Octacílio Barbosa/Alerj

Efeito na passagem de ônibus

24.11.19 13:25

A recente delação de Lélis Teixeira (foto), ex-presidente de dois dos principais sindicatos de empresas de transporte coletivo do Rio de Janeiro, vem causando abalos nos meios políticos e no Judiciário, como tem mostrado Crusoé. Mas se aumentou a apreensão no poder, as revelações podem resultar em alívio para quem anda de ônibus no Rio de Janeiro.

As declarações de Teixeira à Lava Jato do Rio de Janeiro afetaram os estudos que eram feitos para o reajuste da tarifa dos ônibus da capital fluminense, previsto para o fim do ano. Já é avaliada a possibilidade de não haver aumento, dizem interlocutores do setor.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Aliás, não é só o carioca que tem que perceber que aceitar ser roubado é passar recibo de TROUXA, mas qq brasileiro que aceite isto é um TROUXA.

  2. Se o indivíduo não internalizar que tanto a CRIMINALIDADE quanto a CORRUPÇÃO são maléficos para a vida dele, não então pq se insurgir contra ambas. Às vezes nem sentir na própria pele é o suficiente para o indivíduo decidir sair da situação em que ele se encontra, quando é assim, resta apelar para os brios do sujeito. Se nem isto funcionar, é pq a coisa não tem jeito. Portanto, não basta que a passagem não suba, ela tem que cair e o carioca tem que ser chamado de TROUXA.

  3. Ressaltando-se que não trata-se de mudar o jeito carioca de ser, mas em extirpar a parte dele que glamoriza e faz apologia da criminalidade e da corrupção. CRIME e CORRUPÇÃO não são bonitos, da mesma forma que a concepção de que basta "atirar na cabecinha" é simplista e não atua no cerne da questão, o oposto dela, que vê na CRIMINALIDADE uma coisa quase nobre pq ela é essencialmente exercida por indivíduos pobres e que não tiveram nenhuma chance na vida, tb é simplista e míope.

  4. Há que se mexer com os brios do povo, pq se nem com seu orgulho ferido o sujeito é capaz de reagir, então é pq não há nenhuma saída. O problema da corrupção e da criminalidade no Rio vão muito além da política e da justiça, é uma questão cultural e de mentalidade. E simplesmente não é possível se mudar o consciente coletivo do dia para a noite, a alma carioca é resultado de séculos de eventos, assim como a atual configuração geopolítica da cidade.

  5. O que um povo que se comporta como gado pode esperar a não ser abatido? É exatamente isto o que ocorre na roleta russa carioca, o sujeito sai de casa sabendo que alguém vai morrer na cidade e torce para que não seja ele ou alguém da família. Não basta que a passagem seja somente baixada, Witzel e Marcelo Crivella deveriam coordenar com os meios de comunicação para que os cariocas sejam chamados de TROUXAS por terem bancado CORRUPTOS caladinhos.

  6. E eles têm que ser chamados de trouxas pq são um bando de otários que adoram se passados para trás por CORRUPTOS. O estado do Rio está falido e os serviços públicos um caos, mas o título do Flamengo (muito merecido) levou multidões às ruas. É patético ver brasileiros invadindo CTs e ameaçando jogadores de futebol pq seus times estão mal no campeonato, mas que não movem uma palha para cobrar probidade e integridade dos CORRUPTOS.

  7. Só manutenção do preço não é suficiente, ele tem que ser reduzido. Parte do problema de Witzel no Rio de Janeiro não é só de ordem criminal, mas psicológica e cultural. A corrupção faz parte do modo de ser carioca, afinal, o mundo não é dos espertos? Há certas coisas que parecem irrelevantes, mas que associadas a outras medidas podem ter um grande papel para se demonstrar o mal que a corrupção semeia e dissemina. Baixar os preços das passagens é chamar o carioca de trouxa.

  8. Nunca tive vontade de morar no Rio de Janeiro por dois motivos: os bandidos violentos e os bandidos de colarinho branco (políticos).

  9. Existe um lado deste "caso" que nunca vi ser abordado. Este dado é a falha das reportagens. O Caso dura há mais de 60 anos. Limite a 30 anos as contas. Pela "as compras das autoridades" renderam para o "Grupo" e o "Roubo" à população dos seguintes números: R$00,20 (vinte centavos por passagem) x 365 dias x 30 anos = R$21.900 bilhões de reais!!!! Será que o crime não compensa? Sugiro a trajetória do Jacob Barata pai. Está no Google. Acrescentem José Feitoza (cunhado Gilmar Mendes), até PORTUGAL.

  10. Por acaso está insinuando que no reajuste da passagem estava contabilizado a propina? E os pobres pagando ? E o STF soltando (Gilmar Mendes soltando o propineiros)?

  11. É por essas e outras que o Legislativo Federal e o Judiciário estão fazendo tudo para acabar com a Lava Jato. Sabem que se ela continuar muita gente corrupta nesses dois poderes vão aparecer.

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO