ReproduçãoMargaret Keenan, a primeira a receber a vacina da Pfizer fora dos testes

A salvação pela vacina

O início da vacinação no Reino Unido traz esperança para o mundo e dá a largada para a corrida dos políticos pela vacinação em massa nos diferentes países
11.12.20

Desde que a pandemia do coronavírus começou, não poderia haver imagem mais aguardada. Na já histórica terça-feira, 8, vestindo uma camiseta azul com estampa natalina — um pinguim de gorro e cachecol em vermelho e branco, sob a neve –, a britânica Margaret Keenan recebeu no ombro a vacina contra a Covid-19 de uma enfermeira das Filipinas. A senhora de 90 anos foi a primeira pessoa no mundo a receber de maneira oficial, e não em fase de testes, uma vacina contra o coronavírus, no caso, a fabricada pelo laboratório farmacêutico Pfizer e a empresa de biotecnologia BioNTech. “Isso significa que posso finalmente passar um tempo com minha família e amigos no Ano Novo, depois de ficar sozinha na maior parte de 2020”, comemorou ela em Coventry, região central da Inglaterra.

A cena, que culminou com Margareth deixando o local em uma cadeira de rodas e sendo aplaudida pelos enfermeiros, deu um nó na garganta de cidadãos do mundo todo. Ela simboliza o momento da virada de uma pandemia que já ceifou 1,5 milhão de vidas. A imagem da britânica também estimulou as pessoas a cobrar com mais ênfase de seus governantes soluções para uma imunização mais rápida.

No Reino Unido, políticos do Partido Conservador aproveitaram o momento histórico para fazer circular a narrativa de que o início da vacinação era a consagração do Brexit. Segundo eles, o país teria ficado mais ágil ao se afastar da burocrática União Europeia. “Obviamente, temos os melhores reguladores médicos”, disse Gavin Williamson, o secretário de educação, referindo-se à rapidez da NHRA, agência britânica que regula medicamentos e alimentos. “Somos muito melhores que os franceses, muito melhores que os belgas, muito melhores que os americanos. Isso não me surpreende nem um pouco, porque somos um país muito melhor do que qualquer um deles, não é?” Bobagem: a vacina foi criada por um laboratório americano em parceria com um alemão fundado por descendentes de turcos, contou com a participação de cientistas do mundo inteiro e os lotes mandados para o Reino Unido foram produzidos na na Bélgica. Além disso, países da União Europeia já estão preparados para vacinar os seus cidadãos em breve.

Boris Johnson a caminho de Bruxelas: tom nacionalista na vacinação
A celeridade britânica não guarda relação com o Brexit, que ainda não se concretizou. O tom nacionalista tampouco deve favorecer o primeiro-ministro Boris Johnson, que está correndo atrás do relógio para negociar um tratado de livre comércio com a União Europeia até o final do ano. “É improvável que Boris Johnson tenha um grande impulso na aprovação. É falso dizer que a vacina foi um benefício do Brexit. O que o governo fez foi comprar um produto da americana Pfizer e da alemã BioNTech, fabricado na Bélgica”, diz Paul James Cardwell, professor de direito na Universidade de Strathclyde e especialista em União Europeia.

O Reino Unido também não é um modelo sobre como lidar com a pandemia. A demora de Boris Johnson em acatar medidas de isolamento social gerou mais casos e aumento o número de mortes. O Reino Unido é um dos países com mais mortes para cada 100 casos confirmados. O que os reguladores britânicos fizeram foi acionar um mecanismo emergencial, que pode ser usado em situações como a de uma pandemia. Com isso, os especialistas começaram a analisar os dados dos estudos com a vacina da Pfizer em outubro, quando eles ainda não tinham sido concluídos.

Outras entidades ao redor do mundo, incluindo a brasileira Anvisa, também estão fazendo esse trabalho em paralelo. No Brasil, o problema é que a vacina se transformou numa guerra política entre o presidente Jair Bolsonaro e o governador de São Paulo, João Doria. Somente depois de Doria anunciar o início da vacinação da Coronavac para 25 de janeiro em São Paulo é que o governo federal, pressionado pela opinião pública e pelos governadores, passou a se mexer. Na quinta-feira, 10, por unanimidade, a Diretoria Colegiada da Anvisa aprovou as regras que deverão ser cumpridas por farmacêuticas para pedidos de uso emergencial de vacinas contra o novo coronavírus no Brasil. Nos processos em que for dado aval ao uso emergencial, os imunizantes poderão ser aplicados, sem que tenham obtido o registro da Anvisa. Ao fazer a solicitação, as farmacêuticas deverão especificar qual público-alvo será vacinado com o produto. Também na quinta-feira, 10, o Instituto Butantan, ligado ao governo de São Paulo, anunciou o início do envase da Coronavac, a última fase da produção da vacina. O processo é realizado na fábrica do instituto, que tem 1,8 mil metros quadrados. O governo autorizou a contratação de 120 técnicos adicionais para reforçar a produção da vacina. A meta é fabricar 1 milhão de doses a cada dia.

O ponto em que talvez os britânicos tenham mais acertado foi na estratégia de compra. Eles diversificaram ao máximo o número de fornecedores. Foram compradas 350 milhões de doses de vacinas de sete empresas diferentes. Cada britânico poderia, assim, tomar cinco doses. Ou seja, caso uma delas não se mostrasse eficiente, haveria alternativas. A Pfizer, em parceria com a  BioNTech, foi a que primeiro conseguiu o aval da agência britânica — apenas três semanas após a empresa concluir os estudos clínicos. Se houve nacionalismo com o início da vacinação, ele não existiu na hora de priorizar o imunizante. Londres não esperou que a vacina da AstraZeneca, produzida com a Universidade Oxford, pudesse ser chancelada e produzida em massa para começar a imunização em massa.

BioNTechBioNTechVacina da Pfizer e da BioNTech: 40 milhões de doses para o Reino Unido
Os países da União Europeia também se precaveram adequadamente. O bloco centralizou as compras para negociar preços melhores. “As pessoas estão aguardando a vacina chegar aos mais vulneráveis primeiro e espera-se alcançar a imunidade de rebanho antes do verão europeu. Não há um grande debate político sobre isso”, diz o cientista político Antonio Costa Pinto, da Universidade de Lisboa. Foram firmados contratos com seis empresas diferentes: Pfizer, CureVac, Moderna, Sanofi GSK (cuja vacina se mostrou ineficaz até o momento), Johnson & Johnson e AstraZeneca. Assim que as primeiras forem aprovadas pela Agência Europeia de Medicamento, elas serão disponibilizadas nos 27 países da UE. Cerca de 1,4 bilhão de doses já foram negociadas. Um dos planos que estão sendo estudados é usar vacinas de diferentes tipos na mesma população para conseguir uma imunidade maior e mais duradoura.

“Os europeus já organizaram tudo, pois estão acostumados a fazer compras de maneira centralizada”, diz a médica Fatima Marinho, conselheira técnica sênior da organização Vital Strategies, que trabalha com governos e ONGs em projetos de saúde pública. “Uma ação efetiva como essa, com um plano de vacinação já preparado, é algo que falta ao Brasil”. Os Estados Unidos também carecem de um plano nacional de vacinação. Como não há um sistema público de saúde, isso dificulta a imunização em massa da população. Ainda assim, nesta semana, o presidente eleito Joe Biden anunciou que pretende distribuir 100 milhões de doses nos primeiros 100 dias de seu governo, que começa em 20 de janeiro.

Em diversos países da Europa, os idosos começaram a receber cartas dizendo qual será o dia e o horário em que tomarão a vacina. Os comunicados começaram a ser emitidos antes mesmo de a agência europeia certificar a primeira empresa. Isso ocorre porque a aprovação é dada como certa. Ao vacinar boa parte dos seus habitantes, a Europa poderá reduzir a gravidade da segunda onda de Covid, que está crescendo com o frio do inverno, e evitar uma terceira. Países como Itália e Alemanha têm registrado recordes de mortes e voltaram a decretar medidas de restrição de circulação. Estudos já mostraram que a vacina pode reduzir a severidade dos quadros de pessoas que já estão com Covid. Assim, a vacina também diminuirá a pressão sobre os serviços de saúde”, diz a médica Fátima Marinho. Nesta terça-feira, em discurso no parlamento, a primeira-ministra Angel Merkel exortou, emocionada, os alemães a enfrentar a última prova de resistência contra a pandemia, antes da aplicação da vacina. Disse Merkel: “Se tivermos muito contato antes do Natal e for nosso último Natal com nossos avós, teremos sido negligentes. Lamento muito, mas pagar um preço diário de 590 mortes, do meu ponto de vista, não é aceitável. Precisamos fazer tudo o que pudermos para evitar o crescimento exponencial que tivemos”. Ela foi vaiada por deputados do partido Alternativa para a Alemanha, de extrema-direita, que a acusam de ser alarmista. Merkel respondeu: “Por isso, escolhi estudar física, porque tinha certeza de que, embora haja muitas coisas que podem ser ignoradas, a gravidade não é uma delas. Nem a velocidade da luz, nem outros fatos, como é o caso agora”.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Matéria MENTIROSA! Tenta-se desconstruir a explicação de q o Brexit “acelerou” a vacinação alegando que: “bobagem, a vacina foi feita em outro lugar”. SOFISMA! Ou ignorância! A celeridade está relacionada c/ a BUROCRACIA! (e esta é sim diferente na UE na Inglaterra pós Brexit). De fato, a matéria “confessa” o erro ao dizer que o maior ACERTO dos “britânicos foi na estratégia de compra” (por óbvio, SÓ PUDERAM TER UMA ESTRATÉGIA DE COMPRA PRÓPRIA PQ HOUVE O BREXIT). Matéria c/ viés ideológico!!

  2. O $ investido no COVID 19 não daria para informatizar o SUS? Colocar cinto de segurança e cadeirinhas em coletivos? Estranho, né? Integralidade e sustentabilidade no SUS? Só no papel. Pensar fora da caixa ė necessário, mas requer cérebro e estamos muito ocupados com o COVID para pensar em saúde.kkkk.

    1. Vai nada. Infelizmente. Esquerdopatas e bozomerdas sempre falam isso.

    1. Livre-se desse complexo de vira lata....ele atrasou o Brasil e continuará atrasando se não aprendermos a avaliar as coisas sob todos os aspectos, com inteligência e equilíbrio!!!

    1. A ignorância está espalhada no mundo todo. Infelizmente.

  3. Um dia, tenho certeza, esse país terá alguém com o estofo de uma Merkel. Demorará, com certeza, mas esse dia virá. Não o verei. Nem meus filhos. Espero de coração que meus netos possam viver essa experiência de um Brasil decente.

    1. Não quero uma aprendiz de Tirano cientificista nem se me voltarem troco!!! As 3 maiores desgraças do mundo moderno nasceram no mesmo lugar: marxismo, nazismo e previdência social - #sintomático?

    2. Gostaria de ter a mesma esperança que você. Infelizmente não a tenho, tantas coisas a serem consertadas que não acredito em mudanças. Falta ao povo educação, sentido de moral e de respeito ao próximo e a coisa pública. É um absurdo de carências a serem preenchidas.

  4. parabéns ao governo Ingles e a comunidade europeia. a comunidadwcsul americana ate onde se viu nem cogitou agir em bloco. E no Brasil, nem Estados agem em bloco...

  5. Se tivermos sorte teremos as vacinas, as seringas, as agulhas. Vai ser preciso sorte para superar tanta irresponsabilidade e incompetência no gerenciamento.

  6. Pra variar, o Duda Teixeira obedece as ordens do patrão. Em nenhum momento fala que existe uma diferença colossal entre as vacinas da Pfizer e Oxford com a Coronavac, cujo % de efeitos colaterais é > que 5, quando o aceitável em qqr vacina é 0.5. Também não cita quantas vezes as vacinas terão que ser dadas. Certamente serão 2 ou 3. Mais uma vez vemos a ideologia acima da verdadeira ciência. Políticos e jornalistas metidos a cientistas. Duda Teixeira, "vá chupar a sua meia"!

  7. Estadistas não aceitam perder 590 de seus cidadãos por dia para a Covid-19. Presidente medíocre festeja a morte de voluntário supostamente motivada pela vacina apenas para desacreditar seu desafeto político. Essa é a principal diferença entre Primeiro Mundo e Terceiro Mundo.

    1. Vardelen, como assim só falta mentir? é o que ele mais faz. Perde em muito pouco, pouquíssimo mesmo, para o Lula.

    2. Ele está igualzinho a turma do Pt, só falta mentir!!!!

  8. Ontem vi um levantamento da BCG que colocou o custo Brasil em 1,5 tri, ou 20% do PIB. De quanto será o custo para o pais de ter neste momento como presidente o senhor Jair Bolsonaro?

  9. Parabéns pela matéria, elucida claramente a forma de agir dos europeus ocidentais, que conseguem se manter unidos e não fazer de uma doença trampolim para politicagem. Porém, penso que faltam ainda, circunscrevendo o assunto a esta pequena seara, análises a respeito dos países do leste europeu. E necessitamos ainda se uma reportagem completa sobre os demais continentes...

    1. Vc que pensa, políticos são iguais em qualquer lugar do mundo! acredite!

  10. Primeira vez que vejo referência à SANOFI GSK duas das maiores e mais tradicionais produtoras de vacinas antivírus. Falta saber o que está fazendo a MSD (Merck Sharp Dohme)

Mais notícias
Assine 50% off
TOPO