Investigado pela PF, líder do governo usou eleição no Senado para faltar a depoimento; filho ficou em silêncio

27.02.21 16:04

Investigado pela Polícia Federal, o líder do governo Jair Bolsonaro no Senado, Fernando Bezerra Coelho, do MDB, usou a eleição para a presidência da casa como argumento para desmarcar seu depoimento.

Os esclarecimentos de Bezerra na investigação sobre o suposto recebimento de propinas de empreiteiras haviam sido agendados em data sugerida pelo próprio parlamentar. A desistência, comunicada no dia em que os policiais o aguardavam para depor, fez com que a PF rejeitasse pedido para remarcar o depoimento. O conflito fez com que o deputado Fernando Coelho, filho de Bezerra, silenciasse, dias depois, quando foi ouvido pelos investigadores.

Pai e filho são alvo da Operação Desintegração, deflagrada em setembro de 2019, e mira o suposto pagamento de 5,5 milhões de reais em propinas aos dois. Os repasses teriam sido feitos por empreiteiras responsáveis pelas obras da transposição do Rio São Francisco e do Canal do Sertão. À época, Bezerra era ministro da Integração do governo Dilma Rousseff.

O inquérito está em fase final, e caminha para um relatório conclusivo da PF em que crimes serão atribuídos aos investigados. Delatores já foram ouvidos e reforçaram relatos de pagamento de propinas ao senador Bezerra e ao filho dele. A PF havia pedido, no fim do ano passado, para prorrogar a investigação para ouvir a dupla. O senador sugeriu marcar seu depoimento para 2 de fevereiro. Ocorre que, naquela data, ele comunicou à PF que, naquele mesmo dia, ocorreria a eleição da mesa diretora do Senado.

Os advogados de Bezerra tentaram, então, remarcar o depoimento para o dia seguinte. O pedido gerou desconforto na PF. Em resposta, a delegada Andrea Pinho ressaltou que, “ao marcar o depoimento para aquela data, Bezerra já estava ciente de que na véspera seria realizada a eleição da presidência do Senado, devendo ter-se precavido anteriormente diante de qualquer imprevisto“. Por falta de espaço na agenda, a PF se recusou a agendar uma nova oitiva.

Já o deputado Fernando Filho compareceu à Superintendência da PF em Pernambuco e afirmou que, por orientação de seus advogados, se reservaria ao “direito constitucional ao silêncio“.

Em nota, os advogados Bruno Lacerda, Eduardo Trindade e Fernando Lacerda Filho, que atuam na defesa de Fernando Bezerra Coelho e de Fernando Coelho Filho, afirmaram que o indeferimento de uma nova data para ouvir senador “sugere o desinteresse em colher o depoimento“.

Diante disso, a defesa recomendou que o deputado federal Fernando Bezerra Coelho Filho exercesse o direito constitucional ao silêncio, a despeito da intenção de ambos de esclarecer os fatos e afastar as falsas imputações apresentadas por pretenso colaborador“, diz o texto.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

Só R$ 1,90* no primeiro mês

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

*depois, 11 x R$ 14,90

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Felipe Moura Brasil, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Agora ,os Srs me digam: essa turma vai fazer Reforma Tributaria ? Ref Administrativa ? Privatizacoes ? Jesuisss Acordem ! Tamo da lama da chafúrdia!!

  2. Por que os eleitores de PE insistem em votar nesses coronéis, que dominam o estado desde as Capitanias Hereditárias, com o bastardo Duarte Coelho.

    1. Infelizmente esse comportamento não é exclusivo de nenhum estado. Antes fosse! Vamos reconhecer que de norte ao sul, a classe política é da pior qualidade. Com raras exceções, que se elege ou já é corrupto, ou vai ficando, pra poder se manter no cenário político.

    2. A resposta é simples mudou alguma coisa da monarquia pra república? As capitanias continuam a existir desde aquela época, e os coronéis sucedendo seus familiares pra não perderem o poder. Já o povo que continua na [email protected] é massa de manobra e usado pra eleger esta gente, uns votam pelo sanduiche com tubaina e outros pelos interesses de negócios com estes politicos pra faturarem mais alto. Assim é o que os politicos e outros dos demais poderes chamam o nosso regime politico de democracia! Será??

  3. Tal pai, tal filho. Dois bandidos. Deveriam estar na cadeia há muito tempo. Acorda Brasil!!! 🇧🇷🇧🇷🇧🇷

  4. E quem fantasia que o governo Coronaro é balizado pela honestidade quer acreditemos que os Bezerra estão regenerados. Tá bom, então.

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO