Reprodução

O cálculo geopolítico de Biden no encontro com Putin nesta quarta

16.06.21 09:45

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, encontra-se nesta quarta, 16, com o russo Vladimir Putin (foto), em Genebra, na Suíça.

O evento ocorre depois de Biden passar pelo Reino Unido, onde participou de uma cúpula do G7, e pela Bélgica, onde se reuniu com membros da Otan. A escolha do roteiro não foi ao acaso.

Biden quer mostrar a Putin que a união transatlântica, entre americanos e europeus, está funcionando, e que a liderança dos Estados Unidos foi resgatada“, diz o analista internacional argentino Andrés Serbin, especialista em Rússia.

Da reunião com Putin, não se esperam grandes resultados. Nos dias anteriores, assessores dos dois lados tentaram abrandar as expectativas. Após a conversa entre os dois, não haverá uma declaração conjunta. Cada um deles fará a sua coletiva de imprensa, separadamente.

O presidente americano quer se precaver. Ele desconfia de Putin e não quer se comprometer com algo em uma possível declaração conjunta, que ganharia mais relevância“, diz Serbin.

Ao somar a conversa com Putin em sua viagem internacional, Biden quer alcançar ainda outro objetivo, que guarda relação com a China. O país asiático é visto hoje como a principal ameaça, apesar dos seguidos ataques cibernéticos russos e das interferências nas eleições americanas. “Biden quer evitar que Putin se aproxime demais dos chineses, algo que o russo vem fazendo há tempos“, diz Serbin.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. As eleições USA sempre foram feitas da mesma maneira. Agora um derrotado, nas urnas e na sua política interna ou externa dizer que está errado, fica difícil. Como Bolsonaro falou que ganhou no primeiro turno, mas não apresentou nenhuma prova.

  2. O argentino é especialista em Rússia, mas sabe até o que o Biden pensa e avalia. Eis a ilha do jornalismo. Quando vai começar a seção de horoscopo e noticias de reality shows?

  3. Tenho piedade dos americanos, diante desse presidente decadente, resultado de uma eleição duvidosa. Certamente, Putin sairá fortalecido.

    1. Assino os comentários de Roseane e Renato. É isso mesmo! Carlos é um desaforado, chamando Biden de decadente.

    2. Realmente, Carlos! Como podes pensar assim? Trump, que deves admirar, foi um fantoche nas mãos do Putin

    3. @Carlos??? Acho q vc está confundindo as pessoas. Em 2018 - Helsinki, Trump baixou as calças para o Putin e humilhou os americanos. Aquilo foi deplorável..... Qualquer um é melhor do que o patético do Trump! Já com relação a eleicão duvidosa, vai procurar bambu nas cédulas de votação....

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO