Carlos Fernandodos santos lima

2022 e a terceira via

19.03.21

A decisão de Edson Fachin de anular as sentenças contra Lula, ao que parece em um movimento para diminuir a pressão sobre os demais processos da Lava Jato no STF, adiantou o objetivo de Gilmar Mendes de trazer o ex-condenado para a arena político-eleitoral novamente. A manobra de um dos ministros mais respeitados do STF, forçada pela insidiosa campanha de Mendes contra a operação, só mostra o quanto nosso sistema judiciário pode ser manipulado pela vontade de um único homem, especialmente um sem limites que, diante da tibieza de seus pares, cospe desaforos e impropérios numa fala apoplética, com os olhos injetados de ódio e beiços a tremer, contra o Ministério Público, contra juízes de primeiro e segundo graus e especialmente contra Sergio Moro, enquanto, ao mesmo tempo, concede dulcíssimas liminares a favor de políticos investigados.

O resultado desta jogada, seja qual for, levará inequivocamente o país a uma polarização política extrema, com a perda de espaço para a composição de um centro democrático que una as forças moderadas de direita e esquerda contra Jair Bolsonaro, hoje a maior força política nacional, mesmo que sua falta de liderança e responsabilidade na presidência tenha resultado em uma crescente pilha de inocentes mortos. A polarização com Lula, pessoalmente ou alguma marionete do PT, é a única maneira de ambos sobreviverem. Enquanto Bolsonaro buscará reaglutinar as tropas anti-PT sob o seu comando para as próximas eleições, Lula tentará a redenção pelo voto popular, mesmo que para isso tenha que enterrar toda a esquerda brasileira sob o lixo da corrupção sistêmica de seu governo. E nós brasileiros, que não participamos de nenhum desses dois cultos messiânicos, não temos políticos de estimação e apenas desejamos trabalhar por um país melhor, seremos vítimas desses dois extremistas.

Isso ocorre não porque o centro não tenha candidatos viáveis, sejam eles Moro, Luiz Henrique Mandetta, João Doria ou Luciano Huck (alguns falam até mesmo em Luiza Trajano, da Magalu), mas porque nosso sistema de dois turnos favorece a fragmentação do centro em uma série de nomes com votações significativas, mas não suficientes para fazer frente aos 20% a 30% que cada um dos extremos possui. Nem estou falando em Ciro Gomes, que, mesmo com o apoio eventual de Marina Silva, vai ser atropelado novamente pelo Partido dos Trabalhadores, pois a legenda sabe que a liderança da esquerda após o ocaso de Lula passa pela manutenção do poder pelo partido nas próximas eleições.

Sem isso, o destino do PT é virar um partido sem representatividade, colocado à margem dos demais, pois estes se ressentem da egolatria petista. É claro que Ciro pode fazer uma manobra para o centro, colocando-se como opção viável contra Bolsonaro, mas suas manifestações boquirrotas e autoritárias do passado não indicam que tenha habilidade para tanto.

A solução seria, portanto, uma união desses nomes em torno daquele mais viável, com uma clara mensagem de que “Eles não” podem mais governar o Brasil, forçando uma disputa tripla já no primeiro turno. O candidato de centro então, caso passe para o segundo turno contra Bolsonaro ou Lula, terá uma real possibilidade de vencer a eleição presidencial, pois os centristas e moderados são a maioria ainda de nossos eleitores. Nem Bolsonaro nem Lula representam novidade e não têm capacidade de entusiasmar, pois todos sabem quem eles são. Ambos se alimentam do ódio de um pelo outro, sendo apenas representantes de um passado que a maioria dos brasileiros reconhece como nefasto, seja a genocida omissão de Bolsonaro na condução da pandemia, incentivando comportamentos de risco, negando vacinas e promovendo remédios ineficazes, seja a corrupção sistêmica e organizada a corroer toda a máquina pública do governo Lula, o que o mensalão e a Lava Jato revelaram inequivocamente.

Sergio Moro é hoje o único desses candidatos que já bate Bolsonaro no segundo turno. É um nome forte, mas que une contra si tanto os radicais bolsonaristas, como boa parte da esquerda. Não seria de espantar que em um eventual segundo turno contra Bolsonaro uma parcela significativa dos petistas votasse, envergonhada, mas firme, no atual presidente. Além disso, Moro não é político efetivamente, tendo a sua curta passagem pelo Ministério da Justiça lhe trazido o gosto amargo da desilusão com a classe de políticos profissionais que realmente comanda o país. Falta a Moro – talvez seja ainda cedo para isso – assumir a sua posição como candidato e construir uma base forte de apoio, com gente hoje interessada em ajudá-lo, mas totalmente dispersa por ausência de comando. Talvez o ex-juiz não tenha apetência para o passo e, neste ponto, posso dar meu testemunho de mais de 20 anos de convivência de que ele nunca demonstrou qualquer interesse em se tornar político. As pessoas são levadas a caminhos que nunca imaginaram percorrer, especialmente quando confrontadas, mas Moro pode optar por se retirar dessa arena.

Temos então outro não-político, Luciano Huck, sempre mencionado como um pré-candidato à presidente. Na verdade, salvo por sua figura pública como apresentador de sucesso na televisão brasileira – e por ser casado com a Angélica – pouco se sabe a respeito do que pensa e de como se posiciona diante dos grandes temas nacionais. Muitas vezes, isso pode até ser útil, pois o candidato pode mentir sobre si e sobre suas ideias, adequando a sua fala ao que desejam ouvir. Assim foi com Bolsonaro, que usou e abusou desse estelionato eleitoral, principalmente se dizendo favorável ao combate à corrupção – o que se revelou, com a descoberta da “rachadinha” nos gabinetes parlamentares da família, uma mentira. Huck tem que mostrar a que veio, delimitar suas propostas para que sua consistência possa ser avaliada. Neste momento sua popularidade parece estar mais localizada nas classes D e E, que não são as classes que compõem o centro democrático tradicionalmente, e será um desafio para ele conquistar este último.

Por sua vez, Mandetta foi uma grata surpresa na condução firme do Ministério da Saúde no começo do governo Bolsonaro. Mostrou-se, apesar de político, capaz de assumir a responsabilidade pela imposição de medidas firmes e impopulares para o enfrentamento da pandemia da Covid-19. Uma das características de nossos políticos – fora a falta de grandeza e espírito público – é a ausência de coragem para fazer o que for necessário em momentos de dificuldade, mesmo que isso lhes custe apoio popular. Nossos políticos tradicionalmente apenas empurram os problemas para os próximos eleitos, fazendo o mínimo possível para o que o paciente – nesse caso, o Brasil – não morra, pois isso mataria a galinha dos ovos de ouro que os mantêm. Mandetta representaria ainda um nome mais palatável ao atual sistema político, pois vem de um partido com forte presença parlamentar, além de ter sido ele próprio deputado federal por dois mandatos; tudo isso certamente o faria ser visto como o nome capaz de “tranquilizar” o país. Isso, entretanto, pode significar poucas mudanças efetivas.

O quarto nome hoje na disputa é o do governador João Doria, que se mostrou também competente nesta pandemia, pois se hoje temos vacinação, mesmo que lenta e insuficiente, foi graças ao seu comando junto ao Instituto Butantan. Além disso, é um político profissional que pertence a um partido com quadros sólidos, com história de sucesso em outro momento de crise nacional, a hiperinflação dos anos 80. Não é um candidato que pessoalmente entusiasme, mas possui capacidade política reconhecida para construir um governo funcional. A sua polarização com Bolsonaro durante a pandemia pode ser vista por muitos como eleitoreira, mas certamente foi um dos principais fatores que levaram o governo federal a minimamente trabalhar pela aquisição de vacinas. Se não fosse Doria – e veja a situação desesperadora que nos encontramos –, não teríamos nada a oferecer para a população além de cloroquina e outros engodos.

Outros nomes podem vir a surgir, como o próprio João Amoedo, do Partido Novo, que teve uma votação bastante surpreendente na eleição passada, ou mesmo a empresária Luiza Trajano, já mencionada em algumas publicações. Mas o centro democrático precisa superar as vaidades, criar um ambiente de diálogo e negociação para compor um projeto de unidade para evitar o pior dos mundos, que seria um segundo turno em 2022 entre Bolsonaro e Lula. O Brasil precisa de reformas profundas, mas nenhum dos extremos será capaz de as oferecer justamente por serem sectários e excludentes.

