Pedro França/Agencia Senado

Apuros multiplicados

Depoimentos comprometem a linha de defesa do Planalto e a CPI, agora, partirá para pedir a quebra de sigilo de ex-integrantes do governo e até de Carluxo
14.05.21

À medida que a CPI da Covid avança, o governo vai se enroscando cada vez mais. Os depoimentos desta semana contribuíram para fragilizar alguns pontos cruciais da linha de defesa de Jair Bolsonaro, ao deixar claro o animus do governo contra a ciência, o inequívoco esforço em favor da cloroquina e a completa apatia em relação à aquisição de vacinas.

Nos próximos dias, o cerco deve se fechar ainda mais. Para tentar conferir materialidade às ações e omissões de Bolsonaro na trágica condução da pandemia, a CPI pretende aprovar uma série de quebras de sigilo bancário, telefônico e telemático de testemunhas consideradas estratégicas para as investigações. A medida tem potencial explosivo para o Planalto porque pode alcançar até o filho 02 do presidente, Carlos Bolsonaro. Para o senador Alessandro Vieira, do Cidadania de Sergipe, a quebra de sigilos de Carluxo pode ser mais útil até do que sua convocação para depor. “A quebra de sigilos é mais interessante porque uma figura desse perfil só iria à CPI para fazer escarcéu e teatro. Com a análise dos dados, é possível ir além. Inclusive, saber como foi sua participação nesse círculo de aconselhamento do presidente”, explica o parlamentar, fazendo referência ao cada vez mais evidente “gabinete paralelo”, criado por Bolsonaro para contornar decisões técnicas na gestão dos ex-ministros Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich.

Os integrantes da comissão ainda pretendem levantar os sigilos do sucessor de Teich, o general Eduardo Pazuello, da médica Nise Yamaguchi, uma das personagens envolvidas na tentativa de mudança da bula da cloroquina, do ex-chefe da Secretaria de Comunicação do governo Fabio Wajngarten e do presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres. Com o material em mãos, eles querem comprovar que a atuação pessoal de Bolsonaro, seja exercendo pressão sobre ministros, seja dando orientações na contramão da ciência, foi decisiva para compor o atual quadro catastrófico de mais de 425 mil mortes no país pelo coronavírus.

Carolina Antunes/PRCarolina Antunes/PRPazuello: medo a ponto que recorrer ao STF para garantir direito ao silêncio
Os testemunhos fornecidos à CPI ao longo da semana ajudaram a consolidar o entendimento de que a negligência do presidente custou milhares de vidas que poderiam ser salvas. Apesar de ter se portado quase como um guarda-costas do governo, Wajngarten, com seus deslizes, recuos e imposturas, expôs aos holofotes a inércia do presidente durante o processo de compra de vacinas. Um dos pontos altos do depoimento, na quarta-feira, 12, foi quando o ex-chefe da Secom admitiu que Bolsonaro demorou pelo menos dois meses para começar a pensar em agir para adquirir os imunizantes oferecidos pela Pfizer. O documento em que o CEO da empresa alertava que “a celeridade” era elemento “crucial devido à alta demanda de outros países e o número limitado de doses” foi enviado em 12 de setembro de 2020 ao presidente e a outros quatro destinatários: o vice Hamilton Mourão, o ministro da Economia, Paulo Guedes, e os então ministros da Casa Civil, Braga Netto, e da Saúde, Eduardo Pazuello. Mourão negou que tivesse recebido.

Foi só em 9 de novembro, porém, que Bolsonaro começou a se dar conta de que aquilo poderia ter alguma importância. Para isso, o próprio Wajngarten, segundo ele mesmo contou, teve de interromper uma reunião no gabinete presidencial com a carta em mãos, alertando para a necessidade da compra das vacinas. Na quinta-feira, Carlos Murillo, gerente-geral da Pfizer para a América Latina, disse à CPI que ao menos onze ofertas formais do laboratório americano foram feitas ao governo brasileiro. A primeira delas data de 14 de agosto de 2020 – ou seja, 28 dias antes do envio da carta ignorada por Bolsonaro, quando a farmacêutica colocou à disposição do país um contrato de 30 milhões e outro de 70 milhões de doses. Parte desses lotes poderia ter começado a ser entregue ainda em dezembro de 2020. A vacina da Pfizer só chegou efetivamente no Brasil no final de abril deste ano.

Adriano Machado/CrusoéAdriano Machado/CrusoéAlessandro Vieira quer quebrar o sigilo de Carluxo, o 02 de Bolsonaro
A revelação de Wajngarten sobre o documento da direção da Pfizer foi possível graças à insistência de parte dos senadores. Ao mentir à CPI reiteradas vezes, o ex-chefe da Secom quase foi parar na prisão – o relator Renan Calheiros chegou a pedir a detenção do aliado do governo, mas o chamado G-7 do colegiado o demoveu da ideia. A quebra dos sigilos bancário, de e-mails e telefônico de Wajngarten poderá esclarecer detalhes ainda obscuros da negociação de vacinas com a Pfizer – uma dúvida é por que ele, como responsável pela área de comunicação, estava tratando de vacinas. Uma das omissões de Wajngarten ficou clara no depoimento do executivo da Pfizer: ele não contou à CPI, por exemplo, que Carlos Bolsonaro e Filipe Martins, assessor internacional da Presidência, também haviam participado das reuniões com representantes da farmacêutica. “É muito importante essa quebra de sigilos. Ele tergiversou o tempo todo, mentiu, dissimulou e isso ficou muito claro”, disse o senador Otto Alencar, do PSD da Bahia.

O primeiro depoimento da semana também foi embaraçoso para Bolsonaro. E as declarações que encalacraram o governo vieram de onde ele menos esperava: do, ao menos até então, amigo do presidente Antonio Barra Torres, o presidente da Anvisa. Desfiando a conduta irresponsável de Bolsonaro com impressionante desembaraço, o contra-almirante da Marinha não se constrangeu em dizer que as declarações do presidente sobre a vacinação sempre foram “contra tudo” o que a agência defende, que a cloroquina não funciona mesmo contra o coronavírus e que, sim, como havia revelado Mandetta na semana anterior, o Palácio do Planalto sediou uma reunião para tentar adequar a bula do medicamento aos devaneios de Bolsonaro. Barra Torres saiu da CPI como herói da oposição e provável novo inimigo do Palácio do Planalto.

Enquanto Bolsonaro acumula reveses na CPI e ainda se vê enredado em novos escândalos, como o do orçamento paralelo, um eufemismo para compra de apoio político, sua popularidade derrete. A mais recente pesquisa Datafolha mostrou uma rejeição ao presidente de 45% e uma aprovação de apenas 24%, a pior marca de seu mandato até aqui. Nas simulações eleitorais, ele perde para todos os potenciais candidatos em um segundo turno. Para a próxima semana é aguardado o depoimento de Pazuello – que, na verdade, tem tudo para ser um não-depoimento – e é por isso que integrantes da CPI defendem também a abertura dos sigilos do ex-ministro. Com o aval do Palácio do Planalto, a Advocacia-Geral da União entrou com um pedido de habeas corpus no Supremo Tribunal Federal, a fim de garantir ao general do “um manda, outro obedece” o direito de ficar calado e de não responder às perguntas dos senadores. Trechos da peça sugerem que ele teme ser preso. Em meio à tragédia que assola o país, o ex-ministro da Saúde ter medo de falar é mais uma cena lamentável do teatro do absurdo protagonizado pelo governo – e que a CPI promete não deixar completamente impune.

Já é assinante?
Assine a Crusoé ou nosso combo e ganhe o novo eBook de Mario sabino

Assine a Crusoé

*válido até 30/06/2021

Assine a Crusoé ou nosso combo e ganhe o novo eBook de Mario sabino

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Li esta matéria com uma semana de atraso e, sendo assim, ficou fácil comprovar como esta jornalista escreve tanta besteira. Estou com a tal da vergonha alheia.

  2. Essa CPI é uma verdadeira farsa. Assim como seus membros. CPI pra saber como Lula desviou tanto dinheiro público ou os 4 milhões que Toffoli recebeu para vender sentenças, segundo Sérgio Cabral, ou pra apurar a conduta de Ministro do STF que soltou André do Rap. Isso ninguém faz. Vamos aproveitar essa CPI e prender Renan, pelos seus processos sem respostas até hoje... País de gente tupiniquim. Reminiscência, eu tenho....

  3. Muito barulho por nada. Era previsto a entrega de muito poucas doses nos primeiros contratos. Resumindo, de acordo com o contrato finalmente assinado erão entregues 14 milhões de doses no 1° semestre deste ano contra 18 milhões da melhor hipótese dos anteriores, uma diferença equivalente a 4 dias de vacinação. É muito pouca diferença.

    1. Temos aqui um especialista em logística, logicamente seriam entregues aos poucos as doses, pois outros países já haviam comprado a vacina. É a tal oferta e demanda que vocês tentam distorcer como se o Brasil fosse a última bolacha do pacote no que tange receber vacinas, o lixo do teu presidente IGNOROU uma vacina que tem a eficácia global de 90%, então vai pro terça livre que talvez lá você leia o que gostaria, fico aqui com a verdade e os fatos.

  4. Se alguém que le estes comentários tem contacto com os integrantes da CPI da Covid passe para eles ; Muito pior do que desconsiderar as propostas da Pfizer foi não tomar iniciativa de ir a ela e as outras para negociar as compras com antevedencia !! O negativismo não deixou !! Milhares de vidas se foram e estão indo por falta desta iniciativa !!

    1. Maria, minha cara, espere sentada porque de pé você vai se cansar. O caso da vacina da Pfizer já está explicado pelo depoimento do Sr. Murilo, diretor da farmacêutica. Discordo da colunista Mader quando ela diz que o governo se complicou com os depoimentos da semana. Será que essa jornalista canhota está vendo a mesma CPI que nós simp les mortais estamos vendo? Na minha opinião q u em está se complicando é o Mandetta "mutreta" e o corrupto amigo do LULADRÃO o Sr. Renan Ca(na)lheiros.

  5. Pq quebra de sigilo BANCÁRIO? Há ALGUMA SUSPEITA de subornos ou só para “tentar de tudo”, “atirar para todo lado” e, se possível, “criar o maior alvoroço possível”? E “jornalista” que se acha a consciência crítica da sociedade, compra tudo sem questionar (pois é contra o “genocida”). Enfim, reportagenzinha de meia pataca e altamente enviesada... não vale sequer o tempo de leitura... jornalista teria q aprender a não ter viés político, mas...

  6. Credibilidade zero essa CPI. Uma vergonha. Aonde está o dinheiro dos estados ?? Renan relator ??? Um circo é mais organizado !!!

  7. Essa CPI tem erros de princípios, seus líderes deveriam estar no xadrez não fazendo CPI, são os mais corruptos q os corruptos..!! Tá tudo errado, inversão de valores..!!

  8. Todo o prejuízo eleitoral será depositado no voto eletrônico. tudo que está trup circense faz é meticulosamente pensado. Compra do apoio político, posto Ipiranga fechado, Saúde em frangalhos, educação sem rumo, e .uito mais. me foi vendido um Brasil novo que irei tentar comprar na próxima eleição sem Bolsonaro nem Lula. viva a terceira via.

    1. Perfeita colocação, Rogério. A incrível velocidade de sucessão de tamanhos absurdos mede-se em escala industrial, de modo que mal dá para processar o atual e, pimba, já vem outro maior ainda. Não dá para absorver tanto descalabro em tão pouco tempo. O país está completamente atordoado com este "espetáculo" da má gestão deste louco e sua gangue. Certo, viva a 3a. via em 2022 mas, até lá, o Brasil já estará afogado em seu próprio vômito, como um drogado incurável em sua última e fatal overdose.

  9. Eu gostaria de acreditar que a CPI fosse um meio de impeachment do presidente. Mas acredito que seja apenas um circo para sangrar Bolsonaro é os brasileiros visando as eleições de 2022. Já tem material suficiente para o impeachment. Até quando vamos aguentar?

    1. Concordo que a eleição é o foco.Afinal, Lula faz acordos que beneficiam toda a gama de interesses dos escudos aos tenebrosos. Bolsonaro está pagando o preço de sua falta de capacidade de negociação e inteligência emocional. Precisamos da terceira opção para 2022, pois Lula não presta, Bolsonaro também não, ambos por motivos diferentes, claro.

  10. O EDUARDO PEZADELLO tem que falar tudo que sabe, assim não será preso, não deve tentar blindar o Mandrião Obtuso. Ele foi apenas fraco em não confrontar o Capetão e continuar no pior governo da história do Brasil. Mesmo com Renan na CPI, não apaga os crimes cometidos pelo maior estelionatário eleitoral, Jair Messias Bolsonaro. #IMPEACHMENTJÁ, #DERRETEBOLSONARO, #LIBERDADEJÁ

  11. Temos, em particular, uma Natureza rica, generosa e prodigiosa, mas, no geral, uma Justiça nanica e uma legislatura ociosa e criminosa (para nosso Executivo nem encontrei ADJETIVOS ... ❗️🤬

  12. Tenho um questionamento: Se alguém que não conseguir tomar a 2° dose da Coronavac for infectado pela Covid 19 e vier a falecer, o Sr Jair Messias Bolsonaro poderá ser processado criminalmente pela evidente influência na interrupção da fabricação?

    1. Obviamente que sim. O nexo causal está bem demonstrado e documentado. Eu me pergunto se o PR louco não age assim para entornar o caldo de vez, fomentando o caos para aplicar um golpe de Estado, justificando-o face à esculhambação "fabricada" por ele.🤔

  13. Tudo, rigorosamente tudo, no Brasil, funciona conforme os interesses individualizados da rlote da sociedade. São esses que fazem as leis, as executam, e as julgam de acordo com suas conveniências. O grosso do populacho apenas sofre as consequências dos desmandos e limita-se a sair por aí gritando,a plenos pulmões: mito!mito!mito!.. pobre país de broncos.

  14. Pazuelo tem que comparecer como civil, que prestou serviço ao governo como militar da ativa, contrariando seus pares do exército, que pediam sua ida para reserva... de olho no poder de um vencimento mais gordo! Essa conta é do Pazuelo e a ele compete o pagamento...

    1. É isso mesmo Silvia2, o Pazuelo tem que ser responsabilizado pelos seus atos e omissões. O covardão, vergonha das nossas FA, pediu e conseguiu arrego do "supremo" (outra vergonha nacional) para não responder ao questionamento da CPI. É uma completa confissão de culpa!

  15. Pra falar a verdade eu não acredito que alguma coisa vá acontecer ao Bolsonaro. A dinheirama que deve estar correndo solto para comprar parlamentares não deve ser pouca. No final vai ficar o dito pelo não dito.

    1. concordo...embora vejo esta cpi como a mais ordinária, inquisidora, e o presidente e o relator se achando a "última bolacha do pacote", sem respeito algum aos depoentes,, q até o momento são apenas convidados, testemunhas, sem nada de condenação, pois a cpi é para iniciar investigação .Ora, vc ter um Renan escolhido por Aziz , como relator, veja o nível!!

  16. Não podem ficar impunes nem Pazuello nem Bolsonaro. Parte dessas 430 mil mortes ficam na conta dos dois sem dúvida nenhuma.

    1. Renan Calheiros é uma das piores criaturas q o Brasil já produziu, mas, na CPI, está no papel certo: para investigar bandidos, bandidos!

    2. Vc parece q não acompanha a cronologia dos fatos? Concordo q Presidente tem dar bom exemplo...máscaras, isolam. fisico, etc. Vacinas, e uma outra história, veja a cronologia. Tratamento precoce, divergências...diversas entidades nacionais e estrangeiras ainda c pesquisas em cima disso alguns acham q vale a pena outros não. Melhor fazer algo , na dose e tempo seguros, q nada fazer, para,TRATAR !! Já a Prevenção só c vacinas, claro!

    1. Vc não acompanha a cronologia dos acontecimentos e depoimentos do Carlos Murilo? Não foi bem assim como vc relata.

  17. O governo Bozo é um governo de office boy. Numa negociação com uma farmacêutica do nível da Pfizer, tivemos como representantes: patetas, moleques, bostas...qual adjetivo usar? E pelo que tomamos conhecimento, equipe essa de merdinhas, capitaneada pelo Carlos Bolsonaro. Esse governo está de brincadeira com a cara dos brasileiros? Se pelo menos fosse o bosta do general Pazzuelo e sua equipe de outras merdas, ao menos teríamos que tolerar, por ser essa a equipe da saúde do Bolsonaro. Mas esses não

    1. Lewandowski vai aceitar, sim. Aliás, já aceitou. Estamos numa guerra entre bandidos e mocinhos e o indicado de Lula ao STF sempre esteve do lado dos bandidos. Ao longo da sua atuação como magistrado já deixou inúmeras provas do seu péssimo caráter.

  18. Acho que tem mais, quanto mais aposentados morrerem melhora as condições do INSS. Eu ainda acredito que há um interesse político do presidente com essas mortes. Isso não exime ele, é um psicopata.

    1. Sempre penso isso.Genocidio calculado.Inclusive o ministro da economia verbalizou,”que agora todos querem viver o mais tempo possível “,bem contrariado.

  19. BOLSONARO BOICOTA as VACINAS para EVITAR MANIFESTAÇÕES de RUA CONTRA o GOVERNO! Em 2022 SÉRGIO MORO “PRESIDENTE LAVA JATO PURO SANGUE!” Triunfaremos! Sir Claiton

  20. A principal causa do elevado número de mortes pela COVID-19 é a falta de tratamento precoce que evitaria muitas entubações que levam à morte mais de 50% dos entubados. Por que a CPI não convoca o Presidente do CMF que regulamenta o exercício da medicina. Quanto às vacinas da Pfizer peço verificarem quando a União Européia as comprou?

  21. Análise perfeita de Carlos F. S. Lima (Crusoé de 14.05.2021). STF possibilitou a reeleição do Lula. O PR ajudou-o, eliminando Moro e Lava-Jato. O povo, por ignorância e/ou comodidade não se revolta. Conclusão: ou as FFAA resgatem CF e democracia, ou o Brasil vira uma Venezuela.

    1. Caro, as FFAA estão muito bem em suas mordomias e não vão tirar suas suas gordas bundas da poltrona pra salvar o país visto que ninguém mexe com eles. Simples assim.

    1. Duvido que ele seja amigo desse demente, ele deve ser amigo do Pujol. Ficou imaginando o bando assistindo ao depoimento de Barra Torres na CPI.... rsrsrsrs.

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO