TED"Os desvios diminuem não porque os líderes passam a ter princípios, e sim porque é inviável comprar todo mundo"

‘Bolsonaro, Dilma e Lula tentaram governar só para seus partidários’

O cientista político americano diz que presidentes que governam para um grupo restrito sofrem desgaste. Para ele, se Bolsonaro não entender que a pandemia mudou as prioridades, será apeado do poder
11.12.20

Em suas aulas na New York University, o cientista político americano Bruce Bueno de Mesquita pede para que seus alunos escolham um país ou uma região do mundo. Em seguida, eles coletam todos os dados possíveis para fazer análises, seguindo modelos já testados. “Digo a eles que não quero opinião, nem argumentos bonitos. A missão deles é usar a matemática rigorosa e a lógica para entender o ambiente estratégico”, explica Mesquita. “O que fazemos então é aplicar a teoria dos jogos para prever o futuro político. Dá muito trabalho, mas também é muito divertido.”

Em 2009, Mesquita ganhou fama nas redes sociais ao prever que o Irã não desenvolveria uma bomba nuclear. Onze anos depois, ele acredita que o fato de o país ainda não ter fabricado a bomba prova que sua previsão foi acertada.

Aos 74 anos, Mesquita já escreveu 24 livros, alguns em coautoria. Entre suas obras estão a Lógica da sobrevivência política e o Manual dos ditadores. Para ele, um ditador deve montar a menor coalizão de governo possível, para não ter de gastar muito na compra de apoio. Por essa lógica, ditadores podem governar para um grupo restrito formado apenas por aqueles que são responsáveis por mantê-lo no poder. No caso da Venezuela de Maduro, o círculo restrito é formado pelos generais. Na Coreia do Norte, pelos membros do Partido dos Trabalhadores, funcionários públicos mais velhos e militares. Como suas necessidades são satisfeitas pelo ditador, eles se encarregam de reprimir a maioria da população.

A fórmula, contudo, não funciona para os presidentes de democracias abrangentes, como a brasileira. Se um governante se concentra demais em atender a um único grupo de eleitores, ele pode gerar repulsa no restante do eleitorado. Foi o que aconteceu com Jair Bolsonaro, Dilma Rousseff e Lula, na sua opinião. “Era isso o que ele (Bolsonaro) estava tentando fazer. A petista Dilma Rousseff também seguiu essa estratégia. Ela não estava governando pensando no interesse do povo brasileiro, e sim no de seus partidários. Lula, antes dela, também fez isso”, diz Mesquita.

Para ele, se Bolsonaro não entender que as prioridades da população mudaram com a pandemia, ele “provavelmente será apeado do poder”.

O presidente Jair Bolsonaro iniciou seu governo buscando agradar a seus seguidores mais ideológicos. Recentemente, ele mudou de rumo e se aproximou dos partidos de centro. Qual é a sua avaliação?
Todos os líderes, tanto em democracias como em autocracias, querem depender do menor número possível de pessoas. Em primeiro lugar, é mais fácil agradar a um grupo pequeno do que tentar satisfazer todo mundo. Depois, se esse grupo for determinante nas decisões políticas, o governante poderá ficar muito tempo no poder. Bolsonaro não é exceção. Era isso o que ele estava tentando fazer. Minha impressão era a de que ele, assim como o americano Donald Trump, são muito bons em fazer isso. Para ser franco, a petista Dilma Rousseff também seguiu essa estratégia. Ela não estava governando pensando no melhor interesse do povo brasileiro, e sim no de seus partidários. Lula, antes dela, também fez isso. Na ditadura militar brasileira, nos anos 70 e 80, era igualmente assim.

Bill Holsinger-Robinson/FlickrBill Holsinger-Robinson/Flickr“A corrupção é uma maneira eficiente de um líder se manter no poder”
Governar para um grupo restrito pode dar certo?
Essa tática pode funcionar, sim, mas só por um certo tempo. Nas democracias, à medida que um chefe de governo vai tomando decisões pensando em agradar a um grupo pequeno, ele vai prejudicando outras pessoas. Para cada nova decisão específica, o líder cria uma pequena coalizão de oposição, o que gradualmente vai erodindo o poder. Então é muito complicado governar para um grupo limitado por muito tempo.

Na Venezuela, Nicolás Maduro consegue se manter no poder subornando um número reduzido de generais. Algo assim poderia acontecer no Brasil?
O Brasil é muito diferente da Venezuela. Quando Hugo Chávez estava concorrendo pela primeira vez à presidência, em 1998, depois de tentar um golpe de estado, eu disse imediatamente que, se ele chegasse ao poder, o país se tornaria uma autocracia. Chávez sempre demonstrou que governaria com uma coalizão pequena de militares e que usaria a renda do petróleo para comprar fidelidade. O Brasil não chegou a esse nível. Não é algo impossível de acontecer, mas o risco é relativamente baixo. O Brasil tem tido governos democráticos se alternando no poder há 35 anos. Em dois momentos, os eleitores conseguiram, por meio de seus representantes no Congresso, destituir presidentes. Isso não é algo que poderia acontecer na Venezuela de Hugo Chávez ou de Nicolás Maduro. Não há mais nada de democracia na Venezuela. O governo controla quem pode se candidatar na eleição. Não há liberdade de expressão. Funcionários públicos e militares que apoiam a oposição são expulsos. Muitos são presos e golpeados. São coisas que não acontecem no Brasil. Quando a Crusoé foi censurada por criticar juízes, o presidente falou da importância da liberdade de imprensa. E Bolsonaro corre o risco de perder as próximas eleições. Essas coisas não aconteceriam na Venezuela.

Bolsonaro desagradou a setores que pediam o combate à corrupção e uma agenda liberal. Ao mesmo tempo, ele melhorou sua aprovação distribuindo auxílio emergencial para os mais pobres durante a pandemia. Essa seria uma tática eficiente?
Como populista, Bolsonaro direcionou recursos públicos para as pessoas mais pobres. Ele obviamente queria deixá-las mais felizes para assegurar o apoio dessas camadas. Acontece que a pandemia também deixou essas pessoas mais vulneráveis à doença. Se o medo de ser contaminado aumentar, o presidente perderá apoio. O modelo correto em uma democracia seria o presidente gastar com bens públicos que possam beneficiar toda a sociedade. Se o presidente nega que a pandemia é um problema sério e não prepara a resposta sanitária, então ele pode perder apoio mesmo que entregue dinheiro para as famílias. O auxílio emergencial não será capaz de compensar políticas desastrosas na saúde, que passará a ser a questão dominante. Entendo que o mau desempenho de candidatos apoiados pelo presidente nas últimas eleições municipais possa ser um sinal dessa mudança de prioridades na população. Essa eleição mandou um sinal preocupante para Bolsonaro, assim como a eleição legislativa de 2018 nos Estados Unidos foi um indício de problemas para Trump. As pessoas sempre querem boas políticas públicas. Quando as prioridades mudam, como aconteceu nesta pandemia, o governante precisa entender o que aconteceu e mudar com elas. Se não fizer nada, provavelmente será apeado do poder.

Com a Operação Lava Jato, em 2014, o Brasil viveu uma onda contra a corrupção. Essa conquista da sociedade brasileira poderá ser perdida?
A corrupção é uma maneira eficiente de um líder se manter no poder. Ela acontece quando um governante transfere recursos para um grupo pequeno com o objetivo de ganhar lealdade. Para um país como o Brasil, a facilidade de obter recursos substanciais com o petróleo é um convite à corrupção. Em uma democracia como a brasileira, contudo, um presidente precisa do apoio de um número muito maior de pessoas para conseguir se manter no poder. Não basta subornar alguns milhares de empresários e políticos. Seria preciso comprar milhões de pessoas. Nesse caso, a corrupção se torna ineficiente. Os desvios, afinal, diminuem não porque os líderes passam a ter princípios, e sim porque é inviável comprar todo mundo.

Arquivo pessoalArquivo pessoal“Sanções só dão certo em 5% das vezes”
O presidente americano Donald Trump impôs sanções contra Cuba, Venezuela e Irã. Essas medidas prejudicaram os autocratas que governam esses países?
Sanções só dão certo em 5% das vezes. Geralmente, elas são uma medida tola. Podem prejudicar o povo, mas não afetam o governo. Imagine uma situação em que eu ameaço alguém com um soco no nariz. Digo que, se essa pessoa não mudar de comportamento, eu a golpearei. Essa pessoa então irá raciocinar sobre o que é pior para ela: tomar um soco no nariz ou assumir o custo de mudar de atitude. Se o sujeito calcular que o melhor é sofrer a punição, então as sanções irão falhar. É o caso da Venezuela. Os Estados Unidos podem reduzir as exportações de petróleo para quase zero, mas Maduro conseguirá pagar os generais com o pouco que conseguir exportar. Ele não se importa com o fato de que o povo está faminto, que não há eletricidade fora de Caracas, que o sistema de saúde não funciona. O que importa para ele é ficar no poder. E ele já calculou o que deve fazer.

