Adriano Machado/CrusoéCiro Nogueira se transformou no homem forte do Planalto

O dono do governo

Como o ministro Ciro Nogueira, um dos chefões do Centrão, está mandando e desmandando na gestão de Jair Bolsonaro
29.10.21

Ao lado do presidente Jair Bolsonaro, o ministro da Economia, Paulo Guedes, acusou em alto e bom som a ala política do governo de fazer “pescaria” em busca de nomes para substituí-lo no cargo. Apesar de não ter apontado os responsáveis pelo “fogo amigo”, o principal alvo da ira de Guedes na sexta-feira, 22, despacha no terceiro andar do Palácio do Planalto, a poucos metros do gabinete presidencial e, em menos de três meses no governo, acumula um poder já comparado ao que era exercido pelo petista José Dirceu nos primeiros anos da era petista.

Após assumir o comando da Casa Civil no início de agosto com o discurso de que seria o “amortecedor” de Jair Bolsonaro, Ciro Nogueira virou muito mais do que um para-raios dos problemas do presidente. Hoje, ele é uma das figuras mais influentes do governo. Representando as ambições de seu grupo político, o Centrão, as dele próprio e os interesses do Planalto, Ciro passou a atuar tanto no aconselhamento político do presidente como na estratégica função de definir para onde devem seguir fatias importantes do orçamento da União – e não é muito difícil intuir qual é o destino. Ele não se faz de rogado. Costuma dizer a quem o visita que o “futuro de Bolsonaro” passa por seu gabinete. A despeito do exagero retórico, o ministro piauiense tem, realmente, recebido carta branca para desenrolar assuntos políticos e, principalmente, orçamentários.

Antes da ascensão de Ciro Nogueira à chefia da Casa Civil, a atribuição de repartir os recursos entre os aliados cabia ao então ministro da Secretaria de Governo, general Luiz Eduardo Ramos. O poder mudou de mãos e de sala. Atualmente, quase todo dinheiro para investimentos do Ministério do Desenvolvimento Regional, comandado por Rogério Marinho, depende da caneta de Ciro também. É ele também quem decide o destino de parte expressiva das verbas destinadas aos ministérios do Turismo, da Cidadania, da Infraestrutura e até da Defesa.

Cientes de que a Casa Civil é hoje o caminho mais curto para destravar a liberação de dinheiro do orçamento federal, prefeitos e parlamentares passaram a bater na porta do ministro para levar toda sorte de demandas. Seja para pedir verba para construir uma escola, seja para reformar um hospital ou pavimentar ruas. Normalmente, quando o prefeito representa uma cidade relevante para os planos políticos de Bolsonaro, ele recebe tratamento especial: costuma ser atendido pelo próprio ministro. Quando representa uma cidade menor, cabe aos auxiliares de Ciro atendê-lo. É o líder do Centrão, porém, que faz o que se convencionou chamar na Esplanada de “cálculo político” de cada verba empenhada.

Funciona assim: quando um prefeito desembarca na capital federal, ele é orientado a procurar algum parlamentar aliado do governo capaz de ciceroneá-lo até o gabinete de Ciro. Chegando lá, se a demanda é bem recebida, a equipe do ministro indica qual é o ministério mais apropriado para carimbar a transferência do dinheiro. Ato contínuo, o prefeito é orientado a cadastrar o projeto de seu interesse na plataforma do portal de convênios da pasta escolhida para que o dinheiro seja formalmente reservado. Cumpridos os trâmites burocráticos, é definido o montante a ser pago. Com o aval do todo-poderoso ministro da Casa Civil, não raro o dinheiro vai parar nas contas da prefeitura em questão de dias.

Adriano Machado/CrusoéAdriano Machado/CrusoéO chefe da Casa Civil até articulou com o Centrão um nome para substituir Paulo Guedes
Se o autor do pedido é um parlamentar, e não um prefeito, em geral entra em cena, ao lado de Ciro, o secretário-executivo da pasta, Jônathas Assunção de Castro. É Jônathas quem organiza a planilha que detalha quanto cada parlamentar já recebeu do governo em emendas. É o controle do “cálculo político” – um registro necessário para se cobrar, depois, a retribuição na forma de apoio. O Planalto se vale do banco de dados para decidir sobre a pertinência do pedido, como também para cobrar a fatura mais adiante durante votações decisivas no Congresso. Jônathas é um experiente na tarefa. No período em que coube ao general Luiz Eduardo Ramos a gestão do chamado “orçamento paralelo”, usado pelo governo para garantir o apoio da base do governo no Congresso, era ele também quem coordenava as planilhas – o assessor funcionava como uma espécie de “gerente” dos repasses. Após a distribuição das verbas passar para a Casa Civil, ele logo foi incorporado ao time de Ciro Nogueira.

Como o ministro costuma privilegiar os políticos do seu partido, o Progressistas, seu gabinete passou a receber no governo o epíteto de “Puxadinho do Centrão”. De agosto para cá, Ciro teve pelo menos 50 encontros oficiais com políticos da legenda. Atendido recentemente pelo ministro, Beto Teles, vice-prefeito de Parnaíba, no Piauí, atesta que Ciro é o grande responsável pela liberação dos recursos: “Praticamente tudo é o ministro Ciro Nogueira que tem mandado para a gente aqui”. Teles é correligionário de Ciro no Progressistas.

Quando o pleito envolve a transferência de verbas para o reduto eleitoral do ministro, o recurso costuma sair mais rapidamente. No último encontro com Ciro, o vice-prefeito pleiteou a liberação de 18 milhões de reais para a construção de um “piscinão” destinado ao escoamento de águas de enchentes. O ministro, diz Teles, autorizou o empenho da verba do Ministério do Desenvolvimento Regional sem sequer comunicar o ministro Rogério Marinho. “Eu perguntei a ele qual era o caminho. Ele disse para fazer pelo MDR. Sem passar pelo Marinho”, afirma o vice-prefeito.

Os planos e ambições do ministro da Casa Civil se entrelaçam às conveniências de Bolsonaro. Como o presidente está em negociações avançadas para se filiar ao Progressistas, a intenção do governo é fazer jorrar dinheiro nas cidades comandadas pelo partido, para, dessa forma, fortalecer politicamente seus futuros cabos eleitorais. Na Paraíba, por exemplo, quem irá abrir palanque para Bolsonaro será o deputado do Progressistas Aguinaldo Ribeiro, candidato ao Senado. No dia 26 de agosto, Aguinaldo se reuniu no gabinete de Ciro Nogueira com o prefeito de João Pessoa, Cícero Lucena, do mesmo partido de ambos, que já prometeu apoio nas eleições de 2022 — e que saiu de lá com a promessa de que haverá dinheiro para irrigar o caixa da prefeitura.

Dito e feito. No dia 10 de outubro, o governo empenhou 16 milhões de reais para obras viárias no município. Outros 29 milhões de reais já haviam sido reservados, com a mesma finalidade, meses antes. O prefeito comemorou: “Ciro é um grande nome que já está desenvolvendo um trabalho importante à frente da Casa Civil e que se colocou de prontidão para ser um parceiro de nossa gestão no que for preciso”.

Reprodução/Redes SociaisReprodução/Redes SociaisCiro com Davidson Tolentino, apontado como operador do PP: encontro reservado após investigação
Enquanto beneficia os aliados do governo e os dele próprio, Ciro é acusado de deixar de atender às demandas de municípios que não são tão interessantes ao governo sob a perspectiva eleitoral. A Frente Nacional de Prefeitos, FNP, por exemplo, diz que o ministro da Casa Civil tem dado de ombros às dificuldades enfrentadas por essas cidades, em especial, no setor de transporte público urbano. “Se há uma concentração de recursos em determinadas regiões que são redutos eleitorais, isso atrapalha os demais municípios. Vai haver dois pesos e duas medidas e tratamento desigual”, reclama o prefeito de Ribeirão Preto, Duarte Nogueira, do PSDB, que representa a frente nas relações com o Congresso.

Para além do interesse em beneficiar o provável futuro partido, os políticos que orbitam em torno dele e seus aliados, Bolsonaro resolveu empoderar Ciro Nogueira por entender que essa é uma maneira de amarrar o apoio do Centrão como um todo em 2022. O bloco fisiológico é conhecido por sugar tudo o que pode do presidente de turno, para abandoná-lo sem o menor pudor às portas da eleição, caso o mandatário da vez se mostre inviável eleitoralmente. Ao aquinhoar as legendas que compõem o grupo e conferir poder aos seus principais líderes, Bolsonaro acredita que com ele a história será diferente.

Em um primeiro momento, o objetivo do presidente ao escancarar as portas do governo ao Centrão foi o de ampliar a sua base de sustentação no Congresso. A lista de agrados começou com a distribuição de cargos para indicados dos partidos em órgãos estratégicos, como o comando do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas, o DNOCS, e a diretoria do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, FNDE. A influência do Centrão no governo aumentou em junho de 2020, após a prisão do ínclito Fabrício Queiroz, acusado de operar o esquema de rachid no gabinete do “01” Flávio Bolsonaro na Alerj. Com o fantasma do impeachment rodando o Planalto, tornou-se necessário aumentar quantitativa e qualitativamente as benesses. Foi quando aportaram no Planalto Ciro Nogueira e Flávia Arruda, nomeada ministra da Secretaria de Governo, chancelada pelo notório Valdemar Costa Neto, do PL.

Os mais do que conhecidos ônus de se aliar ao Centrão de Ciro e companhia limitada, e que Bolsonaro fez questão de ignorar em nome do seu projeto de poder, aos poucos vão ganhando a superfície. Boa parte do dinheiro manejado pela turma tem irrigado contratos superfaturados e movido esquemas de corrupção. Recentemente, dois indicados do Centrão, Tiago Pontes Queiroz, então secretário Nacional de Mobilidade Urbana, e Davidson Tolentino, então diretor de revitalização da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba, Codevasf, pediram exoneração dos cargos que ocupavam, depois que começaram a ser investigados pela Polícia Federal.

Pontes e Tolentino foram os responsáveis por licitações bilionárias com indícios de superfaturamento com verba do orçamento secreto — ambos já haviam se metido em rolos no Ministério da Saúde, durante a gestão de Ricardo Barros, do mesmo Progressistas. Dois dias antes da operação que os apanhou, em setembro, jornais de Pernambuco noticiaram que Ciro fez um “pit-stop” relâmpago em Recife, para falar com Tolentino. Os dois foram vistos almoçando em um restaurante próximo ao aeroporto da capital pernambucana. Nada que abalasse, no entanto, o prestígio de Ciro junto ao presidente. Ao menos enquanto a parceria entre o governo e o Centrão for vantajosa para ambos, o ministro da Casa Civil seguirá ostentando muito poder.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Ao que parece Bolsonaro hoje é coadjuvante no governo, quem manda mesmo é o Centrão, capitaneado por Ciro Nogueira e Arthur Lira. Se o dinheiro dessas emendas se fosse 100% gasto em obras e serviços realmente necessários, o país seria outro. Mas o que há de desvio de recursos na caminhada do dinheiro até a boca do caixa de quem recebe, é o problema, como ja visto tantas vezes em obras superfaturadas e inacabadas. O nome disso é corrupção como provou o Mensalão e a Lava Jato. Moro Presidente!!

  2. E essa turma de "apoiadores" com certeza já está com os planos A a Z para o próximo ocupante do cargo seja quem for, jamais deixarão de ser a sombra que se alimenta das entrelinhas, dos entretextos, das entranhas e dos contextos que são em grande parte originários das origens perversas do patrimonialismo...a questão é como extirpar tal câncer maligno.

  3. Este é mais um dos inúmeros profissionais da política, nefasto, e que defende interesses excusos pra si e pro grupo que o apoia. Este tipo de politico é um atraso pro país, colocou a mãe no senado, o objetivo desta gentalha é a perpetuação no poder manobrando o povo pobre do seu curral eleitoral em todas as eleições e garantir a continuidade. O Brasil está cansado destas figuras nocivas, quem sabe um dia caiam no ostracismo.

    1. Bem no alvo. o governo é reflexo do seu povo. Políticos fisiológicos vieram do povo. Enquanto o cidadão não evoluir, deixar de lado a corrupção e apenas interesses próprios, vamos seguir nesse jogo sujo da política do toma lá dá cá... É fato: a gente somos inútil...

  4. A Democraacia, para não dizer, Demonarquia. Leva-nos a conviver com esse tipo de coisa. A ganância do Poder não tem limite e nem vergonha! O pior é que temos que admitir que, sem esse tipo de comportamento perverso, os políticos não sobrevive embora isso retrate a ignorância de um povo medíucre invaidecido pela paixão.

    1. Quem dera que esse descalabro fosse mera fofoca, sem conexão com a realidade. Quem dera! Porém, conhecendo a Crusoé e sabendo do cuidado que se tem com a apuração dos fatos, eu não tenho essa ilusão...

  5. BOZO E FILHOTES SO CONTINUAM GRAÇAS A ESSA ES CORIA OPORTUNISTA ,EX ALIADA DO PT E IMPUNE GRAÇAS AOS COR RUPTOS DA JUSTIÇA .PP PARTIDO PODRE

    1. William, lá vai o bordão: BOLSONARISTA É TÃO BURRINHO. Um governo sério, usa os recursos do país com responsabilidade. Um gestor sério, diante de recursos limitados, faz escolhas que contemple o que é melhor para a sociedade como um todo. Um CORRUPTO direciona o nosso dinheiro para a sua quadrilha, e depois pega a sua parte no butim. Mor🇧🇷 2022.

  6. O Ciro atende primeiro a seus interesses, segundo ao partido e por último ao planalto. O PR que se cuide, não é difícil que abandonem o barco, caso o índice de rejeição aumente. Até lá já engordaram muito seus cofres. Agora entra governo, sai governo a farra continua, só sobra para os contribuintes. Até quando?

  7. vamos a FATOS .. até o momento o que aliados roubaram neste governo? jorNAZISTAS jogam seu fedor e bosta para cima mas não apontam fatos e jornalismo que não se pauta por fatos é LIXO e dos mais pôdres . vamos lá apontem.

    1. PAULO e suas narrativas, cadê os fatos. PAULO o seu PSDB e o MDB Roubaram juntos com quadrilha do PT por anos à fio. Sinto decepcioná-lo mas MORO é um sonho de verão, excelente Juiz, ótimo jurista mas como político se perdeu na primeira oportunidade que lhe foi dada. Uma pena, Moro como político é é será um excelente Magistrado.

    2. Não confunda ausência de evidência com evidência de ausência. Bolsonaro é um 🐀. E ratos comem tudo aquilo que tem acesso. No caso das rachadinhas o 🧀  era pequeno. Agora como presidente, ele tem uma queijaria à disposição. NO FINAL PREVALECE A NATUREZA DO RATO. Mor🇧🇷 2022.

    3. Vamos aos fatos. Se ñ fosse a Lava Jato, o PT estava roubando o Brasil até hoje. Bolsonaro acabou com a LJ, aparelhou a PF e se blindou na PGR, bem como já se garantiu no STF. Avançando no raciocínio, seu filho 01 comprou uma mansão e o 04 mora noutra mansão. A corrupção nos casos das rachadinhas, já é ponto pacífico. Lula buscou não deixar a digital dos seus 9 dedos nos crimes. Bolsonaro usa a mesma estratégia. Investigações estão em curso, mesmo com a blindagem.

  8. Esses esquemas de Brasília são um pesadelo! Brasília se tornou um câncer pra nação! Há um movimento para que o Rio volte a ser a capital do país. Assim, os cidadãos das Regiões Sudeste e Sul - que produzem e geram o PIB - podem controlar melhor o que fazem com o dinheiro dos nossos impostos. Basta dos esquemas espúrios de Brasília!

    1. Silvana, o nível de corrupção em todos os nossos estados é alarmante (lá no Rio, pelo menos, eles vão presos), mas a questão é forçar o político bandido a conviver na rotina de uma grande cidade. Ajudaria muito.

    2. No Rio, estariam acesos os holofotes sobre a podridão do governo federal, eleito por todos os brasileiros. O distante deserto chamado Brasília é um excelente esconderijo. Em uma grande metrópole, presidente da república ladrão é tratado com “picaretaço” (pesquisem no Google).

    3. Socorro!!! O Rio é igual ou pior que Brasilia, foi onde Corte de D. João VI começou a distribuir benesses.

    4. Mais o nível de corrupção do Rio é inferior ao de Brasília?

  9. ORÇAMENTO SECRETO, RACHADINHAS, CORRUPÇÃO nas VACINAS e MANSÕES para o 01 e 04! BOLSONARO é um DEGENERADO MORAL que IMPEDE o BRASIL de AVANÇAR! Em 2022 SÉRGIO MORO “PRESIDENTE LAVA JATO PURO SANGUE!” Triunfaremos! Sir Claiton

  10. Ciro Nogueira já devia estar longe da política faz tempo. Não está porque nossa justiça é padrão GILMAR MENDES. Bolsonaro ao sancionar à "antilei" da impobridade administrativa, atende ao padrão GILMAR MENDES de justiça. Então eu pergunto: ATÉ QUANDO OS BRASILEIROS VÃO ACEITAR O PADRÃO GILMAR MENDES DE JUSTIÇA? Pois, enquanto elegermos vermes como o Bolsonaro e o Lula, é esse padrão que vai vigorar. E OS CIROS NOGUEIRA DE OCASIÃO, AGIRÃO À LUZ DO DIA. Mor🇧🇷 2022.

  11. Infelizmente neste desgoverno FAMILICIA BolsoNero apenas a corja de asseclas mudou de mãos: de Lulaladrão para BolsoNero; de J Dirceu para Ciro Nogueira, e assim vai,cada um com seus iguais.

  12. Por mais que eu queira estar bem informada, essas sextas feiras me trazem angústia e imensa tristeza ao ler essas reportagens. Pensando em cancelar.Quero ser feliz!

Mais notícias
Assine 50% off
TOPO