Adriano Machado/Crusoé

A pressão da ‘bancada da bala’ sobre Bolsonaro

10.05.21 17:28

Os parlamentares da Frente Parlamentar da Segurança Pública do Congresso estão à espera de um encontro com o presidente Jair Bolsonaro. Os integrantes da chamada “bancada da bala” se reuniram com o ministro da Justiça e Segurança Pública, Anderson Torres, há cerca de duas semanas e pediram ajuda ao delegado da Polícia Federal para conseguir uma audiência com Bolsonaro. Historicamente aliados ao presidente, os parlamentares da bancada estão com relações estremecidas com o Palácio do Planalto.

Servidores da segurança pública como policiais civis, federais e agentes penitenciários pressionam o governo para serem excluídos da reforma administrativa. A categoria elevou o tom das críticas a Bolsonaro desde a aprovação da PEC Emergencial, em março. A proposta de emenda à Constituição congelou reajustes salariais para servidores e policiais tentaram — sem sucesso — ficar fora da PEC. A reação do segmento foi dura a ponto de servidores da segurança promoverem até protestos (foto) em frente ao Planalto.

“Pedimos ao ministro Anderson Torres que os policiais não entrem na reforma administrativa. Depois de grandes perdas com a reforma da Previdência e com a PEC Emergencial, os policiais estão sofrendo muito com a pandemia”, contou o deputado Capitão Augusto, do PL, líder da bancada da bala. “Agora, aguardamos a reunião com o presidente Jair Bolsonaro para tratar sobre esse assunto”. 

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Nenhum servidor deve ser excluído da reforma administrativa. Por sinal, essa reforma é até mais prioritária do que a reforma tributária. De que adianta alterar a arrecadação se o Estado continua perdulário e paquidérmico?

  2. Para que o Bozo irá se preocupar com a bancada da bala se o dinheiro todo está na mão dos grileiros? Bozo está sendo parcimonioso! Todo corrupto é assim!

  3. E o mar de violencia que jair bolsonaro quis chamar de dele agora se volta contra ele... Agora é Deus no ceu e a lei do capitao Nascimento na terra. Boa sorte Helena Mader; tome muiro cuidado porque Brasilia vai virar praca de guerra tbem e se proteja...as salivas acabaram mesmo e Jair nao liga se sangue de jornalista rolar. Xêru e estou orando por W.D.C (EUA) e Central do Brasil (Brasília) protejam se o mundo ja está em guerra e Brasil é centro desta guerra.

  4. Segundo a Constituição, todos são iguais perante a Lei. Exceto os servidores públicos, Forças Armadas e os grandes salários do serviço público? Tem sim que acabar com os privilégios dessas castas.

  5. Alguém deveria começar a pensar num sistema parecido com os americanos. Cada Estado decide, através de plebiscito o que é melhor. Lógico que no Sul a maioria concordaria com o armamento e no RJ e SP e outros Estados do Nordeste gostaria do desarmamento. Também, na mesma esteira, decidir sobre o voto impresso. Seria bom uma experiência dessas.

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO