Agência Senado

CCJ do Senado aprova projetos que derrubam decreto das armas

12.06.19 14:36

Por 15 votos a 9, a Comissão de Constituição e Justiça do Senado rejeitou o parecer do senador Marcos do Val favorável ao decreto do presidente Jair Bolsonaro que mudou as normas de uso de armas. A derrota do governo era prevista.

O parecer do senador do Cidadania do Espírito Santo era pela rejeição dos projetos de decreto legislativo que sustam o do presidente. Os projetos são dos senadores Humberto Costa, do PT de Pernambuco, Eliziane Gama, do Cidadania do Maranhão, Randolfe Rodrigues, da Rede do Amapá, e Fabiano Contarato, da Rede do Espírito Santo.

As propostas de decreto dos senadores vão agora para análise do plenário do Senado em regime de urgência. Antes da decisão, o líder do governo no Senado, Major Olímpio (foto), já previa a derrota. “Vai ser festa na quebrada, festa das facções”, avisou, durante a sessão. “Quem vai ganhar com isso é o  mundo do crime”, criticou.

O senador do PSL de São Paulo minimizou a derrota do decreto do presidente. “O compromisso dele (Bolsonaro) era de apresentar o decreto com verdade à sociedade”, afirmou. “Quem não está cumprindo o compromisso somos nós”, completou, referindo-se aos senadores.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Ao ver os nomes de quem apresentou os projetos é quase que natural inferir que eles agem em defesa das ORCRIM's - afinal, ou fazem parte de alguma ou são cúmplices.

  2. O Quênia parlamentares pro governo devem fazer agora é botar o PL3722 para votar e aprova-limpará revogar o estatuto do desarmamento. Se o senado obstar, volta a câmara e aprova com a sanção do presidente e que se dane a opinião do Senado.

  3. Espero que nas próximas eleições esses bandidos sejam varridos do mapa eleitoral. Impressionante como não pensam no povo.

  4. Façam as suas apostas: Bolsonaro ou retrocesso? Mais segurança ou menor possibilidade de defesa? Eu fico com Bolsonaro e mais segurança.

  5. ...continua a brincadeira do:eu posso mais;a minha é maior;quem manda aqui somos nós;se é do Bolsonaro eu sou contra;roubamos e daí!...e o país e o povo se ferrando a mercê desses marginais.

  6. O que estes distintos senhores precisam entender é que ninguém será obrigado a usar armas, é opcional, cabe a cada um decidir. Se um meliante decide assaltar, matar, traficar, é uma opção tomada por ele, não adianta criar outra lei proibindo de fazer coisas erradas, é de livre arbítrio. Cada um decide se quer ou não, se vai fazer algo ou não, leis ..... ora?!?! TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI, isto é o que deveria bastar!

    1. Opa, desculpe, estamos desestatizando! Começamos pela segurança, seguido pela previdência, que será individualizada (capitalização) mas eu não posso decidir quem administra, seguido pela educação e saúde! Um brinde a Terra Brasilis!

    2. O que a distinta leitora tem que entender, é que não quero correr o risco de um vizinho, bêbado, drogado, ou outra coisa, com uma arma nas mãos, ameaçando a quem não tem armas. Quem deve andar armado para defesa, segundo a constituição brasileira, é a polícia, a qual detém a OBRIGAÇÃO de garantir a segurança dos demais cidadãos. transferência de responsabilidade, até 31/12/2018 era coisa de petista, agora pode! O meu direito constitucional de ter segurança pública não conta!

  7. Um absurdo que senadores da CCJ vatem não tecnicamente, mas ideologicamente. Pior ainda que essa ideologia é contrária à opinião da maioria. Herança maldita de 13 anos de desgoverno de esquerda.

  8. Esse congresso atua às avessas da vontade da população. Fazem o que bem entendem e representam a si mesmos!!! Espero que os eleitores desses parlamentares promovam o troco na próxima eleição.

    1. Demorou! Deveria ter o crime de mandatário infiel! Patricaria o crime o político que fosse contra os interesses de quem o elegeu, assim como no caso do patrocínio infiel, no caso dos advogados!

  9. As atitudes das duas casas legislativas após a posse de Bolsonaro no mínimo tem de nos fazer pensar sobre se essa forma de governo que temos representa, de fato, os interesses do povo. Nada do que o Presidente faça escapa da censura do Legislativo. Nem mesmo uma reorganização ministerial, em que o Chefe do Executivo é quem deveria ter a palavra final. O legislativo já fez o seu papel aprovando o estatuto do desarmamento. A regulamentação da lei é atribuição do Executivo.

  10. Paises cujo povo tem armas nunca vira uma ditadura!!!! Por isso não que a esquerda não quer!! Ainda sonham em transformar o Brasil numa ditadura!!!

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO