Adriano Machado/Crusoé

Amazonas pediu apoio ao governo para implantar ‘TrateCov’ durante colapso

12.06.21 12:00

Em meio ao colapso do sistema de saúde pública ocorrido em janeiro em razão da Covid-19, o governo do Amazonas procurou o Ministério da Saúde para colocar em funcionamento o aplicativo “TrateCov”desenvolvido pela pasta com o objetivo de diagnosticar pacientes com a doença e prescrever o chamado “tratamento precoce”.

Em ofício enviado ao secretário de Atenção Especializada em Saúde, Luiz Otávio Franco Duarte, no dia 13 de janeiro, o secretário de Saúde do Amazonas, Marcellus Campêlo, pediu recursos humanos para dar continuidade ao projeto “TrateCov Brasil”. Cinco dias antes, o governo estadual já havia informado o governo federal sobre a iminente falta de oxigênio no estado. Os documentos foram entregues à CPI da Covid no Senado.

No ofício, Campêlo menciona uma apresentação do aplicativo feita por Vinicius Nunes Azevedo, diretor do Departamento de Gestão da Educação na Saúde, e solicita a “disponibilização de 16 farmacêuticos” para os serviços de Pronto Atendimento da rede estadual. Azevedo é subordinado à secretária Mayra Pinheiro (foto), a “capitã cloroquina”, apontada pelo ex-ministro Eduardo Pazuello como a responsável pelo desenvolvimento do aplicativo.

O documento encaminhado à CPI é mais um que desmente a versão do general sobre o aplicativo. Em depoimento à comissão de inquérito, Pazuello relatou que “o TrateCov, no final das contas, não foi utilizado, ele nunca foi utilizado por médico algum”. O general chegou a dizer que o aplicativo foi apresentado em Manaus somente como um “protótipo” ainda “em desenvolvimento”. No entanto, uma reportagem da TV Brasil, emissora oficial do governo, já mostrava à época que médicos estavam usando a plataforma.

Pazuello alega que o aplicativo foi “hackeado”. Reportagens feitas com base nos cálculos do TrateCov mostraram que o aplicativo recomendava a prescrição de cloroquina para quaisquer pacientes, incluindo grávidas e bebês. O medicamento, além de ser ineficaz para tratar Covid, pode provocar efeitos adversos nos pacientes.

Em 5 de janeiro, dias antes do colapso no abastecimento de oxigênio em Manaus, Marcellus Campêlo enviou ofício a Pazuello solicitando 60 mil comprimidos mensais de hidroxicloroquina para tratamento de pacientes com Covid-19. No documento, obtido por Crusoé, o secretário pede “urgência” para o fornecimento. Após a solicitação, o ministério entregou 120 mil cápsulas do medicamento ao Amazonas no dia 15 de janeiro.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Vocês da Crusoé deveriam ter mais respeito pela Dra Mayra e pararem de chamá-la pelo apelido pejorativo. Ela é uma pediatra competente e comprometida com o trabalho na saúde pública

  2. 1.324.223 motociclistas seguidores de Bolsonaro, em uma passeata em São Paulo. Não vi nada sobre esse assunto. Os jornalistas da Crusoe moram no Brasil 🇧🇷 é ?

    1. Foram apenas 12 mil motoqueiros bovinos. A diferença do calculo do bovino afranio é q bozistas são tao burros quanto os mortadelas petistas, nem regra de 3 sabem fazer...rs...

    2. 1.324232 motociclistas. Que precisão hein!!!! #Foragado

    3. E sobre mais de 500 mil mortes por COVID ? Você viu? Claro que viu .

  3. 1- Então cloroquina não faltou em Manaus, faltou oxigênio e leitos para os doentes. Já sabíamos que o TrateCov não tinha sido hackeado, como mentiu o general Pazuello. Agora será inaceitável ouvir os senadores bolsonaristas defenderem esses medicamentos. O Experimento de Manaus é cabal. Esse experimento foi macabro, foi desumano. Assistir ao Heinze recorrer ao Leito de Procusto quanto a dose, para embasar a sua narrativa cretina, será concordar com o Experimento de Manaus.

    1. Alguma semelhança com os experimentos do NAZISTAS Josef Megele ?

    2. 2- Girão dizer que não é médico e que os médicos estão divididos, será uma afronta aos brasileiros de bem. Existem pessoas que ainda defendem o nazismo, seria correto dizer que ocorre uma divisão entre o que aceitam e os que não aceitam o nazismo? O moleque cretino Marcos Rogério falou que o Brasil vai perder. Ainda bem que tem senador que pensa rápido: "Perderemos em breve infelizmente, 500 mil vidas " e o eu DONO está passeando de moto. A vida é feita de escolhas. E TODA ESCOLHA TEM UM CUSTO.

    1. Na verdade não existe misterio nenhum, pois tudo está muito óbvio. O que precisa é apenas a quebra dos sigilos dos servos das trevas e da morte, pois ficou mais do q claro q mentiram descarademente nos interrogatórios da CPI.

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO