Reprodução/TV Globo

Quebras de sigilo mostram transações entre parentes de ministros do STJ

17.10.20 11:32

As quebras de sigilo bancário do sobrinho do ministro Luís Felipe Salomão, do Superior Tribunal de Justiça, e de seu escritório de advocacia revelaram transações financeiras feitas com dois filhos de ministros do STJ. Paulo Salomão é investigado na Operação E$quema S, da Lava Jato do Rio de Janeiro, por ter recebido valores da Fecomércio na gestão de Orlando Diniz (foto). Ele não foi denunciado até o momento como outros advogados, mas teve os sigilos levantados por ordem do juiz Marcelo Bretas.

De acordo com o extrato bancário, a conta pessoal de Paulo Salomão recebeu, em abril de 2015, quatro repasses de Djaci Falcão Neto, filho do ministro Francisco Falcão. Os pagamentos somam 751 mil reais. Já o escritório de Paulo Salomão transferiu valores mensais para Pedro Henrique Di Masi Palheiro, filho do ministro Antonio Saldanha Palheiro, entre 2015 e 2017.

Os pagamentos de Paulo Salomão a Palheiro são justificáveis, porque os dois são sócios. Palheiro chegou a ocupar um cargo no governo de Sérgio Cabral.

Os repasses de Djaci Falcão Neto a Paulo Salomão, por sua vez, estariam relacionados à atuação de ambos em uma disputa judicial travada no STJ entre a Eldorado e a Fibria, duas gigantes do setor de celulose. Eles atuaram para a Fibria.

Os pagamentos de Djaci começaram a ser feitos no mesmo dia em que foi publicada pelo STJ uma decisão favorável à empresa. As quatro transferências entre as contas pessoais de Falcão Neto e Salomão estão atreladas a um contrato firmado entre a Fibria e o escritório Maciel Advogados Associados.

O escritório havia firmado uma “sociedade em conta de participação”, primeiro com Falcão Neto, e depois com Salomão. Esse tipo de contrato não é uma sociedade tradicional porque não tem personalidade jurídica e os integrantes não ficam conhecidos por terceiros. Ela é formada pelo sócio ostensivo, que é o dono da empresa, no caso a Maciel Advogados, e pelos sócios participativos.

O contrato também previa a divisão do lucro líquido entre os “sócios”. Pelo acordado, 57% do valor iria para Falcão Neto, 28% para Paulo Salomão e 15% para a Maciel Advogados.

Os advogados Paulo Salomão e Djaci Falcão Neto não se manifestaram. Pedro Palheiro afirmou que integra os quadros do escritório do sobrinho de Salomão desde 2014, antes de seu pai virar ministro. Segundo ele, devido a essa relação contratual, ele recebe os vencimentos mensais em sua conta. Sobre a delação no Rio, diz o advogado, a citação foi uma vingança pessoal do delator e o caso foi investigado e arquivado pelo Ministério Público.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

Só R$ 1,90* no primeiro mês

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

*depois, 11 x R$ 14,90

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. E pensar que o Rio já teve as maiores e mais prestigiadas bancas advocatícias do país, com respeitadas cabeças de elevado saber jurídico e insuspeitada ética. O que temos hoje é o rebotalho!

  2. Meu Deus, de novo. Os filhotes de ouro. Como é bom ter pais bem posicionado e VENAIS. Ops, corruptos mesmo. Eu sempre fui favorável a que o setor judiciário fosse bem remunerado como antídoto à corrupção. Não adiantou nada. Continuam salgados do mesmo jeito, com exceções.

  3. Enquanto isso em Pindorama os poderosos transitam pelos Iates Clubes, pelas marinas, pelas viagens internacionais, pelos carros caríssimos, degustando lagostas, charutos cubanos, e vinhos premiados, sob a proteção da Suprema Tragédia Federal. E o povo brasileiro, ora, isso é um simples detalhe, como diria Parreira. Essa gentalha sempre se beneficiou do dinheiro público e é acobertada por uma Câmara Federal, um Senado e um STF lenientes com toda essa corrupção desenfreada.

  4. Nenhum membro do judiciário deveria ser escolhido pelo executivo e sabatinado pelo legislativo. O resultado dessa mitologia, podemos ver no hoje

  5. É ou não necessário a lava toga, é um cheiro de podre em algumas esferas do judiciário que ninguém aguenta mais tantos desmandos....

  6. Justiça podre. Onde se cava surgem novos fatos, sempre "aterradores". E todos esses corruptos - juristas e advogados - não pegam cadeia.

  7. O Brasil é podre, sempre foi e sempre será. TODOS os poderes são corruptos, do STF ao vendedor de pipocas. O aeroporto continua sendo a única saída.

    1. Nilson eu já fiz isso a 2 décadas escolher a onde nascer eu não tive mais opção de morar eu tenho então vim para 🇺🇸 aqui sim ninguém está acima da lei como está escrito na constituição americana 🇺🇸

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO