Marcos Corrêa/PR

Na CPI, Ernesto contradiz Carlos França sobre viagem do ‘spray milagroso’

18.05.21 15:41

Em depoimento à CPI da Covid no Senado, o ex-ministro Ernesto Araújo (foto) confirmou que a ida da comitiva bolsonarista a Israel, em março, foi organizada para conhecer o spray nasal que Jair Bolsonaro chamou de “milagroso” no combate à Covid-19.

“A missão nasceu de um telefonema entre o presidente Jair Bolsonaro e o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, em que o Primeiro-Ministro falou com muito entusiasmo de dois medicamentos com potencial de cura da Covid, que estavam sendo desenvolvidos por dois diferentes institutos em Israel. A partir disso, o presidente pediu que eu liderasse essa missão”, disse o diplomata. Antes da viagem, uma nota técnica do Ministério da Saúde atestava que as evidências de eficácia e segurança do fármaco eram “incipientes”.

A fala de Ernesto contradiz a atual versão do Itamaraty sobre o ocorrido. Em ofício enviado à Câmara dos Deputados na semana passada, o ministro Carlos Alberto Franco França afirmou que a missão oficial àquele país vinha sendo planejada desde o segundo semestre de 2020″. O chanceler acrescentou que “a visão brasileira para o relacionamento bilateral não deve ser reduzida às iniciativas de cooperação no domínio da saúde, muito menos às tratativas para potencial desenvolvimento do ‘spray’ nasal EXO-CD24, que foi objeto de uma entre as várias reuniões e encontros mantidos na viagem”.

Como mostrou Crusoé, França vem tentando reduzir a importância da carta de intenções assinada entre o Itamaraty e a empresa israelense detentora do medicamento experimental. Como o Ministério da Saúde não assinou o documento, o MRE agora diz que o acordo não é válido – depois de reconhecê-lo, ainda que não fosse “juridicamente vinculante”.

Já é assinante?
Assine a Crusoé ou nosso combo e ganhe o novo eBook de Mario sabino

Assine a Crusoé

*válido até 30/06/2021

Assine a Crusoé ou nosso combo e ganhe o novo eBook de Mario sabino

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Bozo nesta empreitada, demonstra mais uma vez o quão imbecil é. Trump falou da cloroquina lá no início da pandemia, e Bozo foi atrás de comprar todo o estoque disponível desse medicamento. O primeiro ministro de Israel falou do spray, e Bozo mandou uma comitiva de imbecís p/ passear em Israel e fechar algum negócio. Hj, 18 de maio de 2021, quais são os resultados efetivos dessa empreitada? Podemos raciocinar assim: Qual país no mundo quer cloroquina? E vacinas que faltam aqui para nós?

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO