Carlos Fernandodos santos lima

A crise do aparelhamento

02.04.21

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal confirmou nesta semana a punição imposta ao procurador da República Deltan Dallagnol pelo Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), por ter exercido sua cidadania e defendido a votação aberta no Senado Federal durante a disputa entre Renan Calheiros e Davi Alcolumbre pela presidência da casa, em 2019. Apesar da necessidade de um Ministério Público independente, nas palavras do ex-ministro Celso de Mello, que havia anteriormente suspendido a ação disciplinar contra Deltan, os ministros sempre hostis Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes, acompanhados por Kassio Marques, mantiveram a penalidade contra o mais valoroso membro do Ministério Público que conheço.

No mesmo dia, o general Fernando Azevedo e Silva, ministro da Defesa demitido por Jair Bolsonaro, afirmou ao deixar o cargo que as Forças Armadas são uma instituição de estado, que não servem a governos. Esta afirmação, óbvia em uma República, transformou-se em alerta para a tentativa de Bolsonaro fazer uso do Exército como força política de sustentação de seu governo. A saída de Azevedo e Silva, seguida da demissão dos ministros das três Forças, ganhou contornos de traição destes nas hostes bolsonaristas, da mesma forma como ocorreu com a saída de Sergio Moro do Ministério da Justiça em abril de 2020, em virtude do aparelhamento da Polícia Federal. A única diferença nos dois casos é que Moro tomou a decisão de expor a gravidade da situação que enfrentava como ministro, coisa que a disciplina militar impediu aos chefes da Defesa e das três Armas, pelo menos de maneira explícita.

O que esses três episódios, como também como a nomeação de Augusto Aras para a Procuradoria-Geral da República, têm em comum?  Indicam a perda da institucionalidade do estado brasileiro e o aparelhamento das suas instituições. É verdade que a Nova República vinha sendo cada vez mais aparelhada por interesses políticos mesquinhos, por desejos inconfessáveis de enriquecimento à custa do erário e por vinganças pessoais, cujo método é a colocação de arrivistas, pessoas pequenas e subordinadas aos interesses de seus patrões em cargos de importância nos mais diversos órgãos e instituições, de modo a dominar o sistema, distribuir benesses e impedir a ação dos órgãos de controle. Assim foi, por exemplo, com o próprio governo do incensado Fernando Henrique Cardoso, que escolheu o mais nefasto ministro do STF de todos os tempos, Gilmar Mendes, bem como manteve Geraldo Brindeiro por oito anos na PGR, onde este mereceu a alcunha de “engavetador-geral da República”. Também o próprio PT reconheceu que um dos erros de seu governo foi o de não ter aumentado os controles sobre as instituições, especialmente, ora vejam, as Forças Armadas e o Ministério Público.

A perda da institucionalidade não começou, portanto, com Jair Bolsonaro, apesar de ele não ter qualquer freio moral em elevar aquilo que era subentendido, oculto sob um verniz da “política como ela é”, em uma desabrida busca pelo poder a qualquer preço, mesmo que à custa da democracia (já enfraquecida) e do estado de direito (que se revela frágil). O “acordão nacional” proposto por Rodrigo Maia e Dias Toffoli, o aparelhamento do Conselho Nacional do Ministério Público por Renan Calheiros, a destruição dos mecanismos de controle pelo Congresso Nacional, a mordaça imposta pela lei de abuso de autoridade são exemplos de como toda a cal de legalidade e legitimidade da Nova República foi facilmente lavada quando a Operação Lava Jato revelou a podridão do sepulcro que chamávamos de “política”. Bolsonaro foi apenas um hipócrita que se aproveitou disso para se promover, quando era apenas uma criatura monstruosa nela criado.

