Marcos Corrêa/PRBolsonaro acredita que Mourão quer a cadeira dele

Inimigos íntimos

Problemas de convivência entre presidentes e vices não são raros na história do país, mas Bolsonaro e Mourão conseguiram algo inédito: se odiarem desde o início. Hoje, a relação está em seu momento mais crítico
19.02.21

A República brasileira já foi palco de conflitos figadais entre presidentes e seus vices, o que contribuiu, ao longo da história, para conferir um certo grau de entropia à relação. Não faltam casos de conspiração, traições e profundas discordâncias políticas. O primeiro vice-presidente republicano, Floriano Peixoto, a quem era atribuída a alcunha de “esfinge”, foi de aliado na Proclamação a traidor dois anos depois, ao conspirar abertamente contra Deodoro da Fonseca e preparar o contragolpe de novembro de 1891. Eleito em 1950, Café Filho jamais teria sido vice de Getúlio Vargas se não fosse o estranho processo pelo qual o titular poderia vir de uma chapa e o vice, de outra. Os dois não se toleravam e Getúlio lembrava com nostalgia dos tempos em que governou sem vice — entre 1937 e 1945, depois do golpe de estado.

Já Aureliano Chaves, vice-presidente do último governo da ditadura militar, rompeu com João Figueiredo de olho na indicação de seu partido, o PDS, para ser o candidato dissidente à Presidência na eleição indireta que se avizinhava — Aureliano admitiria, anos mais tarde, que quando a relação se deteriorou teve vontade de “meter a mão” em Figueiredo.  Mais recentemente, Michel Temer, depois de escrever uma carta na qual reclamava da falta de prestígio e se intitulava “vice decorativo”, também trocou de lado e assumiu a articulação pelo impeachment de Dilma Rousseff.

Jair Bolsonaro, se tivesse de escolher hoje, faria como Getúlio no Estado Novo: governaria sem vice. Como Hamilton Mourão não pode ser demitido, e não há um golpe de estado em marcha, resta ao presidente tentar boicotá-lo de todas as formas. Em 2020, o presidente só esteve a sós com Mourão em seis ocasiões. Este ano, não há registro de encontro entre os dois. Bolsonaro desconfia de seu vice desde meados de 2019, ou seja, desde o primeiro ano de mandato, algo inédito na redemocratização. Embora Itamar Franco e Temer tenham entrado em rota de colisão com Fernando Collor e Dilma na reta final de seus governos, o clima na largada era de simpatia, quase amor.

Delfim da CâmaraDelfim da CâmaraFloriano Peixoto ajudou Deodoro a proclamar a República e, depois, o traiu
Com Mourão, não. O general da reserva nunca foi o plano A nem o B de Bolsonaro para compor a chapa. A definição afunilou para o seu nome depois que um dossiê contra o preferido do então candidato ao Planalto, o “príncipe” Luiz Philippe de Orleans e Bragança, chegou ao conhecimento de Bolsonaro. As denúncias envolviam aspectos da vida pessoal dele. Uma das informações constantes do papelório afirmava que ele agredia mendigos.

O general, embora não fosse o predileto, tinha um handicap — e foi aí que ele superou a jurista Janaina Paschoal e o ex-senador Magno Malta, as alternativas preferenciais de Bolsonaro. Sua presença na chapa foi encarada, inicialmente, como um seguro contra o impeachment. Notório por enxergar conspirações e inimigos por todos os lados, Bolsonaro já se candidatou temendo ser apeado do cargo por um processo de afastamento.

No total, oito vice-presidentes assumiram o país, dois deles depois do restabelecimento da democracia. E isso atormentava o então candidato do PSL. Àquela altura, no entanto, o militar natural de Porto Alegre, conhecido por seus arroubos inconsequentes — num deles, considerou legítima a possibilidade de um autogolpe — não representava uma ameaça para Bolsonaro.  “O establishment nunca vai aceitar Mourão como presidente”, disse ele durante uma conversa na casa do empresário Paulo Marinho, no Rio de Janeiro, que funcionou como uma espécie de comitê informal da campanha.

ReproduçãoReproduçãoItamar Franco se indispôs com Collor na reta final do governo
A percepção mudou quando Mourão passou a falar e a agir como se fosse um contraponto a Bolsonaro. Ao adotar um tom moderado e exibir estilo pacificador, não raro contrariando o presidente publicamente sobre temas sensíveis, o vice começou a ser visto de maneira mais complacente pelos meios empresarial e político, incluindo a oposição. Já para o Planalto, Mourão se articulava claramente como alguém interessado em fazer sombra a Bolsonaro.

Em 13 de novembro de 2019, durante uma reunião com parlamentares do PSL no Planalto, Bolsonaro expôs pela primeira vez sua insatisfação. Dirigindo-se a Luiz Philippe de Orleans e Bragança, desabafou: “Você deveria ter sido meu vice, e não esse Mourão aí. Eu casei, casei errado. E agora não tem mais como voltar atrás”. Na primeira semana daquele mês, no entanto, o presidente já havia feito um movimento mais calculado. Conforme apurou Crusoé, ele chegou a consultar informalmente o então advogado-geral da União, André Mendonça, durante um encontro no Planalto, sobre a possibilidade de ser tomada alguma medida contra Mourão. Diante da resposta negativa, Bolsonaro resignou-se. Ali, no entanto, tomaria uma decisão irremediável: procuraria um novo vice para 2022.

A história ensina que o relacionamento em permanente sobressalto entre o presidente e o vice nem sempre resulta em boa coisa. Depois de tramar o contragolpe contra Deodoro, por exemplo, Floriano manietou o Congresso, decretou estado de sítio e censurou a imprensa. Ao romper com Getúlio em 1954, Café Filho não teve sossego, por ter seu nome relacionado ao que se considerava uma conspiração contra o titular do cargo. Após sofrer um ataque cardíaco, o presidente licenciou-se e repassou o cargo ao então presidente da Câmara, Carlos Luz, em novembro do ano seguinte — logo depois, houve uma sequência de dois estados de sítio. Na contramão, a solução Temer foi necessária num momento em que o país estava prestes a se inviabilizar política e economicamente.

ReproduçãoReproduçãoMagno Malta chegou a ser cotado como vice de Bolsonaro
Mourão nunca disse aberta e claramente sobre o que acha do instituto do impeachment. Mas recentemente deu pistas ao afirmar ser “óbvio que se o presidente colocar em risco a integridade do território, a integridade do patrimônio, o sistema democrático e a paz social, ele tem que ser parado pelo sistema de freios existente”. Não avançaria esse sinal se a convivência com Bolsonaro não tivesse degringolado de vez. Antes da posse, Mourão dizia que queria ser uma mistura do temperamento de dois vices: Aureliano, aquele mesmo que pensou em bater no titular do cargo — talvez o general da reserva não soubesse disso —, e Marco Maciel, o vice super discreto de Fernando Henrique Cardoso. Como ainda faltam quase dois anos para o fim do governo, e eles serão longos, ainda não é possível afirmar se ele cumprirá o objetivo.

Hoje, pode-se dizer que a relação do vice com o presidente experimenta o seu momento mais crítico. Para além das desconfianças sobre o comportamento do general, Bolsonaro passou a considerá-lo um inimigo. Recentemente, comparou Mourão ao conceito popular atribuído à “sogra”, alguém que ele precisaria aturar porque não haveria outro jeito. No gabinete presidencial, seus auxiliares costumam se referir ao vice como Walter Casagrande, uma referência ao ex-jogador de futebol conhecido por fazer comentários polêmicos sobre temas dos mais diversos.

O presidente ainda não engoliu o episódio do fim de janeiro envolvendo um assessor de Mourão, revelado pelo repórter Diego Amorim, do Antagonista. Ricardo Roesch Morato Filho trocou mensagens com o chefe de gabinete de um deputado na qual eles tratavam da hipótese de o vice assumir no lugar de Bolsonaro. “Eu tenho conversado com os assessores de deputados mais próximos é bom sempre estarmos preparados. (…) Sabe que Mourão dividiu a ala militar. Antes, Heleno dominava agora estão divididos — capitão está errando muito na pandemia. General Mourão é mais preparado e político. Você sabe disso”, escreveu Morato.

Arquivo Pessoal/Paulo AssisArquivo Pessoal/Paulo AssisO jovem oficial Mourão: ele e Bolsonaro se conheceram nos quartéis
O assessor foi demitido no mesmo dia por Mourão, mas Bolsonaro desconfia até hoje que o vice tenha chancelado a articulação. O general nega e reclama reiteradamente do tratamento dispensado pelo presidente. Acredita que poderia ter tido mais protagonismo no governo. O fim da Operação Verde Brasil 2, comandada por Mourão, e a consequente retirada de militares da Amazônia praticamente reduziram a zero as atribuições do vice.

Por decisão de Bolsonaro, Mourão não participa mais das principais reuniões de governo — ele fez questão de não convocá-lo para o encontro mais recente com o seu primeiro escalão. O general também não faz mais questão de comparecer às solenidades públicas no Palácio do Planalto. “Tinha outras coisas para fazer”, justificou Mourão ao ser chamado para uma cerimônia há duas semanas.

Stanislaw Ponte Preta, pseudônimo do escritor Sérgio Porto, dizia que o vice-presidente da República é um político que acorda mais cedo para ter mais tempo de não fazer nada. Mourão sempre quis contrariar essa lógica, Bolsonaro é que nunca permitiu. E, assim, ambos seguem como inimigos íntimos. Até que uma nova eleição — ou um impeachment — os separe.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

Só R$ 1,90* no primeiro mês

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

*depois, 11 x R$ 14,90

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Mourão não deveria ser tão subserviente, tinha que ir pra cima, ocupar espaço deixado pelo JB. exemplo, defender Moro, Bebiano general santos Cruz, general Rêgo Barros etc etc, todos feridos e traídos

  2. Este regime presidencialista já mostrou que não funciona. Seria bom uma reforma partidária com redução do número de partidos para 4 ou 5. E implantação do voto distrital. Com um Congresso reformado e expurgado de corruptos e ladrões seria implantado um regime Parlamentarista com primeiro Ministro eleito pelo Parlamento. No Parlamentarismo pessoas como Collor, Lula, Dilma, Bolsonaro , etc não teriam chance de chegar a Primeiro Ministro e se chegassem seriam afastados sem trauma de impeachment.

    1. Concordo plenamente. Esse presidencialismo de coalizão não vai dar certo nunca, mas tem q fazer uma coisa q não acredito q vá acontecer - PRIVATIZAÇÃO. Sem ela a bandalha continua. Mas sempre será melhor o parlamentarismo do q o presidencialismo.

  3. Bolsonaro e Mourão inimigos íntimos, kkkk! Queria ver a cara dos dois depois de ler essa porcaria maliciosa de matéria! Fala sério, nessa edição semanal a Crusoé se superou nas asneiras para os ignorantes de plantão! Jesus

  4. Bolsonaro é o retrato do homem medíocre, que desconfia da própria sombra, tem baixa-estima e acredita em teorias da conspiração... Mourão está longe de ser o ideal, mas é infinitamente superior ao Bolsossauro...

    1. Concordo com seu comentário Suzane. Bolsonaro tem o típico comportamento de um ser medíocre e usa tudo que pode para esconder isso.

  5. Materia maliciosa, especulativa e intrigadora com tom, mal disfaçadamente, conspirador. E óbvio. Basta ler o Editorial desta edição do responsável pela revista, Diogo Mainardi. "Vamos devagar com o andor que o Santo é de barro". O golpe de 1964 começou assim.

  6. Já dizia o grande José Ingenieros: “ O medíocre sofre duplamente..pelo seu insucesso e pelo brilho alheio... nada mais perigoso em uma mediocracia do que aquele que aspira pensar com a própria cabeça “... E ele viveu em fins consecuções XVII ...

    1. Eu acho que você errou na escolha seria melhor Luiz Inácio Lula da Silva e Maria do Rosário.

  7. Gostaria de lembrar ao gado da Crusoe que com militares a fofoca não tem muita força. Quantas tentativas da Crusoe para deixar uma imagem de intriga entre o Presidente e o Vice. Já deu pra notar Canalhada Crusoe...

  8. Alberto (Belém-Pa). Mourão não superou a jurista Janaína Paschoal para ser indicado à vice-presidência da República na chapa de Jair Bolsonaro como diz o nobre articulista. O que ocorreu foi que Janaína não aceitou ser candidata a vice na chapa de Bolsonaro porque, segundo ela, o cargo de vice-presidente da República demandaria mais tempo em Brasília, o que dificultaria a conciliação com seus afazeres acadêmicos e isso acabou influenciando em sua desistência para compor a chapa de Bolsonaro.

    1. Tive a informação que uma senadora gaúcha também recusou o convite. É verdade?

    1. Morão só tem uma retórica mais civilizada, mas é tão autoritário quanto Bolsonaro. Considera que a ditadura foi ótima e seu heroi é o mesmo do presidente: o cel Brilhante Ustra. Melhor é que os militares se afastem da política, como manda a democracia.

    2. Não acredito que o Mourao tenha têmpera e atitude para administrar o país, infestado de ratos e com aparelhamento fortissimo de esquerda. Prova que, incumbido de coordenar o descalabro na mata amazônica, não teve ação e nem atitude para coibir o abate de árvores e as mineradoras, embora já despretigiado e abandonado pelo MITO,que não lhe deu apoio. Hoje li no Estadão, o Mourão pregando HOSSANAS, ao decrépito presidente, revelando falta de perdonalidade,embora não se discuta sua cultura.

    3. também acho melhor q seja um civil sem vínculos com as FA

    4. Teria que ser agora, através de um impeachment. Em 2022 espero que seja um civil.

  9. Bolsonaro é incompetentemente, limitado de conhecimento e por isso tem ciúmes de seu vice, pessoa inteligente e mais preparada para estar no comando do País.

    1. Pelo jeito só fez o fundamental é-lhe lá FORA PARMITO MALDITO.

    2. Não sabe articular uma frase; acho que só fez o fundamental.

    1. Sim. Foi o.meu caso. Pensei q se o Mourao estava junto, o Bozo não poderia ser tão ruim. Me dei muito mal.

  10. Burrice, limitação intelectual e espírito belicoso são a marca de largada desse presidente em face do vice e de todo povo brasileiro que, na pandemia, já perdeu mais de 250 mil vidas! Neste 19/2/21 ataca a Petrobrás, por razões populistas e vai levar o já combalido país à mesma derrocada que sofreu a Venezuela... Parem esse maluco eleito mediante mentiras e que venha o competente Mourão presidir o Brasil 🇧🇷!

    1. IMPEACHMENT JÁ!!!O país precisa se livrar desse PSICOPATA!!!FORA BOLSONARO!!!

    2. Concordo plenamente Este presidente está cada dia mais descontrolado Acredito que deveria consultar um psiquiatra com urgência Enquanto isto o país vai indo de mal a pior Será que temos salvação ??????

  11. Não se iludam! Mourão é mestre maçom do grau mais alto. O grau 33. Com ele na presidência, o Brasil seria tutelado pela agenda desta ordem secreta. Com a benção de seu deus andrógeno Baphomet! Dá calafrios, só de pensar!

    1. Ora, ora... Mas não é que ainda existem pessoas que acreditam em teorias da conspiração! Hahaha

  12. Mourão é infinitamente mais inteligente e preparado do que Bolsonaro mas ambos são autoritários demais. O Brasil de hoje não convive bem com um presidente mandão, que não dialoga com a sociedade. Essa é uma das razões da queda de popularidade do Bolsonaro.

    1. Thiago, votamos no Bolsonaro porque não queríamos mais ladrões. Mas vamos tirar este traste, porque não queremos um cara burro e sem noção na presidência. Vc entende? Não pode ser ladrão, mas tbm não pode ser tão burro.

    2. Sempre tem um vacilo q mete a esquerda numa discussão da direita, como se quem fosse contra o atual presidente fosse canhoto. Quanta imbecilidade!

  13. Mourão é mais preparado do que o Bozo. Ele já esta com uma idade avançada, é patriota, equilibrado e poderia ajudar muito esta grande nação. Gostaria de ver uma chapa Mourão e Janaina Paschoal ou vice versa para presidencia.

  14. Nenhum dos dois é confiável. Teem algo em comum: defendem torturadores. Mourão em entrevista a uma Tv alemã, elogiou Ustra, deixando o entrevistador boquiaberto. Está no yotube para conferir.

  15. O tempora, o mores. Neste milênio, já elegemos: - em 2002 e 2006, um PresiDelinquente - em 2010 e 2014, uma PresidAnta - em 2018, um PresiDemente O que faremos em 2022? Mais do mesmo?

  16. Qualquer dos possíveis vocês que estivessem na chapa presidencial seriam esculachados por esse presidente ignorante, que não chega aos pés do General Mourão, um homem educado, capaz, inteligente e articulado. Se fosse Janaina ou Felipe de Orleans e Bragança, seria o mesmo pois o presidente demente não admite discordância de ninguém.

  17. Se vivêssemos em um país integro, congresso já teria aposentado o Bolsonaro, como fez com a Dilma. Aposto dizer inclusive, sendo essa possibilidade uma iminência, Bolsonaro deixaria o modo "loucura total" de lato, como já fez em diversos momentos.

  18. Em 2022 SÉRGIO MORO “PRESIDENTE LAVA JATO PURO SANGUE!” O Brasil finalmente terá Um Governo Fundado no “IMPÉRIO DA LEI!” Não seremos LUDIBRIADOS com o “Velho Plano de MELHORAS na ECONOMIA!” Triunfaremos! Sir Claiton

    1. Thiago, nem no melhor dos teus sonhos, o Moro se sujeitará ser vice de alguem, muito menos do loucura, locura, loucura.

    2. Servio Moro como VICE de Huck! loucura, loucura, loucura! só demente para votar nessa chapa!

  19. É uma pena que Mourão não possa ser o presidente. Imagino como teria sido melhor esses primeiros dois anos de governo. Não teria acabado com lavajato, não teria se vendido à ala podre do STF, não teria escolhido o “nosso Kassio”.....

    1. esta tudo tão encrencado que eu quero ver quem será o culpado dessa vez. Bota a culpa no cabo e nos dois soldados do 03...

    2. Sim Uma agradavel surpresa enquanto o Lazarento do FalsoMessias BozoPsicopata . mostra quem é: Cheffe da Orcrim .. Corrupto . Retrocedemos em todas as Leis e com apoio das cafetinas Cadelinas Bia kicis e Xambelli . Não me conformo em ter votado no algoz da lavajato . Fora BolsoLuloPetismo ..

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO