Equipe

  • Mario Sabino é jornalista, escritor, sócio-fundador e publisher de Crusoé. Escreve sobre política e cultura. Foi redator-chefe da revista Veja.




  • Diogo Mainardi é jornalista, escritor e sócio-fundador de Crusoé. Escreve sobre política e cultura. Foi colunista da revista Veja e fez parte da equipe do programa Manhattan Connection.



  • Rodrigo Rangel é capixaba, formado pela Universidade Federal do Espírito Santo. Está desde 2003 em Brasília. Desde então, passou pelas redações de Correio Braziliense, O Globo, IstoÉ, Época e O Estado de S.Paulo. Até assumir o posto de diretor de redação de Crusoé, assinava reportagens na Veja, onde era editor-executivo. Entre outros prêmios de jornalismo, ganhou três vezes o Esso. Gosta de contar histórias que os poderosos tentam esconder.

  • Sérgio Pardellas é brasiliense e trabalha em redações desde 1999. Em setembro de 2004, foi um dos autores da primeira denúncia do mensalão petista, publicada pelo Jornal do Brasil. No JB, foi editor de política e colunista do Informe JB. Antes de ingressar na equipe de Crusoé, era diretor de redação da IstoÉ, onde trabalhou por 12 anos. Na revista, disputou a final do prêmio Esso com uma reportagem sobre desvios nas obras metrô de São Paulo, foi autor da primeira denúncia contra Paulo Preto e editou matérias que culminaram com o impeachment de Dilma Rousseff, como a delação de Delcídio Amaral.

  • Duda Teixeira é jornalista formado pela USP. Escreveu os livros Guia Secreto de Buenos Aires (Record) e O Calcanhar do Aquiles (Arquipélago). Com Leandro Narloch, publicou o Guia Politicamente Incorreto da América Latina. Sua última obra, 100 Dúvidas Universais (Kindle), é uma reunião de posts publicados em seu blog da Veja, onde trabalhou por doze anos.

  • Fabio Leite é paulista. Formou-se em jornalismo pela Universidade Metodista de São Paulo, em 2006. Trabalhou como repórter nas redações dos jornais O Estado de S. Paulo, Folha de S.Paulo, Agora São Paulo e Jornal da Tarde, além de ter sido colaborador do UOL e da Veja Online. Nos últimos anos, atuou com foco em política e administração pública, cobrindo grandes casos de corrupção como as obras do Metrô e do Rodoanel. Também produziu reportagens sobre a Operação Lava Jato.

  • Rogério Ortega, formado em jornalismo pela USP, trabalhou na Folha de S.Paulo por 26 anos. Foi editor da seção Tendências/Debates, chefe do Programa de Qualidade, redator da Primeira Página e coordenador de reportagens especiais do caderno Mundo, entre outras funções. É um dos culpados pela edição de 2001 do Manual da Redação do jornal, que vigorou até 2018. Juntou-se a O Antagonista em agosto de 2017. É colunista de Crusoé, onde escreve sob o nome de Ruy Goiaba, seu alter ego desde 2001.

  • Helena Mader é repórter em Brasília desde 2001. Trabalhou no Correio Braziliense por 15 anos e passou também pelas redações do Jornal do Brasil, do Jornal de Brasília e da RFI, em Paris. Durante quatro anos, fez entrevistas ao vivo com políticos na TV Brasília/Rede TV. Estudou jornalismo na Universidade de Brasília, na Université Grenoble Alpes (França) e tem especialização pelo Uniceub. Ganhou os prêmios Vladimir Herzog, Tim Lopes e MPT de Jornalismo, e foi finalista do Esso e do CNT.

  • Ana Viriato formou-se em Jornalismo pelo Centro Universitário de Brasília, o Uniceub, em 2016. Começou a carreira no Correio Braziliense, onde acompanhou, por três anos, os bastidores da política e do Poder Judiciário do Distrito Federal. Nesse período, produziu reportagens que revelaram desvios de recursos públicos pelo PROS na campanha de 2018. É brasiliense.

  • Luiz Vassallo é paulista. Formou-se em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero, em 2014, e trabalhou no Grupo Estado entre 2013 e 2020, onde cobriu Poder Judiciário, a Operação Lava Jato e produziu reportagens sobre corrupção no governo estadual e na Assembleia Legislativa de São Paulo.

  • André Spigariol é paulista, formado em jornalismo pela Universidade de São Paulo. Fascinado por relações exteriores, política e economia. Anteriormente, foi repórter da CNN na capital federal. Há uma década na comunicação, já fez de tudo no jornalismo, do esporte à cultura. Suas reportagens já levaram à identificação de fraudes eleitorais, jurídicas e administrativas no centro do poder.

  • Patrik Camporez é capixaba, com passagem pelas redações de Estadão, O Globo, Época e A Gazeta (ES). Na área de investigação, venceu prêmios como o Vladimir Herzog, MPT, Petrobras, República, IREE e o internacional Citi Journalistic Excellence Award. Também foi finalista nacional do Esso de 2015 e do Prêmio Latino-Americano de Jornalismo Investigativo. Está há quatro anos em Brasília. Formado em Jornalismo e Ciências Sociais, tem mestrado em Comunicação pela Universidade Federal do Espírito Santo.





Assine 7 dias grátis
TOPO