Marcos Oliveira/Agência Senado

Líder do governo nega oferta de emenda para não bater em Bolsonaro: ‘Nunca pedi isso a ninguém’

22.10.21 11:10

O líder do governo no Congresso, senador Eduardo Gomes (foto), do MDB de Tocantins, negou ter oferecido emendas milionárias do orçamento paralelo ao senador Jorge Kajuru, do Podemos de Goiás, para que ele parasse de criticar o presidente Jair Bolsonaro. “Nunca pedi isso a ninguém. Ainda mais em um governo que apanha todo dia”, disse Gomes.

Em entrevista publicada na edição de Crusoé desta semana, Kajuru afirmou ter sido alvo de uma abordagem indecorosa do líder do governo. “Meu assessor de orçamento ouviu da boca do senador Eduardo Gomes, de quem eu gosto, e que é muito educado, o seguinte: ‘O Kajuru podia ter 100 milhões (de reais) em emendas. Fala para o Kajuru mudar, não bater no governo desse jeito’”.

Gomes negou o fato. Disse nesta sexta-feira, 22, que jamais fez esse tipo de abordagem com qualquer senador. “Sou amigo do Kajuru, respeito muito ele, mas ele sabe que isso não é verdade. Nunca ofereci nada para ele e nunca fiz esse comentário com o assessor dele. Nem tenho prerrogativa para isso (indicar emendas do orçamento paralelo). Não sou relator do Orçamento”, afirmou.

“Sou conhecido por entender as críticas e tentar buscar consenso das matérias, independe da questão ideológica. Esse perfil que ele está traçando não é o meu. Quando precisei do apoio do Kajuru eu pedi direto a ele, e muitas vezes fui atendido. Nunca teve esse tipo de relação”, completou Eduardo Gomes.

Como mostrou Crusoé em maio, o governo Bolsonaro tem usado o orçamento paralelo, por meio das emendas de relator, para comprar apoio político no Congresso. Essas indicações de recursos bilionários da União para obras e programas nos estados de origem dos deputados e senadores seguem critérios políticos e vão muito além das tradicionais emendas parlamentares.

Na entrevista a Crusoé, Kajuru afirmou que o orçamento paralelo significa corrupção. “São bilhões gastos, compra de votos, compra de emendas, e Bolsonaro não tem como falar que não sabia. Ele tem que ser responsabilizado por isso”, afirmou Kajuru.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
    1. Concordo e tem mais, pode bater, inventar mentiras e etc... A popularidade do presidente cada vez vai subindo, subindo...

Mais notícias
Assine 50% off
TOPO