Creio que ninguém pode se iludir quanto à viabilidade de se impor mudanças significativas na forma como se faz política no Brasil, sem que haja o compromisso de construção de um governo de pacificação nacional, que reconstrua o arcabouço do combate à corrupção, que restaure a independência das instituições e que tenha capacidade de ouvir e compor interesses visando ao melhor para o país. Não podemos perder outros dez anos insistindo na política do “nós contra eles”. Nossos filhos e netos não merecem pagar por mais esse erro.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

Só R$ 1,90* no primeiro mês

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

*depois, 11 x R$ 14,90

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Felipe Moura Brasil, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Nossos netos, infelizmente viverão numa terra arrasada onde corruptos poderosos ,sempre privilegiados, continuarão comando essa terra sem futuro promissor. Lamentável.

  2. Mais um excelente artigo do Carlos Fernando. O centro democrático precisa se apresentar já e mais fortemente. Senão... as próximas gerações pagarão um preço ainda maior pela sua incapacidade. Ah!, eu compraria de olhos fechados um carro do Moro, do Dallagnol ou do Carlos Fernando. E não compraria nem uma bicicleta das mãos do Gilmar, da Carminha ou do Lewandowisk.

  3. Muito boa análise quanto a Gilmar Mendes. Esperamos, nós os desalinhados, que as lideranças políticas, independentes desses dois caminhos nefastos-bolsonarismo e lulismo-, consigam um consenço e tenhamos possibilidade concreta de ir para um segundo turno em 2022 e, então, darmos um basta a esses extremos e, principalmente, a esses messianismos.

  4. Comentário lúcido. É isto que penso mas fora dos extremos estamos sem liderança. E para os extremos direita ou esquerda,não importa quanto maior o acirramento melhor. Uma candidatura de centro bem arquitetada poderia trazer um Congresso melhor. E a única maneira de trazer de volta a luta contra a Corrupção. Ou vou achar que todas as passeatas de que participei e panelas que bati foram em vão , por que os corruptos são mais fortes.

  5. Uma terceira via não é uma opção para salvar o país, pois um homem não governa só. Apesar do massacre realizado pelos governantes, culpando os servidores pelos seus desgovernos, a máquina ainda funciona, o que acabará em breve. Aí sim veremos um país afundar, servidores mal pagos e possibilidade de terceirização de atividades públicas abrirão portas para um nepotismo desenfreado. Hoje estão destruindo os servidores, amanhã serão os membros do MP e os magistrados. Ou mudar geral ou não funciona!

  6. Esse texto, lúcido e preciso, é um verdadeiro alento num momento em que estamos mergulhados na desesperança. Terceira via na veia!

  7. Como pode uma ministra do STF mudar o voto dado em 2018 sem que houvesse nenhum fato novo, a não ser as mensagens roubadas dos procuradores? O crime organizado venceu a desorganização da sociedade brasileira, no momento mais preocupada em sobreviver à uma doença que mata pessoas como moscas.

  8. Moro foi parcial na a Lava - Jato, é culpado por cancelarem justamente pra processos. Está tanto a direita quanto o Bozo e mal sabe escrever português.

    1. Rssssss.... Estulto, pândego e néscio... da tempo para procurar o significado no google até o próximo comentário

    1. Sim. Eduardo Leite é um nome que surge. Vale a pena lhe conceder espaço, pelo menos, pra mostrar suas ideias e dizer a que veio.

  9. Meu candidato será Dr Moro ou Mandetta em segundo plano,Dr Carlos Fernando disse tudo sobre o Gilmar ,porém digo ele vai beber do próprio veneno como dizia São Bento aquela ave negra que o envernizava.

  10. O meu candidato a Presidente é o SERGIO MORO. Caso abdique da candidatura, tão esperada por todos os brasileiros de bem, só apoiarei outro candidato se tiver o apoio dele. Pedro Geraldo

  11. Excelente artigo. Bolsonaro sempre quis e trabalhou para lisso, ter Lula como seu adversário no segundo turno. Essa tragédia só pode ser evitada pela terceira via.

  12. Excelente comentário como de costume. Se tiver estômago, sugiro que se candidate a deputado/senador nas próximas eleições, precisamos de gente boa lá.

    1. Apoio integralmente. Precisamos de Carlos Fernando pra ajudar a higienizar a política brasileira. Tem meu voto!

    2. Proposta interessante, Francisco. É de pessoas íntegras, honestas e probas como o Dr. Carlos Fernando, que nós precisamos eleger. Torço para que ele aceite, assim como vários outros, pois pessoas honestas como ele no Congresso são figuras raríssimas e estão morrendo. Haja vista o caso do Major Olímpio. Precisamos eleger alguém para combater as malandragens de políticos desonestos, que pululam no Congresso, que poucos como o Major Olímpio o faziam.

  13. Como sempre, uma excelente análise da nossa conjuntura. Sim, nós do centro que somos maioria, não Centrão dominado por mafiosos como Arthur Lira, Ciro Nogueira, Roberto Jeferson entre outros, temos que nos unir, para mandar esses canalhas aproveitadores, falsos salvadores da pátria, para mandá-los para o valhacouto de marginais de onde nunca deveriam ter saído.

  14. O nobre colunista, quando fala do Doria e seu partido sólido que derrubou a inflação ( tudo verdade), esquece de mencionar, a benevolência do STF, Gilmar Mendes e a própria lava jato com medalhões do PSDB, que cometeu os mesmos erros do PT, em proporções menores mais proporcionalmente ao que governava, ex: São Paulo - Rodo anel, metro, Paulo Preto e etc... Parana- Beto Richard MG- Administrações alternadas (PSDB e PT) , e as estatais como pano de fundo (Cemig, Furnas ...) GO- Marconi Perilo

  15. ... a dificuldade da terceira via é definir a "cabeça da chapa" - que no meu entender deveria ser, pela credibilidade, ativos e qualidades pessoais, o Moro -, no entanto seria jogá-lo aos leões. Temos nomes de políticos comprometidos com o Pais que precisariam se somar, inclusive os citados acima, com exceção do Ciro - não confiável -, para formar uma frente na campanha e no próprio governo, formando um "esquadrão" com forças suficientes para enfrentar o que não conseguirmos eliminar pelo voto.

  16. Matéria analítica e reveladora de dois pontos a serem destacados: -há sim candidatos em condições de aglutinar uma proposta centrista competitiva tanto no primeiro quanto no segundo turnos; -será preciso uma união de propósitos sem deixar prevalecer as vaidades, lembrando que as intenções de votos no BR se dividem regionalmente e que requer escolhas que atendam esse fenômeno. Em frente, atentos a outros nomes que poderão surgir com força até o final deste primeiro semestre de 2021.

  17. Ótimo texto, muito sensato. Temos chance de nos livrarmos deles, mas não vai ser fácil. Depende de cada um de nós.

  18. Caro Sr Carlos Fernando, tenho os mesmos sentimentos que o Sr, se não houver uma união forte de candidato de centro, com apoio geral de todas as forças não extremistas, vai ser um desastre!!!

  19. Concordo! Não podemos insistir neste triste e destrutivo nós contra eles. Temos de encontrar esta terceira via.

  20. Aconselhe o Moro. Diga à ele para seguir no caminho da coragem e da bravura. Afinal de contas, ele não tem mais nada a perder, porque já deu sua cara ao tapa. Falta-lhe apenas estapear os agressores pelas urnas. Se FHC foi um presidente acidental, Moro também pode ser.

    1. Coragem MORO tem. O que eu não sei, é sua disposição de lutar, depois de tantas decepções.

    2. Coragem MORO tem. O que eu não sei, é sua disposição de lutar, depois de tantas decepções.

  21. Dr. Sérgio Moro, Presidente DR. CARLOS FERNANDO dos Santos Lima, JUSTIÇA. Dr. Deltan Dallganol, PGR General Santos Cruz, Defesa

  22. Carlos, mais um belíssimo texto. Comungo 100% dele. Acredito que Moro não deveria embarcar como candidato, mas poderia se engajar em propostas anti-corrupção, poderia ser indicado a uma cadeira no STF. Precisamos de opção de centro que mobilize as forças políticas e econômicas para fazermos as reformas estruturantes que precisamos no Brasil.

  23. A raiz do insucesso do país é o sistema político. Por mais que haja renovação, a mesmice de sempre. Isso, porque o ambiente tóxico se sobrepõe a qualquer outro que seja cultivado. Sem reforma política, o "faz de contas", permanecerá nos três poderes da república.A classe política não sobrevive sem corrupção.O destino sem ela seria a inanição.O país é a cauda, o objeto para eles construírem seus projetos políticos. A Constituição, apelidada de cidadã, foi uma fraude. Fortaleceu o congresso.

  24. O esquema já está montado. Anotem aí idiotas: Lula vai ser presidente de novo. Eles vão fraudar as eleições com a ajuda dos podres do STF. De nada adianta 3a via. Só não percebe quem não quer.

  25. Corretíssimo! Mas existe no meio do caminho de uma reconstrução nacional, uma reflexão angustiante: as altas cortes de justiça e seus descaminhos, que tiram dos trilhos todos os vagões de boas intenções, levando-os aos precipícios da ruína e do descrédito.

  26. Preciso diagnóstico do atual quadro político nacional, dr Carlos Fernando. Só faltou, em minha humilde opinião, a menção aos nossos "honoráveis" congressistas (deputados e senadores) que não levam adiante os inúmeros pedidos de "impeachment" desse nefasto ministro do supremo ao qual o senhor se refere. É muito pedir ao digníssimo dr Moro que se imiscua nessa podre política nacional, mas precisamos de alguém de bem como ele para tirar o país do lamaçal profundo no qual há muito se encontra.

  27. Well...em alguns casos ferroviários a terceira via resolve a situação do escoamento da carga, liberando as outras duas vias principais para tráfego com maior velocidade...se esta analogia sem pé nem cabeça for válida poderemos ter resultados indesejados...

  28. Moro no Senado, CF. Preparando a mudança, urge a necessidade, do BR rumo ao Parlamentarismo. Trabalhemos isso e nisso. Não surgirá nome, ou nomes, que polarizem a ignorância do eleitor brasileiro a tempo de "salvar" o país desses "estrupiços". Afinal, o brasileiro que furta coisinhas nos supermercados, que estaciona em vagas de idosos e deficientes, que espirra na sua cara,que "fura-fila" e se gaba de deslizes não merece melhor do que o lulobozismo. É isso. Alvaro Costa (@brasilia_urgente)

    1. Concordo em gênero e grau, parlamentarismo e foros populares apartidários na fiscalização de metas e práticas. Nova constituição. Interesse nacional acima de tudo.

  29. O Procurador, como sempre, sóbrio, inteligente, analítico e objetivo. Concordo, inteiramente, com sua avaliação do panorama político atual e da dificuldade de viabilizar uma 3ª via em razão dos interesses antagónicos e vaidades pessoais que caracterizam nossas elites, só não consigo enxergar vantagem considerável num possível governo de centro, já que continuaríamos submetidos ao império da corrupção e dos políticos profissionais. Só reforma total do Estado tirará o Brasil do caminho do abismo.

  30. Excelente análise. Temos de parar de pensar em salvador da pátria. Até Hollywood parou com essa estória de único herói. Quem salvou o universo foi uma equipe, Avengers ou Liga da Justiça. Não será Moro o salvador, assim como não foi Lula ou Bolsonaro. Quem pode ajudar será a equipe junta, Moro, Dória, Henrique Meirelles, Mandeta, Huck e etc. Deveríamos iniciar a campanha para que todos se juntassem publicamente, deixando vaidades de lado, em prol de tentar unir o Brasil e exluir os extremistas.

  31. As ações de Dória, do uniforme de gari ao antagonismo bolsonarista, passando pelo bolsodoria, são todas políticas, não tenha dúvida disso. Sobre Luiza Trajano, empreendedora de sucesso e uma capitalista na prática, é, essencialmente, uma esquerdista, não uma figura de centro, como foi pintada aí. Apesar de defender o socialismo, o que a esquerda ama mesmo é a posse, o controle de tudo, principalmente da grana.

  32. Nós, brasileiros , temos o péssimo hábito de elucubrar diariamente o futuro. Somos ‘Madames Beatriz’ não remuneradas. Fazemos adivinhações por puro gosto e vicio. O futuro é tecido no presente. Um truísmo elementar. Bolsonaro , Lula, Beiçola e muitos outros parvos, não resistirão a ações do Congresso minimamente comprometido em barrar a barbarie, em salva-pele de deputados e senadores acossados. Precisa desenhar? Trabalhemos pois no presente: luto, desejo, quero, faço, etc etc.

    1. Sempre concordo com as teses do ex-procurador e até concordo com essa, exceto pelos nomes de Dória e Mandetta, que ele vê com bons olhos. Eu, não, Doutor, com a devida vênia.

    2. Também me impressionei com isto! Me pergunto, será que enxergo tão deturpada a realidade...??

  33. Já disse em outro comentário. Se continuarmos votando em Renans, Arthurs, Botafogos et caterva para o Congresso, de nada adiantará ter um Moro, Mandetta, Huck ou qualquer outro na Presidência!!! Pobre Brasil!! Acorda!! 😢😢😢🇧🇷🇧🇷🇧🇷

    1. Maravilhoso texto .A frase com o ministro verme tremendo os beiços de ódio , foi muito feliz. Texto deveria ser reproduzido nos grandes meios de comunicação . Porque não também o Senhor Carlos Fernando , se engajar nessa disputa. A sua figura, junto ao Dr Moro seria impactante 👏👏👏👏

  34. Estamos, realmente, diante de um cenário preocupante, pois as incertezas remetem a sociedade cívica para o quadro das desesperanças.

    1. Joaquim Barbosa JAMAIS!!! A arrogância personificada, um ex presidente do STF que bateu na mulher? Se ele se candidatar vou juntar a mulherada toda para fazer campanha contra ele em todas as redes sociais. ELE NÃO SERÁ ELEITO. NÓS NÃO DEIXAREMOS!!!!! Melhor nem candidatar para não passar vergonha.

  35. Valeu, histórico competente, uma visão apropriada da realidade do momento. Esperamos que certas lideranças, empresariados, instituições de bem, consigam articular uma solução plausível na 3ª via.

  36. Será difícil domar o egos dos principais candidatos pra se formar a candidatura viável contra Lula e Bolsonaro, que farão de tudo pelo poder, principalmente pra garantir o foro privilegiado

  37. Nem Lula nem este um que ai está. Um milagre se faz necessario para sairmos dessa polarização. Sergio Moro combina mais com STF. Quanta perseguição vem sofrendo o ex juiz, Deus do céu! Rezo muito por ele.

  38. Caro Carlos Fernando, parabéns pela análise perfeita do quadro político nacional. Agora, a maioria do povo brasileiro quer mesmo é Moro2022; Carlos Fernando 2022 ( ao governo ou Senado pelo PR); Dallagnol 2022; etc. Sua contribuição à compreensão dos fatos tem sido valiosa, mas é preciso ousar mais; sonhar com outro Brasil. Para tanto. Milhões de brasileiros podem cerrar fileiras em busca desse sonho. Por favor, é tempo de organizar a reação genuína do povo de bem deste país! Avante, Moro 2022.

  39. Moro como terceira via? Mais um salvador da pátria? Escolha ingênua, ilusória!. Moro foi vital na magistratura, corajoso. Parabéns! Mas não tem perfil político. Nem carisma jto ao populacho. Seria engolido pelos opositores. Pode ser eleito mas não governa. Ao eleitorado falta pragmatismo. Analisar circunstâncias. Acima da vontade, viabilidade. Acima da ideologia, caráter. Projeto viável e abrangente de governo. Apoio para governar. Saber negociar. Experiência administrativa.

  40. Somente Moro inspira confiança e se o centro quiser sobreviver à hecatombe do #elesnão, deveria apoiar a candidatura do Sr Moro.

  41. A saída é essa mesma, uma frente ampla em torno de eixos programáticos, sendo o basilar a democracia. O meu nome preferido é o Moro, mas aceito qualquer outro desses citados. Apesar da ciclotimia de Ciro, ele seria um ator muito importante nessa coalizão, e seguramente, nos nomes colocados, é o que tem mais "rudeza" necessária para enfrentar a baixaria de Bolsonaro e Lula.

  42. Bom ler algo que nos esclareça nesse momento confuso e difícil. O Dr Sérgio Moro teria meu voto, mas como o sr disse, ele aparenta não querer (no que está certo). Só sei que voto em qualquer um, menos em Bolsonaro e Lula (nem Ciro Gomes)

  43. Perfeito como sempre suas análises estão corretas. Entretanto, creio estarmos longe de uma união de centro em prol do progresso do país e a razão é bastante simples, nos falta moral, ética, etc., para esta consenso. Infelizmente meus netos e bisnetos ainda não contemplarão um projeto de país.

  44. Como é bom ler um texto lúcido e realista. Se essa 3a via não surgir, estamos ferrados. Dória pode não ser o ideal, mas é de longe o melhor nome e mais bem preparado. Muitos criticam chamando-o de "marketeiro". Se esse for o maior defeito dele, que benção. Melhor ter um marketeiro que faz alguma coisa do que ter que escolher entre um sociopata e o maior corrupto da história do Brasil. O problema é que o centro não terá a humildade de se unir em volta de um único nome .. e dane-se o Brasil ..

    1. Claros e objetivos. Mas nós, os outros 30%, precisamos nos unir para dar esse suporte. Precisamos de uma liderança.

  45. Dr Carlos Fernando, de todos os possíveis candidatos relacionados pelo senhor, o único em quem eu votaria seria o Dr Moro, apesar de saber de seu desconhecimento da "marolas da política," Agora, ganhe quem ganhar, com esse sistema de presidencialismo de coalizão, o Brasil é ingovernável. O Parlamentarismo Distrital Puro, seria, no meu entender, muito benéfico para o país. Mas, com esses políticos que ai estão, já não acredito em mais nada,

  46. Acho que a análise foi impecável. Para mim Moro é o único que pode inspirar a verdadeira mudança. Mas ele só inspira. O povo brasileiro é que deve tomar as rédeas e exigir as reformas necessárias.

  47. Que apareça essa terceira via, por favor! Se sobrarem apenas esses dois lixos, eu votarei nulo pela primeira vez, nem saio de casa.

  48. Mandetta??? Médico no Ministério da Saúde,três meses após a notificação no vírus pela China, permitiu o carnaval no Brasil!!!!! Estamos em um EXPERIMENTO CIENTÍFICO SOCIAL E POLÍTICO mundial e ele reza no altar da ciência da urgência. Ciência não atende ciência ou político. Populismo puro!!!! Lidam com o país como de não houve desigualdade social, aqui! Lockdown alemão, educação remota japonesa e campanha de vacinação inglesa como estratégia de combate à SINDEMIA no Brasil??? E o caos, claro!!!

  49. Otima análise. Eu sou entusiasta de uma mulher. A Dama de Aço, Maria Silvia Bastos Marques, poderia até encabeçar uma chapa, com o Sergio Moro como vice. Ou ela como vice do Moro. Seria uma candidatura com às virtudes da competência administrativa, e do combate à corrupção.

    1. Excelente capacidade de síntese e clareza de ideias, parabéns pelo texto.

  50. Prezado Carlos Fernando Novamente recebemos sua análise e visão do nosso contexto político atual e, com a sua fineza e clarividência, nos mostra que nem tudo está perdido, neste lamaçal de conchavos, acordos espúrios e passa moleques, a que somos submetidos diariamente e cada vez mais DESCARADAMENTE. Obrigado por nos trazer algum alento.

  51. A Terceira Via é a única saída ao centro do equilíbrio, entre esses exemplos extremos populistas do passado e totalitários futuro, para realmente sermos uma república Democrática e não a atual Cleptocrática que estamos vivendo.

  52. A opinião do cronista tem peso, por isso, deveria pensar o que diz. Mandeta, um político hipócrita, que menospreza os protocolos que ele próprio prega com veemência. Dória, um "gestor, não político", ávido por poder, capaz de abandonar seus aliados por um enfático "bolsodoria". Hulk, bem, esse me remete ao ex-presidente argentino, sempre. Famoso e sem rumo. Moro, este é o nome. Só é preciso discutir o vice. E parem com essa coisa de "gado", isso ofende o brasileiro que abraçou a Lava-jato.

  53. C. Sem esperança. Sem soluçāo. O foco deveria ser o combate à impunidade e à corrupçāo, mas isso nāo ocorrerá de fato. Em 2022, assistiremos, desalentados, mais do mesmo. Apenas palavras vazias soltas ao vento, sem perspectiva de passar da reflexāo à açāo. Sinto muito.

  54. Gostaria muito que o Sr. Luis Fernando fosse comentarista do Papo Antagonista. Ele daria uma esquentada no programa que anda meio lento desde a saída do ótimo Felipe Moura Brasil.

  55. não vejo este texto como bom...tem que melhorar muito para ser bom...o único nome citado que merece respeito é o do Excelentíssimo (esse sim é excelentíssimo) Ex Juiz Sérgio Moro...reserva Moral dessa nação....Quem sabe Uma dupla Moro / Dalangnol ou até o próprio Carlos ou Janaína, vai saber, o resto é tudo bandido...pelo amor de Deus...parem com esse Mandetta, campo grande conhece bem ele e sua família...pesquisem antes de escrever.... Huck, meu Pai, o cara é um malandro...bom eu voto Moro...

  56. Em 2022 SÉRGIO MORO “PRESIDENTE LAVA JATO PURO SANGUE!” O Brasil finalmente terá Um Governo Fundado no “IMPÉRIO DA LEI!” Não seremos LUDIBRIADOS com o “Velho Plano de MELHORAS na ECONOMIA!” Triunfaremos! Sir Claiton

  57. A terceira via é o aeroporto. Após a redemocratização não tivemos nenhum presidente que prestasse. O único que chegou perto disso herdou o legado de Itamar Franco e sua coragem de acreditar no Plano Real e nos brindou com essa excrecência de segundo mandato. A única maneira de consertar esse país é exigindo mudança na legislação eleitoral com implantação do voto distrital, puro ou misto. Se isso não for feito qualquer presidente, por melhor que seja, sempre será refém de um Congresso de ratos.

  58. Um fator determinante não pode passar despercebido nessa disputa presidencial, a eleição de deputados federais e senadores. De nada adianta um presidente decente e capacitado se continuarem sendo eleitos congressistas corruptos, que legislam em causa própria e fazem da política meio de vida. Já vimos como o congresso é capaz de chantagear o executivo em prol de interesses pessoais.

  59. De todos possíveis candidatos de centro , há um que já demonstrou sua capacidade a ponto de entusiasmar a população , colocando-o no topo de apoio popular. .HENRIQUE MANDETTA . Além de médico , tem trajetória política que não o desmerece. Sabe de administração pública e tem carisma para aglutinar ao redor excelentes nomes . Como o Moro, que não tem vocação política mas atuaria com certeza em cargos que promovesse combate à corrupção e impunidade .

  60. Nem Lula, nem Bolsonaro, o Brasil não aguenta mais....chegaremos em 2022 muito desgastados pelo péssimo trato com a saúde, economia, educação, corrupção etc

  61. Na frase "...Luciano Huck, sempre mencionado como pré-candidato à presidente" (SIC) , por favor revejam com urgência esse acento grave. A "Última Flor do Lácio, inculta e bela" agradece.

  62. De todos os nomes citados e apesar da referida inapetência política, Sergio Moro, quer me parecer, é o único capaz de aglutinar forças políticas de centro em torno de um projeto de governo que conduza o país na direção do desenvolvimento econômico e social e que devolva ao povo a autoestima e a esperança de dias melhores, em todos os sentidos. Fico na torcida para que Moro, que sonhou e tentou por fim à corrupção, tente novamente mais uma vez, desta vez como presidente, consertar o país.

  63. Excelente análise. Já o critiquei aqui por ver um ranço esquerdista nos seus textos, mas humildemente peço desculpa. Concordo 100% com as teses apresentadas. Sou de direita mas não teria receio em apoiar um centro-esquerda moderado e combatente autêntico da corrupção. O Moro candidato seria pedir demais a Deus e a ele. Já se sacrificou além do razoável. Mas , se for candidato, vou com ele até o inferno se preciso.

    1. Concordo plenamente. Belíssima contribuição a Crusoé. Excelente texto Carlos. Mas cabe lembrar que você e outros procuradores também são forças que deviam por o nome na arena. Não adianta Moro na presidência e o legislativo com os mesmos oligarcas de sempre. O Sr., Dalagnol e outros deviam se lançar ao Senado. Lava jato no Legislativo para ver se alcançamos a correção do STF. Ainda mais agora que perdemos o Maj Olímpio.

  64. Uma candidatura Moro Presidente e Mandetta Vice, seria imbatível e o melhor dos mundos de todas as eleições que já tivemos. Ainda não fomos proibidos de sonhar.

  65. Como sempre texto lúcido e realista. Tomara que consigamos fugir dos extremos e ter uma país melhor no futuro....

  66. Bravo!! Como sempre excelente texto. Tá difícil um candidato de centro, moro não tem o linguajar popular, doria tem se mostrado excelente gestor mas muito arrumadinho para penetrar no nordeste. Como diz uma amiga Bahiana: o povo nordestino gosta de gente que “sua””.quem pode ser?

  67. Parabens, excelente artigo !!! Eh preciso encorpar a terceira via, para que sejam firmados os compromissos de combate a corrupçao, desenvolvimento economico e bem estar da populaçao.

  68. Excelente artigo. Precisamos trabalhar por um candidato centrista viável e confiável, com um projeto claro de reconstrução nacional e que fortaleça o combate à corrupção.

  69. Passando apenas em um aspecto desse brilhante texto, fico impressionado com a tibieza dos demais ministro do STF que deixam um ministro destruir a reputação de todos.

  70. Concordo plenamente. Alguém terá que assumir a terceira posição, com um projeto de todos que não querem os extremos e queiram o melhor pro pais. É a nossa única esperanca.

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO