AndreBueno-CMSP'Pacheco não tem dificuldade para decolar. Ele ainda não se apresentou como candidato'

‘Temos o nosso timing’

O presidente nacional do PSD, Gilberto Kassab, diz acreditar em Rodrigo Pacheco como pretendente ao Planalto, mas não crava candidatura. Ele defende que ainda há tempo hábil para a melhor decisão
14.01.22

Gilberto Kassab personifica como poucos o pragmatismo político. Para tentar ocupar o vácuo da terceira via e se consolidar como ator fundamental no ano eleitoral, o presidente nacional do PSD fez dois importantes movimentos de 2020 para cá: atuou fortemente nos bastidores para afastar o partido do governo Jair Bolsonaro e trabalhou para levar às fileiras da sigla nomes de peso da política nacional, como o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, e o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco. Nas duas frentes, foi bem-sucedido.

O maior desafio do ex-ministro de Dilma Rousseff e de Michel Temer agora é fazer com que o PSD esteja nas principais rodas de conversas da campanha presidencial e seja capaz de eleger uma robusta bancada no Congresso. Só assim, Kassab e o seu partido conseguirão o protagonismo político que tanto almejam a partir de 2023. Para alcançar o objetivo, no entanto, é necessário que a pré-candidatura de Pacheco ao Planalto, lançada no final do ano passado, ganhe fôlego. Por ora, o nome ainda não empolgou os eleitores, mas Kassab tira isso por menos, embora não trate como fato consumado o lançamento do presidente do Senado como candidato – uma decisão que, diz, deverá ser tomada até março. “Pacheco não tem dificuldade para decolar. Ele ainda não se apresentou como candidato. Ele tem cumprido o planejamento. Temos o nosso timing.”

Nos últimos dias, especulou-se que Kassab estaria, na verdade, se articulando para virar vice na chapa de Lula. Nesta entrevista a Crusoé, o presidente do PSD rechaça a hipótese de maneira contundente. “Olha, seria um desrespeito… Tenho o mínimo de inteligência política. A chance de eu ser candidato nessas eleições é zero”, diz. Com a mesma veemência, ele rebate as acusações de fisiologismo que pesam sobre o partido, criado em 2011. A prova do contrário, afirma, é que o PSD não foi cooptado pelo governo. A propósito, Kassab não economiza nas críticas ao se referir a Jair Bolsonaro. “As pessoas hoje têm desprezo por ele.”

O que explica a manutenção do cenário de polarização extrema entre Lula e Bolsonaro?
Essa polarização existe mesmo e se consolida, mas é cedo para firmarmos convicção de que esse será o resultado das urnas. Estamos nos aproximando do período das janelas partidárias, e a partir de abril é pré-campanha em período eleitoral. O que posso dizer é que o PSD não está preocupado com a polarização. O PSD vai ter candidatura própria justamente porque quer discutir o Brasil, discutir propostas, quer mostrar o que pensa, quer o debate. Estamos cansados de observar manifestações em relação a compromissos com o país no campo social, do desenvolvimento, da infraestrutura, mas que são folhas de papel que não vêm acompanhadas de nenhum plano de governo ou de manifestação em relação às contas públicas. É muito fácil falar que vai cuidar dos menos favorecidos, dos mais pobres, mas, antes de mais nada, é preciso cuidar das contas públicas. Só consegue cuidar dos menos favorecidos quem cuida das contas públicas. Não estou vendo ninguém debater o fortalecimento do SUS, o aporte de mais recursos ao sistema de saúde, por exemplo. Sou favorável a que as pessoas debatam propostas. Por isso, o PSD lançará candidatura e debaterá.

Caso Rodrigo Pacheco não decole, a quais possibilidades de aliança o partido estará aberto?
Primeiro, quero enfatizar que Pacheco não tem dificuldade para decolar. Ele ainda não se apresentou como candidato. Ele tem cumprido o planejamento e está avaliando a candidatura à Presidência. É uma decisão que não sai antes de março. Não tem por que sair. Não precisamos fazer como outros pré-candidatos, que tiveram que questionar, fazer prévias. O Pacheco vem levando essa discussão junto com o partido. Ele volta a Brasília em fevereiro e, aí sim, é hora de definir. Espero que ele seja candidato. E será um bom candidato. É uma pessoa muito inteligente e preparada, se tornou um dos principais advogados do Brasil. E entrou na politica para seguir seu sonho, com ascensão meteórica. Se elegeu deputado, presidiu a CCJ, principal comissão da Câmara, logo depois se elegeu senador e presidente do Senado. Hoje, é pré-candidato à Presidência, respeitado por todos. Temos o nosso timing. Não precisamos precipitar nada.

E se Pacheco lhe disser que não será candidato ao Planalto? Qual a alternativa?
Aprendi nesses quase 30 anos de vida pública que tem pergunta que não pode ter resposta. Se disser que tem plano B, C ou D, aí não tenho mais o plano A. Tudo tem seu tempo na política. Não é inteligente fazer essa discussão.

Há especulações de que o sr. estaria mesmo é tentando ser vice na chapa de Lula.
Olha, seria um desrespeito… Tenho o mínimo de inteligência política e bastante experiência. A chance de eu ser candidato nessas eleições é zero. Eu defini já, comigo mesmo, a minha participação nessas eleições. E ela se dará no campo partidário, nos planos nacional, estadual e municipal, junto com os candidatos.

Avener Prado/FolhapressAvener Prado/Folhapress‘As pessoas hoje têm desprezo por ele (Bolsonaro)’
Como vê a possibilidade de uma chapa Lula-Alckmin?
Quando a gente não conhece as circunstâncias, fica complicado opinar. Como estamos distantes, prefiro não me manifestar. Geraldo foi correto com o PSD. Nos procurou dizendo que era candidato a governador, repetiu à exaustão que era candidato a governador. E demos nosso apoio público, mesmo que fosse por outro partido. Num determinado momento, ele nos procurou e disse que deixava de ser candidato a governador para ir para um projeto nacional. Estamos procurando alternativas, pois teremos candidato a governador em São Paulo. Não ficou mágoa porque ele avisou com antecedência. Se fosse em abril, quando o partido não tem mais prazo para procurar outros projetos, diria que ele cometeu um erro. Mas nos procurou antes para avisar. Diante da realidade político-partidária brasileira, não ficou nenhum trauma.

O sr. descarta o apoio do PSD a Lula?
Em relação à candidatura do presidente Lula, como tenho companheiros de partido que defendem essa aliança, que são minoritários, não vou usar a palavra “impossível” porque seria um desrespeito com eles, mas não acredito. O senador Otto Alencar é aliado do PT na Bahia. O deputado (federal) Fábio Mitidieri é aliado em Sergipe. O senador Omar Aziz é aliado no Amazonas. São pessoas que ficariam felizes se houvesse essa aliança entre PSD e PT, mas não acredito que vá acontecer. Não falo que é impossível porque estaria agredindo essas pessoas. Tenho o bom hábito de saber respeitar as divergências e as opiniões diferentes.

Há quem diga que o PSD é uma espécie de “novo PMDB”, com grande capilaridade, com políticos da esquerda à direita e que procura compor com governos. Como o sr. enxerga essa comparação?
São pessoas mal informadas. Quem acompanha a política sabe que o PSD não tem esse perfil. Desde o primeiro dia deste governo, assumimos postura independente. Está acabando o governo e permanecemos independentes. Cadê o fisiologismo? Você tem alguma dúvida de que, se quiséssemos ter postura fisiológica, não seríamos atendidos pelo governo?

Quais são as suas impressões sobre Lula? Em sua avaliação, por que ele lidera as pesquisas?
Olha, primeiro, o Lula e o Bolsonaro têm recall (são lembrados pelo eleitorado). O recall ajuda muito. Lula, pelas diversas eleições e pelos oito anos de governo. Bolsonaro, porque foi eleito quatro anos atrás e é o atual presidente. O eleitor ainda não enxerga as outras candidaturas. Lula tem pontos negativos e positivos. Os negativos são todos os desmandos, as denúncias que não foram esclarecidas até hoje. E os positivos são os bons programas que o governo teve, como o Minha Casa, Minha Vida, o Saúde da Família, o programa de satélites, do qual participei, e que agora permitiu a tecnologia 5G… Eu elencaria aqui uns dez bons programas que são reconhecidos por todos e justificam o vinculo dos eleitores com ele ainda hoje. 

Avener Prado/FolhapressAvener Prado/Folhapress‘Olha, seria um desrespeito… (se articular para ser vice de Lula). Tenho o mínimo de inteligência política e bastante experiência’
Até que ponto os desmandos podem prejudicar Lula?
Eles vão voltar ao debate eleitoral e são temas importantes. Lula tem que se preparar para responder, para justificar.

Como o sr. avalia a gestão de Bolsonaro e a viabilidade eleitoral dele?
Avalio de maneira muito negativa. Não vejo, infelizmente, pontos positivos. Gostaria de ver, mas não vejo. Me fala uma marca do governo Bolsonaro. O Auxílio Brasil, esquece… É um Bolsa Família turbinado. Satélite 5G foi feito lá atrás. O Minha Casa, Minha Vida acabou. Fazia 1 milhão de casas por ano, agora o Casa Verde e Amarela faz 10 mil, 15 mil. Bolsonaro fala que está levando água do Rio São Francisco, mas isso começou no governo Lula.

Em 2018, o eleitor apostou na “nova política”. Haverá um novo fenômeno neste ano? Qual será a marca das eleições de 2022?
Será a marca da eficiência, dos resultados, da boa política. A eleição do Bolsonaro foi a eleição da negação da política. E foi uma experiência muito ruim. As pessoas vão olhar para candidatos e entender currículo, seus compromissos, a sua história.

Por essa ótica, a dos “resultados”, Rodrigo Pacheco não pode ser prejudicado por nunca ter administrado uma cidade ou um estado?
Discordo. Ele hoje é gestor público de um dos maiores orçamentos do país, que é o do Congresso Nacional. Ele tem experiência, sim. Foi muito bem-sucedido na iniciativa privada e é agora, na vida pública, na política e na gestão. Ele é chefe de um poder.

Avener Prado/FolhapressAvener Prado/Folhapress‘Você tem alguma dúvida de que, se quiséssemos ter postura fisiológica, não seríamos atendidos pelo governo?’
Como o sr., que já foi e ainda hoje é investigado, observa o movimento para enterrar a Lava Jato?
Eu não vou defender nem atacar ninguém. Só posso dizer que, em relação a mim, tive conduta ilibada em todos os cargos que ocupei na vida pública e estou muito tranquilo em relação ao presente e ao passado. E confiante em relação ao futuro. Não vou me manifestar porque todos sabem que houve erros e acertos. De todos. Seja do lado do Executivo, com corrupções, seja do lado do Ministério Público e do Judiciário, com exageros que claramente ocorreram. Não vou pormenorizar esses erros e acertos. Só posso falar por mim.

O perfil da nova política não se sustentou no Congresso. A atual legislatura não trouxe grandes novidades. Por quê?
A pandemia congelou muito as discussões no mundo. Isso é mais do que compreensível. No Brasil, o governo fez uma parte, distribuiu recursos depois de ser muito pressionado, mas por outro lado a política negacionista fez com que ele perdesse credibilidade. Cada pessoa morta impacta mais ou menos 100 pessoas, entre família, vizinhos, colegas de trabalho, amigos. E tivemos 700 mil mortos. Quando o presidente vem negando a máscara, participa de aglomeração e ignora a vacina, perde o respeito dessas 70 milhões de pessoas, que passam a não considerar mais o presidente. Ele foi perdendo legitimidade. As pessoas hoje têm desprezo por ele. Falo isso de maneira bem isenta, porque a recomendação do nosso partido para as bancadas é ajudar o Brasil. Se o governo explodir, o Brasil explode junto. Também não aceitamos aquela conduta de esmagar o adversário, é isso que diferencia o PSD de outros partidos. Vamos fazer a boa política e discutir políticas públicas.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Se eu já não conhecesse a figurinha, pensaria que ele tem bom senso, mas ele ensaiou bem boas respostas que obviamente não condizem com seus interesses. Há de dar os parabéns a ele, pois está preparado o terreno para ter o poder mais a frente.

  2. Este se manifesta como mais um dono de mais uma faccao politica do Brasil, possuidor de muitos milhoes dos quais todos os donos das outras faccoes tambem se apropriam, numa clara rapinagem dos cofres publicos dos quais se apropriaram e se locupletam com as caras de pau que orgulham-se possuir. NEM PASSADO, NEM PRESENTE, MORO PRESIDENTE.

  3. 2 frases nessa entrevista deixam bem claro o naipe desse sr: -ainda não foram esclarecidos os desmandos do Lula; -é independente do governo ao mesmo tempo que é seu partido um dos mais agraciados pelo orçamento secreto. Mais cristalino é impossível.

  4. Um presidente de partido que afirma que desmandos e denúncias de lula ainda nao foram esclarecidas até hoje , defendendo o maior corrupto do Brasil , está louco ou é da mesma laia do luladrao

  5. Bom entrevistar este corrupto, assim podemos critica-lo ou elogia-lo como ele merece. Garanto que tera 99,99% de criticas. NEM PASSADO, NEM PRESENTE, MORO PRESIDENTE.

  6. Este compoe a nata da corupcao brasileira, vejamos com quem se junta sempre com corruptos iguais a ele como pachequinho. Ate os mineiros ja sabem o que este corrupto mineiro fez e fara sempre por Minas e seu povo, segurando como o alcolumbre os mesmos objetivos de impunidade dos seus pares corruptos, sacaniando o povo que os elegeram. NEM PASSADO, NEM PRESENTE, MORO PRESIDENTE.

  7. Não confio nesse político! Está sendo investigado, e continuamos sentados esperando a conclusão de mais um inquérito.#MoroVenceBolsoLula! O repórter fez a sua parte. Não acusem o mensageiro pela mensagem.

  8. "personifica o pragmatismo político?". Começou mal a reportagem, sr. repórter. O asfalto todo de Brasília sabe que esse cara personifica a corrupção no Brasil. Não é o pior, mas é mais uma dessas detestáveis figuras que infestam e destróem o país, de cima para baixo. Não precisava ter se dado ao trabalho dessa reportagem que para a maioria dos leitores vai direto para a lata do lixo. Se esforce um pouco mais para que a assinatura da Crusoé valha a pena, sr. reporter.

    1. Começa pelo repórter! que piada de mau gosto essa reportagem....

  9. Já percebeu : todo vagabundo, ladrão crítica bolso.22. impressionante! Globo,maisnada, STF,mídia canalha!mst,petralhas,morotraira,funç.publicos! Judiciário! Por isso e bolso.22 para o bem do Brasil, ou Venezuela na veia!

  10. Kassab é piada pronta. Pacheco não autorizou a CPI da COVID e só age no interesse próprio. Que brilho? Que respeito? Kassab igual a muita gente, dança por qualquer vintém. O Brasil já está cansado de gentalha.

  11. Como estão as relações entre Kassab e seu parceiro eterno Rodrigo Garcia ? Estranho um, aparentemente, no projeto de Doria e Kassab claramente no projeto de Lula. Terceira via, mesmo, só o Moro.

  12. Kassab e R. Pacheco, o inexpressivo falando do outro inexpressivo. O que fez esse Pacheco quando tinha poder para atuar, absolutamente nada. Continua sendo um inexpressivo desconhecido da população, que continue assim.

  13. Bandidos pousando de mocinhos. No faroeste a brasileira bandido vira mocinho sempre. Porisso que nao conseguimos nunca fazer um filme de faroeste. Nao tem passado nem presente, SERGIO MORO PRESIDENTE. 2022 vamos de MORO, JAIR caindo fora.

  14. A revista deixou passar uma grande chance de apertar esse pilantra. O reporter deu mole e ele se passou como honesto,honrado. Uma pena .

    1. Nem perdi meu tempo pra ler. E estava certo então. Esse kassab é carniça. Só urubú gosta. Um inútil que vai pro ostracismo com pachecão.

  15. Até os kibes dos restaurantes árabes da 25 de Março sabem que Kassab gosta de grana, venha ela de onde vier. A candidatura do Pacheco, que apresenta resultados pífios nas pesquisas, não irá para frente. Como Kassab não terá chance de conseguir uma grana fácil se Moro sair vitorioso, é claro que ele passará a apoiar Lula ou Bolsonaro. Com qualquer um desses, a possibilidade de aumentar sua fortuna, que é o que Gilberto Kassab sempre buscou atuando no jogo da política, é certa.

    1. Roberto quem é proprietário de um partido na verdade nem precisa roubar de forma ilegal pois a lei já lhes dá bilhões imoral transfusão sangue de um povo pobre humilde que a cada dia perde a esperança ... o assalto ao povo neste país virou lei algo triste cruel e desumano ... quem pode pagar um advogado pode roubar á vontade vai ao STF legando alegando fraude na coleta de provas e está impune e quem sabe virar presidente.

  16. . Kassab pode ser o que quiserem mas é lúcido e hábil político ... o senador Pacheco tinha tudo para ser o tertius mas vacilou acovardado no pedido de impedimento do ministro Morais que estuprou e estupra o Estado como quer e não há reação à altura ... sua ascensão política morreu na covardia omissão e submissão sabida por mais de 150 processos contra parlamentares na tal "suprema" côrte ... o poder não é para fracos e frouxos e Kassab sabe muito bem disto.

    1. Perfeitos seus comentários Sr. Amaury. Concordo plenamente com o senhor. Esse Kassab é pior que urubu na carniça, ele é apadrinhado do Maluf e Salim Curiati. Nunca tra balhou na visa e foi preparado pra fazer carreira na política incentivado por Paulo Salim Maluf e Salim Curiati, seu tio, se não me falha a memória.

  17. O que me causa uma certa espécie é que o sr. Kassab há um mês atrás dava como certeza a candidatura do Pacheco e que não abriria mão de candidato próprio do PSD...cara, nem de vice o Pacheco consegue!

    1. Basta olhar os votos do PSD para ver o que eles querem.... Sempre aliado dos petistas, sempre votando a favor da impunidade, sempre favoravel a aos privilégios dos politicos , a aumento do fundo eleitoral ...... Chega de conversa bonita ...Precisamos é checar os votos desse parlamento fétido..

Mais notícias
Assine 50% off
TOPO