Com o Irã é a mesma coisa?
Apesar das sanções, o Irã está enriquecendo mais urânio do que antes. O governo não caiu. Também não estou vendo o líder supremo Ali Khamenei enfrentando problemas políticos. A Guarda Revolucionária não está em dificuldades. Sanções são uma política falida. Qualquer um deve saber disso antes de tentar.

Em 2009, o senhor previu que os iranianos não fabricaria a bomba atômica, mas que iriam preferir uma negociação. Qual é a situação agora, com a eleição de Joe Biden nos Estados Unidos?
Eu previ que o Irã não construiria a sua bomba atômica. Aqui estamos nós, onze anos depois. Durante esse tempo, diziam que o Irã poderia finalizar sua bomba em um período de seis a nove meses. Mas o fato é que o Irã não fez a sua bomba. Agora que Joe Biden foi eleito presidente, o que eles estão pensando? Ora, se eu fosse iraniano, acharia que não posso confiar nos Estados Unidos. Trump abandonou um acordo que tinha sido feito pelo seu antecessor, Barack Obama. Talvez a forma de os iranianos se sentirem seguros seria com um tratado, que pela Constituição americana teria mais autoridade que um acordo. Seria mais difícil para outro presidente rasgar o que foi combinado. Os iranianos agora entendem que foram prejudicados com a saída americana e com as sanções, e querem ser recompensados por isso.

Mas o Irã quer ou não fazer a bomba?
Nunca acreditei que o Irã estivesse buscando a bomba atômica. Eles não precisam disso para atingir seus objetivos, pois ganham benefícios apenas mostrando que sabem enriquecer urânio. Além disso, eles não teriam o que fazer com uma bomba nuclear. O objetivo é apenas o da dissuasão. Não querem ser atacados. É esse o efeito que eles querem provocar. Os iranianos sabem que, se tentarem alguma besteira, eles deixarão de existir em um nanosegundo. Não são loucos. O aiatolá Ali Khamenei não é suicida. Se fosse, eleteria se martirizado quando tinha 20 anos.

Algum ditador do mundo não está seguindo as regras do Manual do Ditador e poderia ser deposto em breve?
Em geral, ditadores passam a correr risco quando estão muito velhos ou doentes. Quando isso acontece, seus apoiadores já não esperam ser recompensados no futuro. Às vezes, bastam rumores para que o ditador perca suporte. Em 2017, o ditador do Zimbábue, Robert Mugabe, ficou sem apoiadores, porque eles acharam que ele estava enfermo. O xá Reza Pahlevi não contou com o Exército para reprimir os protestos no Irão, no final dos anos 1970, porque os militares achavam que ele estava morrendo. Uma matéria do New York Times tinha dito que ele estava tentando esconder a evolução de seu câncer. Um dos erros mais comuns que vejo analistas cometerem é pensar que a destruição da economia pode derrubar um ditador. Não é verdade. Na Coreia do Norte, a economia vai muito mal. Mas sempre foi assim. Apesar disso, Kim Il-Sung morreu durante o sono. Seu filho, Kim Jong-il morreu durante o sono. E seu neto, Kim Jong-un, também deve seguir o mesmo caminho. Ele só vai enfrentar problemas se ficar doente ou se as pessoas começarem a achar que sua saúde não está boa. Nesse caso, os militares e os funcionários públicos deixarão de lhe prestar obediência, porque eles saberão que não serão mais recompensados. Começarão a procurar um substituto para o seu líder.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. O Brasil não suporta nenhum dos 03, os querem fora da vida pública, querem democracia autentica e republicana, esperam Sergio Moro e Dallagnol - únicos homens públicos confiáveis para essa terceira via em 2022

  2. Bolsonaro jamais abandonou seu delírio de se tornar um ditador. Democracias podem ruir se um número suficiente de cidadãos trair a pátria, e embora o sindicalismo militar e policial tenha lhe dado algum apoio, foi insuficiente para um golpe. Como exemplo, se percebe claramente que Heleno é um traidor: gostaria de aumentar deu salário de quase R$ 20 mil líquidos. Nenhuma pessoa sensata (ou honesta) defende que um país pobre deva aumentar os salários que o Estado paga à elite dos funcionários.

  3. Há quem comenta mentiras ao dizer em quem votou e isto é visível. Quem votou em Bolsonaro sabe que a luta dele é renhida contra o mal feito. Quem fica dizendo lorotas e mal dizendo o seu modo de governar, nada conhece dos políticos brasileiros que formam a pior raça existente. São corruptos pela própria natureza e detém o poder legislativo que trava o governo que não os deixa roubar. Seja um mínimo inteligente e veja essa realidade. Além disso, quem deveria respeitar e proteger a Constituição???

    1. Fui ás ruas pela L jato e contra PT. Votei Em JB no 2o turno, não pq não soubesse q ele foi um péssimo militar, quase expulso, um político baixíssimo do baixo clero q vivia de emendas parlamentares pra beneficiar eleitores, e criador de problemas, mas era a alternativa q sobrava pra apear o PT do poder e pq propôs reformas importantes q logo abandonou. Traiu meu voto. Não apoiou MORO nem Guedes. Seus filhos envolvidos em ilícitos graves. Está destruindo a L Jato q jurou apoiar. Agora só MORO22.

  4. Se a Bolsonaro restar um mínimo de inteligência, imprimir essa matéria e afixar em seu gabinete bem a sua frente. Didática.

    1. Eu e muitas pessoas do meu círculo familiar e de amigos votamos nesta figura grotesca para tirar o PT. Agora amargamente decepcionados

    2. Eu tomei horror ao Bolsonaro. Fico feliz de saber que têm pessoas também que enxergaram a tempo,a incompetênciao dele e do seus ministros,que não têm a menor autonomia!,São todos paus mandados! Têm que fazer o que o desinformado,o incompetente,o negligente, o louco, o idiota do Bolsonaro manda.#forabolsonarojá

    3. Não votou não. Não minta para mim. Sabemos o que Bolso sofre, o quão é sabotado, chantageado e coagido. O que vc faria para salvar sua casa, e não estou falando do Brasil que deves odiar. Sua casa com seus pais, vc não faria o que FOSSE NECESSÁRIO ? Só idiotas fecham os olhos. Minta a vontade, mas a única mentira que deves omitir é a que votou em Bolso. Não aguentarias um mês com a pressão que ele recebe.

  5. Excelente reportagem! E, só pra complementar, gostaria de acrescentar que, além de as sanções não produzirem efeito, ainda ajudam o ditador a criar uma narrativa de que seu país está indo mal por culpa do "imperialismo americano", livrando sua imagem de críticas perante a opinião pública de seus compatriotas. Fidel usou essa artimanha por décadas e convenceu até os nossos esquerdistas...

    1. Correta observação. De fato, mais do que “inútil”, pode ser contraprodutiva!

  6. Você consegue governar um país através de um pequeno grupo somente na ditadura, porque sempre tem apoio dos exércitos e policias para reprimir outros grupos na sociedade, fora isso fica um mandato noutro não é reeleito, ou cassado pelo congresso(ou fica até o fim do mandado com compra da metade do mesmo congresso) e pronto não precisa ser um sociólogo ,filósofo para dizer isso, POR FAVOR

  7. pra combater bandidos tem que infiltrados, parabens BOLSONARO, acredito que o LIMAO que esta se do colocado dara uma boa limonada, e fora a turma da anti PATRIA.

    1. É incrível como ainda tem gente que acredita que Bolsonaro está numa "cruzada patriótica" contra os ateus comunistas... Vai ler as edições anteriores da Crusoé, pra você ver o tamanho da traição desse governo, Sérgio!

  8. Os melhores brasilianistas hoje são os bons roteiristas de Hollywood que escrevem sobre máfias e quadrilhas organizadas. Esse pessoal da academia universitária é nefelibata. Perda de tempo levá-los a sério. Vejam filmes do gênero e entenda América Latina incluindo naturalmente o México.

    1. Cerca de 8% dos orçamentos das grandes produções de áudio visual, são destinados à contratação destes consultores e especialistas que você está menosprezando a relevância, mostrando compor o grupo classificado - entre cientistas sociais - de irrelevante.

  9. Tal qual Machiavel, esse Professor também escreveu um manual pra ditadores, hein? Ensinando os caras a matarem, roubarem, furtarem, sem ter que se preocupar, né? Muito bonito.

    1. O cara estuda arranjos políticos a partir da teoria dos jogos!! Pouco comum aqui na Pindorama, dada a miséria intelectual de nossas academias.

  10. Lula governou para seus partidários, mas gerou número recorde de empregos, manteve a inflação sob controle por 12 anos seguidos, tirou 30 milhões de brasileiros da linha da miséria, colocou negros nas universidades e o Brasil tornou-se credor do FMI. Tudo isso sem tirar direitos dos pobres e sem vender nenhum bem patrimonial brasileiro.

    1. Caro Marcos, além dos fatos ressaltados pelo Jaime, nos comentários, enfatizando a política econômica interna, é importante lembrar também que o período Lula foi marcado por uma historica onda de crescimento global, impulsionada pela China. Mas, em todos esses anos, nunca crescemos mais que nossos colegas do BRICS, e mantivemos a produtividade estacionada. Tudo isso, mais a inepta sucessora, gerou uma crise séria econômica devolvendo TODOS que subiram a linha da extrema pobreza à sua origem

    2. Tem dó rapaz .Em que planeta vc vive? Lula e Dilma destruíram o país. Roubaram e deixaram roubar à vontade. E só tiraram da miséria as empresas e políticos corruptos. Acorda !

    3. Fica fácil reduzir o numerode miseráveis quando se muda o referencial da linha de pobreza. Fica fácil governar quando a economia está estabilizada e a inflação controlada pelo Governo FHC. Ainda mais com os cofres abarrotados de dinheiro das privatizações. Fica fácil os bancos emprestarem dinheiro pra 60, 90 meses. E as empresas empregarem. Pegou o bonde andando. E o bonde já estava com tudo. Governou pro partido e pros empresários. O Professor está certo. Só faltou dizer: "Lula foi preso,... "

  11. Não importa o qto ele entenda daqui pra frente. Ele já está apeado.. só não saiu ainda, mas tá fora. É como morto andante.. uma espécie de walking dead tupinikim.. tá morto.. só não deitou.

  12. Difícil para nós será aparecerem vertentes políticas com entusiasmo para se proporem realmente a governar "para o bem comum" e "para todos" e serem eleitas democraticamente para tentarem esse ramo da política, que no Brasil, se houve, foi em muitos poucos momentos da nossa história...

  13. O corporativismo é o grande mal que o Brasil enfrenta. Essa pulverização do poder que alguns pseudo intelectuais atribuem à democracia dá margem a que muitos grupos defendam interesses corporativos sobrando pouco espaço para as questões do estado. A China concentrou poderes e produziu uma das nações mais poderosas do mundo e nós perdemos tempo discutindo sucessão de presidentes do Congresso e não fazemos as reformas importantíssimas que a nação requer.

    1. Esse jornalista repete a mesma coisas várias vezes. Essa é tática de encher linguiça. E o que o cientista falou não precisa ser um gênio para perceber.

    1. Sr Alberto, SEMPRE acusa as pessoas de uma mesma coisa.. começo a pensar q deve fazer parte de sua vida.. pq pra escrever é pq tá sempre em seus pensamentos. Acusa a todos de pedofilia.. o tempo todo. Isso tá começando a ficar notório pro seu lado.. Todo mundo ser.. é difícil.. o raciocínio q resta é q, pra isso estar SEMPRE EM SEUS PENSAMENTOS, NA SUA CABEÇA, deve fazer parte de sua vida. Tem um problema aí, né.. e é um problema q configura CRIME.. realmente preocupada..

    2. Cala a BOCCA, bobão! OLD FART, Caquético e Pedófilo, é o cretino que à custa de uma fraude colossal irá ocupar por pouco tempo o salão oval da Casa Branca. Depois que a demência ficar evidente, a maior nação do planeta será "governada"por uma socialista radical. Palhaço!

Mais notícias
Assine 50% off
TOPO