Agora, em um agravamento desse processo de degeneração democrática, o que Bolsonaro quer é a sujeição do estado à sua vontade, um novo rei que mantém no governo, como nas histórias das monarquias europeias, apenas aqueles que aceitam limpar seu traseiro. Enquanto que em outros governos o domínio da elite política se dava por mecanismos ocultos de poder, o que Bolsonaro pretende agora é a submissão de todos à sua vontade imperial sob risco, inclusive, da integridade pessoal. Não por outro motivo, vem empenhando esforços para submeter todos os poderes armados, especialmente o Exército e as polícias, ao seu controle com o absolutamente inconstitucional projeto de lei de mobilização nacional. Estamos na iminência de uma crise gestada nos últimos 20 anos e que pode engolir a todos, democratas ou não, em uma aventura que destruirá a experiência democrática e republicana da Constituição Federal de 1988. O que Bolsonaro quer é uma versão do bolivarianismo chavista, agora com o seu nome.

Estamos todos os brasileiros sob risco, portanto. De um lado temos um presidente completamente despreparado, com sintomas de paranoia e incapaz de qualquer grandeza pessoal, mas suportado por uma legião de fanáticos e buscando apoio armado às suas pretensões. De outro, um sistema que insiste em trazer de volta as barganhas de poder e dinheiro em detrimento da população, um sistema de Aécios, Lulas e Calheiros revelado pela Lava Jato, cuja podridão enoja qualquer cidadão de bem. A grande questão que fica aos brasileiros é se realmente temos que nos contentar com essas duas opções, essa disputa do mal contra o mal que não trará nada de bom para o país.

Nem mesmo a imprensa, outrora poderosa, mas hoje enfraquecida pela ascensão das redes sociais, escapa desse maniqueísmo, exaltando personagens com um passado de envolvimento em corrupção como  alternativa a Jair Bolsonaro. Alguns, especialmente aqueles que desejavam que a Lava Jato tivesse parado de investigar e atingido apenas o Partido dos Trabalhadores, deixando Michael Temer governar – apesar de a operação nada ter a ver com o escândalo da JBS –, agora querem a volta da política anterior a Lula, com o poder dividido entre o PSDB, MDB e DEM, como se isso fosse um exemplo de um período idílico de nossa República, o que não é verdade. Os seguidos escândalos como as privatizações e a compra de votos para permitir a reeleição de FHC mostram que a podridão já se espalhava no cerne das instituições, tendo Lula somente sistematizado a corrupção.

Temos que voltar ao básico da Constituição Federal de 1988 e reconstruir as instituições longe dos casuísmos convenientes. Devemos ter instituições sólidas, autônomas e independentes, construídas sob os princípios democráticos, republicanos e federativos, em que um poder sirva de fiscal do outro. Mas, de maneira urgente, precisamos resistir aos desejos golpistas de Jair Bolsonaro sem cair na armadilha de voltarmos a uma política corrupta e venal do passado. Por isso é preciso construir um movimento apartidário, democrático e republicano, com um programa de centro capaz de enfrentar os grandes problemas nacionais e que ofereça alternativa ao desgoverno sem cair na tentação do poder pelo poder. O que não é possível é continuar na polarização que vemos hoje. A vitória de qualquer um dos extremos, seja qual for, não fará um Brasil melhor, mas apenas prolongará nossa agonia.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Presidencialismo é complexo de inferioridade coletivo! Chega de eleger ditadores, psicopatas e corruptos, que após as eleições já não tem nenhum compromisso com o que prometeram e são de difícil remoção, pois o legislativo é sempre comprado neste sistema e nunca responsabilizado (como seria no parlamentarismo).

  2. A reforma política è a maior necessidade. Não podemos ter uma câmara de deputados com mais de 500 pessoas, onde somente 27 foram eleitas pelo voto direto. O sistema criou mecanismos de perpetuação: fundo eleitoral, emendas parlamentares, foro privilegiado, escolha de membros do STF pelo executivo e legislativo (quem aprova), escolha dos presidentes do legislativo compromissado com o “ temos que manter isso aí” do Temer, ministros do STF que fazem leituras diferentes da constituição, etc.

  3. Infelizmente essa é a realidade que vemos, nos três poderes, estamos vendo arranjos de todos tipos, defesa de interesses pessoais, de grupos, politicos e não politicos!!! Dificil acharmos uma saida para essa situação, mas realmente temos que fugir desses dois extremos!!

  4. Excelente! Infelizmente deixa claro que estamos numa arapuca. Os pilantras do passado já estão se preparando para voltar e continuar a roubalheira. Muito triste a desgraça que o stf fez para o Brasil.

  5. Perfeita e análise e óbvia para alguns. Alguns sujeitos, sem nenhuma estatura profissional é ética para ocupar os mais altos cargos da República, ascendem a esses postos, para depois "prestar favores" aos responsáveis por suas nomeações. Trágico, antigo e atual. Parabéns. Só não ver quem não quer.

  6. Precisamos urgentemente de um Senado que pense no Brasil e não no bolso de seus membros e "parceiros". Carlos Fernando dos Santos Lima seria um excelente Senador da República e um catalizador para novos candidatos com reputação e integridade. Carlos Fernando poderia se organizar com pelo menos 10 outros candidatos que já seria um bom número para a depuração do Senado.

  7. Que aparelhamento? O petista? Porque esse é o único que existe no serviço público federal. Esses falsos liberais que estão se revelando cada vez mais comunistas, são uns falsos... melancias.

  8. Parabéns e obrigado pelo seu texto e sua coragem, Carlos Fernando. Você explicita nossa dura, triste e dolorosa realidade. É imperioso e urgente que consigamos repensar e arquitetar um recomeço para esse país que não deu certo. O único caminho é através da Educação de qualidade( aquela que ensina e forma cidadãos ).

  9. a constituição cidadã deu poderes demais ao judiciário vergonhosamente representados pelos ministros do stf. não vejo solução para nós enquanto tivermos 11 reis absolutistas julgando e criando leis por necessidade de seus feudos. ainda teremos mais 10 anos de reinado do pior monarca que o brasil já teve em sua pobre história.

  10. Prezado autor, gosto muito do seu texto, mas com relação as privatizações do governo FHC, foram muito bem realizadas, com anúncio em grandes jornais no mundo todo, leilão presencial na bolsa de valores, compliance e transparência. A acusação contra elas trata-se de bandeira do PT, repetida ad nauseum, para se tornar uma verdade. Aliás, ainda bem que FHC privatizou 63 estatais, pois se ainda o fossem sob as mãos do PT teríamos tido os escândalos do Valetão, Embratelzão, Reffsão, Bancosestaduais.

    1. Dilermano, faço minhas as suas palavras, sem tirar nem pôr! Gosto muito e desde sempre das análises do brilhante colunista, mas, neste caso das privatizações da era FHC, parece que ele absorveu sem perceber pelo mantra do PT.

  11. Texto agudo e sem amarras. O quadro é assustador. Um louco querendo usar o exercito para se suportar e um congresso covarde e interesseiro e um judiciário com cabrestos e fazendo piruetas juridicas todos os dias para alegrar quem os indicou. Bem vindo a era medieval no Brasil, enquanto o mundo acelera. Ficaremos para trás. Quem puder mande seus filhos para fora. O futuro aqui é para os mediocres.

  12. A falta de amor ao país é muito escancarada. Triste, muito triste! Vamos ficar atentos em quem votamos, é o que nos resta 🥺

  13. Corretíssima exposição desta triste realidade política do nosso país. A polarização continuará a nos deixar sendo governados por pessoas da pior espécie. Há de ter uma terceira via e Sergio Moro é o melhor caminho.

  14. Que possamos eleger o futuro presidente no primeiro turno, evitando a escolha plebiscitária de 2018, entre dois extremistas. Temos esperança de que gente séria e competente como você, que brilhou à frente da Lava Jato, postule mandato parlamentar em 2022. Tem-se que fazer a faxina também e principalmente no Congresso Nacional

    1. Retratando-me pelo esquecimento: texto genial e irretocável! Falou tudinho, tintim por tintim!!!

  15. A continuar como é, extremo poder concentrado na mão de poucos, nada, absolutamente nada terá efeito de trazer mudanças. O erro de todos que não concordam, é acreditar que caso um 'Iluminado' democrata caso chegue ao poder, possa mudar tudo. Isso jamais será possível. O Brasil não vive uma Democracia, pois outorga total poder sem a menor possibilidade de contestação e mudança de trajetória. A sociedade precisa conhecer o sistema eleitoral americano e havendo indignação, exigir a mudança. Basta!

  16. Eu já não tenho mais esperança. Cheguei a acreditar que o Dr. Moro seria nosso próximo presidente. Hoje vejo que os donos do poder não permitirão e temo pela sua vida.

  17. Moro e Lima dos Santos no centro do poder em Brasólia. Se não for possível, pelo menos no Senado, para colaborar no seu saneamento e na expulsão de alguns dos seus membros putrefatos.

  18. Na época de Geraldo Brindeiro, Gilmar Mendes já aprontava. Era o AGU e subordinados seus fizeram cursos no IDP do qual era sócio. Brindeiro acabou com investigação da compra de votos na PEC da reeleição, pediu ao STF arquivamento do processo da tal Pasta Rosa, etc. Aras destrói o MPF. Permite ao STF atribuição sua. O Congresso já estuda enfiar membros do STJ e STF no Conselho Nacional do Ministério Público. O MPF volta ao papel histórico de parceiro do Judiciário na impunidade.

  19. Mais uma vez, nosso Procurador expõe as mazelas e tratamentos possíveis deste Brasil que agoniza, infectado e sugado por todo tipo de vermes. Como acerta o diagnóstico! O Poder está liderado por indivíduos ambiciosos e inescrupulosos, insaciáveis na sua ambição faraónica, secundados por seres pequenos, muito pequenos, raste jantes qual lesm as, e é por isso que é impossível que u renascimento possa sair dessa fauna contaminada. Soluções só poderão vir de uma sociedade apartidária e nacionalista

    1. Como se uma nova constituição fizesse desaparecer as mazelas da nossa malfadada políticas. Não nos esqueçamos, a nova constituição seria escrita por quem? Por anjos por acaso? A solução é outra. E é apontada no lúcido texto. Não haverá solução fora da Política. Sim com p maiúsculo.

    2. Na análise do nosso Procurador, discordo, humildemente, de sua cívica fidelidade e justificativa à Carta de 88. Parto de um empírico e simplista raciocínio, se ela é a estrutura político jurídica do nosso Estado, a corrupção, exploração e impunidade por parte da casta dominante impera e seus personagens são blindados por essa mesma estrutura legal, não resta dúvida de que Ela é nociva para quem deveria proteger, o Povo Brasileiro. O que fazer? Uma nova Constituição escrita pelo Povo.

  20. Concordo com tudo o q foi exposto. O problema é como uma sociedade desorganizada, desarticulada e sem representação, afora a farsa das eleições de nossos "representantes", pode de fato mudar tudo isso? Esperar q nossos políticos tenham um rompante civilizatório e decidam pela decência é pedir demais. Temos como criar conselhos de notáveis com a participação de figuras eminentes da sociedade civil para uma reforma total do estado?

    1. Tente explicar estes “acontecimentos” na feira, no taxi, na padaria, etc.

  21. Não obstante a permanente homenagem e eterna gratidão pelos serviços prestados à nação pelos membros da Lava Jato do qual fez parte o ilustre articulista, parece-me que já hora de menos crítica mais ação. Por uma cruzada nacional a favor da instituição urgente do parlamentarismo clássico com voto distrital e alteração da configuração e critérios de acesso do STF para 27 membros, um por cada UF eleitos por Colégio Eleitoral para mandato de 10 anos. Deus nos ilumine e um abraço fraterno nos ateus!

  22. Muito bem. Falou tudo. Desde a primeira reportagem, venho demonstrando minha insatisfação com as reportagens. Agora achei quem realmente escreve verdades, de uma maneira simples. Parabéns. Infelizmente nosso destino é incerto. Não acredito nesse país. Entre Bolsonaro e um Lula, fico com as FFAA. Com um AI5. Democracia pra sub-raça, é ensinar cachorro a falar.

  23. Triste, muito triste este Brasil que estamos deixando para os nossos filhos e netos. Não se nota nenhum progresso na cidadania, mas tão somente regressos!

  24. As coisas são tão vertiginosas que mudam em poucas horas . Houve dois rechaços ! Da caserna que reiterou que as FFAA são instituição de Estado. Ponto .E ao deputado major Vitor Hugo , na origem da proposta . Ponto . Alguém é trouxa de segurar a barra incandescente de um JB que derrete a olhos vistos? Atenção ! O que vai nos segurar não é nem 2a ou 3a via ! A redenção vem com a primeiríssima e única via! Sem possibilidade de polarização ! Acreditemos ! #2022 está logo ali !!!

  25. Concordo plenamente! Difícil é engatar essa terceira via: o manifesto pela Democracia assinado por políticos na semana passada já mostrou que egos se sobressaem e sacrifício pelo bem comum é um valor lindo, mas que só fica bem em discursos. Precisamos URGENTEMENTE encontrar uma saída que não seja esses extremos tão semelhantes.

    1. Certo. Concordo plenamente! Mas não tenho mais esperanças. Estou descrente de tudo. A melhor saída ainda é o aeroporto.

  26. Até o momento não vi imagem melhor do governo do Bozo do que a que se trata de um governo formado por gente disposta a limpar o traseiro do chefe.

  27. Resumo e retrato mais fiel e verdadeiro alerta , para que a história atual e futura deste país, não seja repetitiva e sim mudada por agentes públicos, instituições e governos democráticos dignos e competentes de atender o bem-estar básico de Saúde, Educação, Infraestrutura e Segurança que tanto nos falta.

    1. parabens pelo clareza do artigo #moro2022 e a unica esperança

  28. A proposta de projeto de lei do deputado major Vitor Hugo, que ampliaria os poderes do presidente Jair Bolsonaro, foi a mais recente manifestação da tropa de choque que toca o projeto bolsochavista. Entre avanços e recuos eles já avançaram bastante. Embora minoritários ainda, já estão presentes em todas as instâncias de poder, das forças armadas aos tribunais superiores, passando pela Câmara e Senado. Com a omissão dos bons, o mal avança.

  29. Muito bom. Precisamos sair da esperança para a ação. Democracia nada tem haver com corrupção. Isso é uma maldita criação nossa. Precisamos nos agregar a uma liderança realmente patriota e comprometida com um Brasil melhor em prol das novas gerações. Vamos entregar um país melhor para eles, construído por nós. Parabéns.

  30. Esse artigo me fez lembrar a "conveniência" ou não de investigar FHC, revelada nos diálogos da Vaza Jato. A operação ia muito bem até querer fazer política e buscar, através de processos judiciais, interferir deliberadamente nos destinos políticos do país.

  31. Parabéns pelo texto 👏👏👏 mas eu acho que a boiada já está passando, Bolsonaro faz alarme todos os dias para que o centro das atenções voltem para ele, e na verdade tudo está acontecendo pelos bastidores, ou seja, está escondendo algo por trás de tudo, até mesmo a Covid serve para que o clã deite e role.

  32. Sempre perfeito e maravilhoso em seus comentários. Minha pergunta. Será que nos brasileiros estamos preparados para abandonar mais do mesmo e escolher a única saída digna que nos resta? Temos duas missões: acabar com a idolatria errônea e doente a dois símbolos de destruição do país. Bolsonaro e Lula. Temos uma terceira saída sem FHC ou qualquer outro que se utilizou da corrupção. Construir uma frente com novos nomes. Mas o TSE precisa inserir um teste psicológico nos candidatos.

  33. DOUTOR CARLOS FERNANDO LIMA TEMOS UMA MISSÃO A SER CUMPRIDA PELOS HOMENS E MULHERES DE BEM REPRESENTANTES DE TODA A SOCIEDADE INSATISFEITA COM O QUE FIZERAM DO NOSSO PAÍS. A LAVA JATO É UM DIVISOR NA HISTÓRIA E PRECISAMOS QUE OS NOSSOS BRAVOS COMBATENTES LIDEREM ESSA CRUZADA PELA MORALIDADE E HONESTIDADE NA CONDUÇÃO DO BRASIL. A SUA CANDIDATURA PARA O CONGRESSO JUNTO COM OUTROS DESTEMIDOS AGENTES PÚBLICOS (MPF E PF) SERIA UMA GARANTIA DE GOVERNABILIDADE AO NOSSO FUTURO PRESIDENTE MORO 🚔⚔🗡☠

  34. Excelente texto, dr. Carlos Fernando Lima! Permita-me apenas pequena ressalva. Caso FHC não se reelegesse, o então governador de São Paulo, Mário Covas, negaria a privatização do Banespa. Esse banco havia sido espoliado por Orestes Quercia e detinha 40% das dividas estaduais. Sem sua venda, o Plano Real poderia fracassar por falta de "responsabilidade fiscal". É necessário agradecer a Deus por termos tido mais de duas décadas de razoável estabilidade monetária. Amém. Salve, salve a memória!

  35. Assino em qualquer lado desse maravilhoso texto. Parabéns. Tomara Deus que tenhamos consciência desse perigo real.

    1. Conta comigo, só ainda não sei por onde começar .

  36. Carlos Fernando está corretíssimo. O maior dilema dos brasileiros: não existe no momento um líder capaz de conduzir a nação para uma mudança de rumo.

  37. O articulista tem toda razão, só que acho um sonho impossível, pois o centro democrático não se une, pois a vaidade dos caciques prevalecem, infelizmente!

    1. Agir dentro da lei, segundo a Izeliana: não colocar os bandidos de estimação dela no xilindró.

  38. Fantástico esta explanação, tirou daqui ! Parabéns pelas abordagens. Só que o povo dorme... Que coelho(s) vamos tirar da cartola neste "centro" ? Acredito que muito pouco faremos (no micro universo político). Soluções melhores, só daqui a uns 20 anos, até essa turma que tá ai morrer.

    1. A criação de uma terceira via será mais uma uma a disputar o poder, não temos brasileiros honestos, dna velhaco...

  39. Sempre esclarecedoras e patrióticas as manifestações do Sr Fernando Lima! Ante tantos danos ao país, perpetrados por essa claque de malfeitores da nação, só nos resta a esperança de que em 22, as forças do bem consigam se aglutinar ao redor de um nome (de Centro) com cacife moral, gerencial e político, para derrotarmos essas forças do mal que há muito vêm se revezando do poder, trazendo só caos e o atraso do crescimento do nosso país.

  40. "A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal confirmou"... O artigo assim começa e deveria parar por aí mesmo, não ficar "enchendo linguiça" tentando achar justificativas para o autoritarismo do STF ! Melhor se ater a fatos que mesmo contrapostos as versões continuam CONCRETOS !

    1. desinformação. Procure boas leituras sobre o assunto.

    1. Infelizmente com o Congresso e Judiciário atual, o Moro não resiste 6 meses no cargo. Se o povo continuar elegendo deputados e senadores vendidos e corruptos, nada mudará tão cedo. Com STF e STJ, principalmente, atuando pra proteger políticos bandidos e assim continuarem nessa ciranda nefasta de proteção mútua. Só o Moro não basta!

  41. Carlos, mas como viabilizar sua ideia na democracia, com os poderes aparelhados do jeito que estão, com esse judiciário, esse legislativo, esses políticos, esses empresários, essa imprensa, esses fanáticos bolsonaristas, lulistas, esquerdistas, esses eleitores, esse salve se quem puder fisiológico geral?

  42. Informação é vacina e tratamento para os mais diversos males. Evoluir, verdadeiramente, é um processo longo e doloroso: “no pain, no gain”! Que a boa informação conduza a dor nacional para melhores opções e escolhas. Aprendamos, como nação, a diferenciar o joio do trigo no altar das urnas. Informação, boa informação, opera milagres. Que o Brasil ressuscite!

  43. PARABÉNS pelo artigo! Retrato fiel do Brasil hoje. estamos sendo governos por sórdidos e corruptos. Continuamos a ter esperança que alguma pessoa do bem nos resgate desse lamaçal em 22 Os aproveitadores estão sempre rodando os poderes para obter vantagem .Cabe a nós que já pagamos com muitas vidas a eleição desse genocida chamado Bolsonaro saber escolher bem melhor : Moro 22

  44. Mas as mudanças pra preservar a institucionalidade dependem hoje de pessoas e sistemas falidos, como resolver isso a curto prazo? A "sociedade" é uma entidade incapaz de ver coisas simples, quiçá as complexas. Mesmo pequenas mudanças exigem controle de fatores que não estão sob domínio do cidadão comum (entre os quais me incluo).

  45. Em 2022 SÉRGIO MORO “PRESIDENTE LAVA JATO PURO SANGUE!” O Brasil finalmente terá Um Governo Fundado no “IMPÉRIO DA LEI!” Não seremos LUDIBRIADOS com o “Velho Plano de MELHORAS na ECONOMIA!” Triunfaremos! Sir Claiton

  46. ao básico da CF88 e reconstruir as instituições longe dos casuísmos convenientes“...é preciso reconstruir um movimento apartidário, democrático e republicano...sem cair na tentação do poder pelo poder. O que não é possível é continuar na polarização que vemos hoje.“ AS FFAA QUE CUIDEM DISSO!

  47. Nessa trajetória da busca de um país mais justo, são fundamentais o fim do foro privilegiado e a volta da prisão em 2a instância. Com esse Congresso essas pautas têm pouca chance de prosperar

  48. Nem um nem outro . Coalizao , pela ordem cronologica: Mourao ate 22. Alfabética :Amoedo, Ciro, Doria, Huck, Mandeta, Moro e Vieira. Com Cidadania, Podemos!

  49. É a velha história de sempre. Como fazer isso com o povinho que colocaram aqui? Eu já desisti da ideia de ver o Brasil se tornar um país sério, no meu tempo de vida.

  50. Os Ministério Público deveria lutar com mais garra contra STF e todos os outros agentes do mal. O que está acontecendo é uma guerra. E, como em toda guerra, há perdas de ambos os lados. Será que o MP não tem nenhuma arma mais efetiva do que tweets amenos? Uma gravação da conversa de um juiz ou político; um documentozinho aqui, outro acolá? Senhores, reajam pelo amor de Deus!

    1. Maria, sinto muito mas o STF é onde tudo desagua, e é lá aonde se encastelam os rábulas de toga culpados pela perpetuação do establishment dos poderosos.

    2. provas ilícitas só valem se for contra o MP e os mocinhos. Para os bandidões, NEM provas lícitas valem.

  51. Sempre que leio suas colocações tão verdadeiras e lúcidas penso que nesse cenário brasileiro não há condições de isso acontecer. Teria que ter um congresso novo em folha ! Um STF democrático! O que o senhor propõe é o ideal mas é impossível de acontecer. Tem lama demais !

    1. ... Pelo pouco que sei, não é uma "reportagem". ... Uma crônica, um texto, um ponto de vista, uma visão. ... Quanto a ser a "primeira" lúcia, talvez por ser novo no pedação. .. o próprio Dr. Carlos Fernando sempre produz ensaios/ textos que são pérolas em português de fácil entendimento, mostrando todos os caminhos das pedras... Sugiro ler outras "reportagens" do dr. Carlos Fernando. ... Somente uma opinião pessoal.

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO