estruturais de nossa economia e na incapacidade de qualquer recuperação significativa tão logo as cadeias de produção mundiais se reestruturem novamente.

Como Bolsonaro não chegará em outubro de 2022 com algum sucesso econômico para mostrar ao eleitorado, o esquecimento dos equívocos da chamada Nova Matriz Econômica do governo Dilma parece estar incentivando os setores à esquerda do já esquerdista Partido dos Trabalhadores a repetir o receituário equivocado que nos levou à recessão e inflação no final de 2016. Infelizmente, há setores intelectuais que acreditam que, se repetirem infinitamente a receita de um fracasso, ele se tornará de modo mágico – normalmente designado como “vontade política” –, um sucesso.

Acreditar que é possível ter uma política econômica eficiente longe dos fundamentos econômicos e das expectativas do mercado é um dos erros mais frequentes da esquerda. Não é questão de acreditar ou não na existência desse ser mítico chamado de mercado, mas, independentemente de sua crença ou não, contrapor-se a ele é tão inteligente quando dar murro em ponta de faca – o que o Brasil já deveria estar cansado de fazer e a experiência argentina demonstra exaustivamente resultar em deterioração e agravamento ainda maior da pobreza e falta de perspectiva para a população. Usá-lo, aproveitar de suas idiossincrasias e humores é muito mais inteligente que se opor ideologicamente. Não importa a cor do gato, mas, sim, se ele caça os ratos.

Aliás, pragmaticamente, Lula sabia disso, pois o sucesso econômico de seu governo deveu-se na verdade pela continuação do programa de estabilidade do governo Fernando Henrique, salvo quando começou a se achar Deus e a derrapar nas curvas da corrupção. E foi a megalomania do governo Lula que incentivou a arrogância de Dilma em acreditar ser possível uma guinada à esquerda, com a adoção equivocada das políticas de Mantega, sem qualquer reforma econômica ou enxugamento da máquina estatal. Pode-se não acreditar na bruxa do mercado, mas que ela existe, existe.

Entretanto, agora o PT é um partido com seu orgulho ferido pelos escândalos da Lava Jato. Incapaz de justificar os 14 bilhões devolvidos ou a serem devolvidos por empresas e infratores, ou de reconhecer seus erros, o que resta ao Partido dos Trabalhadores é radicalizar-se nos seus equívocos, falando para sua militância e para os que desejam acreditar que é possível corrigir injustiças históricas e nossa desigualdade sistêmica – que efetivamente existem e devem ser enfrentadas – com soluções heterodoxas.

A ênfase, portanto, de uma campanha presidencial de sucesso deve ser a recuperação econômica com a estabilização dos fundamentos econômicos, dentre eles o da responsabilidade fiscal. Esse é o campo do candidato centrista, seja ele qual for, pois ambos os candidatos extremistas são incapazes de assumir esse discurso. As políticas sociais são importantes e devem ser resguardadas, mas se deve deixar claro que políticas sociais eficazes somente são possíveis quando o Estado se encontra enxuto, bem financiado e inteligentemente governado. De outro modo, o vale-gás deste mês será engolido pela inflação do próximo.

Os dois candidatos a serem escolhidos no primeiro turno das próximas eleições serão aqueles que souberem apresentar para a população alguma esperança de dias melhores, e nesse ponto Bolsonaro larga em completa desvantagem. Se Lula pode vender falsa esperança amparada no esquecimento dos erros do governo Dilma e na crença de parte da população de que é possível fazer algo apenas pela “decisão política”, Bolsonaro não terá qualquer sucesso em fazer crer que seus quatro anos não foram um desperdício completo.

Certo é que ambos vão disputar a paternidade do Auxílio-Brasil, vendendo-se ao eleitorado mais carente como os novos “pais dos pobres”. Essa disputa, com certeza, será sangrenta e deve ser evitada pelo candidato centrista. É preciso apenas deixar claro que os programas sociais serão devidamente mantidos e até mesmo aperfeiçoados, inclusive pela inclusão social dos milhões de brasileiros invisíveis. Aperfeiçoamentos na área da Saúde e da Assistência Social, especialmente com a adoção de novas tecnologias como a inteligência artificial e a integração de bancos de dados, serão na verdade as melhores soluções de longo prazo para a redução das desigualdades.

A ênfase na recuperação econômica, com a geração de empregos, diminuição inteligente do Estado e manutenção dos programas sociais, é essencial para o sucesso da campanha presidencial da terceira via. Insistir na Educação e na Saúde como elementos equalizadores de nossa desigualdade deverão compor o tripé do programa. O combate à corrupção voltará com certeza à discussão, mas não com a força da eleição passada.

Hoje, o brasileiro quer sobreviver com dignidade e resgatar isso é a missão do próximo governo. Inteligente será aquele que não desconhecer as forças e expectativas do mercado, mas compreender que o Estado não tem razão de existir se não for para garantir que qualquer brasileiro tenha oportunidade de uma vida digna. No final, será sempre essa a mensagem, estúpido!

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Ainda não tenho candidato. Muito cedo para escolher. De olho muito aberto e digerindo o passo a osso dos candidatos. Uma certeza eu tenho: Não Dôria,Mandela e Leite

    1. Quem é contra Lulla e Bollsonero só tem uma saída: votar no terceira via melhor colocado nas pesquisas ...

  2. estupido é quem acha que a 1 obrigacao de moro nao é responder a condenacao de parcialidade pelo STF estupido e vc ,Dallgonal e Junot nao responderem as acusacoes de super dias aos membros da turminha de vcs Nao é só estupido é falta de hanradez estupido é achar que neofitos em economia como moro e vc só porque tem um bom assessor podem falar de economia vcs só falam platitudes e cliches quando falam de economia Estupido é acreditar em vcs como novos salvadores da Patria

    1. sua narrativa mentirosa não se sustenta ! as condenações foram confirmadas por 3 tribunais diferentes e mais de uma dezena de juízes. Provas ilegais usando diálogos roubados e tirados do contexto foram usados por 3 juízes nomeados por Lula para criar suspeiçao sobre Moro" , em um sub tribunal! a anulaçao de seus processos foi enorme patuscada e fraude na jurisprudência, tal como a prisão em 2a instância, mudada por conveniência em um habeas corpus! vc nao passa de um estúpido jurídico pleberude!

    2. Fernao, estúpido é vc que acha que não se pode aprender algo novo. E mais estúpido ainda, por apontar que um economista deve ser o presidente da República. Estúpido é vc por achar que não ocorreu parcialidade e interesses escusos, no em última análise, julgamento da Lava Jato pela banda podre do STF. Estúpido é vc por achar que o Moro está se posicionando como um salvador da pátria. Fernao é um estúpido. Moro 🇧🇷

  3. 1- Parabéns pelo artigo dr Carlos. Numa das melhores conjunturas internacionais, o lulismo instituiu no Brasil o capitalismo de compadrio, jogando fora uma oportunidade de darmos um salto na nossa economia. Depois a Dilma insistiu em velhas práticas econômicas que nunca deram certo. Já o Bolsonaro busca fortalecer o corporativismo. Deveria saber que um país justo, divide a riqueza para todos e não somente para alguns grupos.

    1. 2- Então tanto o lulismo quanto o bolsonarismo, são incapazes de buscar caminhos para resolver os gargalos do Brasil. O PT porque é incapaz de entender que para se dividir a riqueza, antes tem que criar essa riqueza. Cuba e Venezuela dividem a miséria. Bolsonaro, que mesmo na miséria gerada por seus erros, ainda sim buscou privilegiar os seus cupinchas. Moro Presidente 🇧🇷

  4. Dr. Carlos, excelente artigo. Impressiona com que clareza o senhor expõe coisas que deveriam ser claras à população, mas não são. Parabéns pelo seu grande conhecimento e pela sua lucidez. Li noutros comentários sugestões para que o Sr, considerasse a possibilidade de ingressar na vida política. Não lhe apetece? Teria o meu voto.

    1. Certamente, o Dr Carlos integrará um possível governo Moro!

  5. É de pessoas como o Senhor, Dr. Carlos Fernando, que precisamos no Congresso, para dar suporte político ao Presidente MORO. Candidate-se, por favor. Vamos dedetizar o Congresso e expulsar os ratos 🐀 de lá.

  6. Parabéns, análise perfeita! Tomara que tenhamos um presidente e um vice presidente sintonizados, inteligentes e sensatos, afinal a obra é hercúlea e poderá e deverá ser comandada por dois homens preparados e íntegros. Moro x Eduardo Leite.

  7. Parabéns, análise perfeita! Tomara que tenhamos um presidente e um vice presidente sintonizados, inteligentes e sensatos, afinal a obra é hercúlea e poderá e deverá ser comandada por dois homens preparados e íntegros. Moro x Eduardo Leite.

  8. são os políticos iduota .. este país só progride se ... extinguir todos bandos e quadrilhas que se dizem partidos .. cortem na guilhotina os pescoços sujos dos políticos ladrões .. sem isto é chuva no molhado.

  9. é a corrupção estúpido !!! carlos fernando , conto contigo para continuar a nos ajudar a tornar o brasil mais civilizado! mobiliza o seu pessoal para juntos com moro em 2022 dar continuidade ao brilhante trabalho de vocês , combinado ?

  10. Em 2022 SÉRGIO MORO “PRESIDENTE LAVA JATO PURO SANGUE!” O Brasil finalmente terá Um Governo Fundado no “IMPÉRIO DA LEI!” Não seremos LUDIBRIADOS com o “Velho Truque de MELHORAS na ECONOMIA!” Triunfaremos! Sir Claiton

  11. Terei a Honra de votar em um Candidato que integrou a Lavajato. Posso dar mil motivos porque eu acredito, sempre fui Lavajato do fio de cabelo à planta do pé, porque vocês são HONESTOS, INTELIGENTES, COMPETENTES e ÍNTEGROS. #MoroPresidente2022.

    1. Caro Roberto: a confiabilidade nas falas do atual Presidente desde aquelas da campanha de 2018, passando pelas de seu desgoverno e pelas vindouras para a campanha de 2022 , é a mesma de uma nota de R$3,00. O Brasil merece mais, muito mais! E temos muita gente competente e honesta pra dirigir esse país. ( ps: idem para o nefasto passado do “estadista de guaranhuns”, e suas propostas para 2023)

    2. Se Bolsonaro quisesse a recuperação econômica de forma rápida não teria sido contra as vacinas.

  12. Tá faltando o Sr entrar pro Podemos é ajudar na tarefa de arrumar essa casa q vem sendo desarrumada desde sempre. O foco tem q ser na economia pra gerar emprego, renda e muita educação de qualidade.

    1. Não necessariamente entrar para o Podemos. ... Ficará melhor como Consigliere do Presidente Sergio Fernando Moro. ... São amigos há muitos anos. ... Trabalharam juntos. ...

  13. Cada vez melhor Dr. Carlos, adequando seus artigos aos temas que realmente sao os importantes em cada momento !!! Parabens pela visao e clareza !!!

    1. Época do Governo Lula : Belo Monte: Rastro de Destruição de Povos Juruma e Arara ,Povos Xingu __ E o Governo Bolsonaro = Ricardo Salles..

  14. Nenhum populista e seus centrões oportunistas irão querer um estado enxuto ou responsável fiscal em suas falcatruas e loucuras de poder .

  15. Como sempre, claro e incisivo. Num eventual governo Moro o senhor deveria desempenhar algum cargo. O Brasil precisa de homens com seu perfil.

  16. Parabéns pelo encadeamento das ideias e pelo alerta dado aos candidatos(as) que pretendem compor uma via alternativa à entupida polarização entre o Jararaca e o Capitão Cloroquina em 2022. O mercado e o Estado continuarão vivos e interdependentes na socioeconomia.

    1. Lembra:" Diretor do Inpe será exonerado após questionamento de dados sobre desmatamento Ricardo Galvão sairá do cargo mesmo com mandato até 2020___ Realiza atividades de pesquisa, desenvolvimento e aplicações nos campos de Sensoriamento Remoto e Processamento de Imagens Digitais. Desenvolve pesquisas e atividades nos campos das Ciências Meteorológicas, Meteorologia por Satélites, Previsão de Tempo e Climatologia. Além da Corrupção Endêmica e Sistemática...Os Povos Originárias Indígenas ( Lu

Mais notícias
Assine 50% off
TOPO