Adriano Machado/Crusoé

Irmão de Miranda já depôs contra empresa da Covaxin antes do escândalo das vacinas

19.07.21 07:19

Muito antes de levar até o presidente Jair Bolsonaro e, depois, detalhar à CPI da Covid no Senado as irregularidades na compra da vacina Covaxin, Luis Ricardo Miranda (foto), irmão do deputado Luis Miranda e servidor de carreira do Ministério da Saúde, já havia prestado depoimento contra o mesmo grupo empresarial envolvido na importação do imunizante indiano. E pelo mesmo motivo: o pagamento antecipado do governo ao fornecedor.

Em outubro de 2018, Luis Ricardo foi ouvido pelo Ministério Público Federal na investigação sobre um contrato feito pelo ministério com a Global Gestão em Saúde, para fornecer medicamentos para tratar doenças raras. De acordo com dados da Receita Federal, a Global é uma das sócias da Precisa Medicamentos, empresa que representa no Brasil o laboratório indiano Bharat Biotech, fabricante da Covaxin. A apuração foi aberta porque a empresa recebeu antecipadamente 19,9 milhões de reais transferidos pela pasta, mas nunca entregou os remédios contratados. Segundo o MPF, a falta dos medicamentos causou a morte de pelo menos 14 pacientes.

Chefe da divisão de importação do ministério, Luis Ricardo disse na oitiva que o pagamento antecipado no caso de insumos importados era “absolutamente fora do comum”. A mesma informação foi dada por outros dois servidores da pasta. “O fluxo normal não é este, mas sim o do pagamento posterior ao recebimento do produto em depósito”, disse o irmão do deputado Luis Miranda na ocasião.

A investigação do MPF apontou para uma “pressão” para antecipar o pagamento à Global feita sobre servidores técnicos da pasta pelo então ministro da Saúde e atual líder do governo de Jair Bolsonaro na Câmara, Ricardo Barros, e outros dois dirigentes comissionados na pasta: Davidson Tolentino, indicado pelo senador Ciro Nogueira, e Alexandre Lages Cavalcante, ligado ao presidente da Câmara, Arthur Lira. Todos do Progressistas, antigo PP.

Tanto Barros quanto os dois dirigentes apadrinhados pelo Centrão foram alvos de uma ação movida pelo MPF e viraram réus junto a Global, que até hoje não devolveu os 19,9 milhões de reais pagos antecipadamente. A Global é sócia da Precisa Medicamentos, intermediária do laboratório indiano Bharat Biotech na venda da vacina Covaxin para o Brasil, cujo contrato soma 1,6 bilhão de reais.

Foi justamente uma “pressão” feita por diretores, entre eles Roberto Dias, indicado de Ricardo Barros, para autorizar um pagamento antecipado de 45 milhões de dólares na conta de uma offshore em Singapura ligada ao laboratório indiano que levou Luis Ricardo a procurar o irmão deputado e depois o presidente da República — que nada fez — para relatar as suspeitas de irregularidades no negócio.

Como Luis Ricardo se recusou a autorizar a importação, o processo tocado ela Precisa Medicamentos travou dentro do ministério e nenhum dinheiro foi transferido para a conta em Cingapura. No caso de 2018, envolvendo o mesmo grupo empresarial, os superiores que hoje são réus passaram por cima do técnico que também se negou a assinar os papeis. O pagamento foi liberado antes, os produtos não chegaram, e o dinheiro nunca voltou aos cofres públicos.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
    1. Sara em Brasília tudo vira pizza. E se for ao STF acaba ogual aos processos do Lula, o STF livra os bandidos. Infelizmente esse é nosso pais. E o povo ohhhhh

  1. Os casos de corrupção pululam no governo Bozo. Ontem, ao sair do hospital, ele defendeu o general Pazzuelo, dizendo q se reuniaria com atravessadores de vacinas, e que ninguém trata de propina e divulga reunião. 1° que o general Pazzuelo se reuniu com atravessador, oferecendo vacina pelo triplo do preço e ñ se reuniu com a Pfizer. 2° q a corrupção desse governo só pode ser entendida observando-se o conjunto, ñ apenas uma parte. Estava tudo dominado, por isso Barros e Pazzuelo estavam à vontade.

  2. Enquanto esses cabras contarem com a im_p-unidade parlamentar e foro privilegiado, nada acontecerá contra eles. Eles roubam muito, podem pagar poderosas bancas de advogados e contam, também, com apoios na PGR, STJ, STF, CGU e TCU. Só Jesus!

  3. Como o Sociopata tem história de malandragem desde a sua passagem pelo Exército, acrescida pelos 30 anos de aperfeiçoamento no baixo clero em Rachadinhas, amizade fraterna com milicianos , botou todos os cafajestes civis e militares do mesmo naipe para as transações financeiras fraudulentas das vacinas.; Novamente Rachadinhas e as mortes aumentando assustadoramente enquanto faziam-se a negociata do percentual da corrupção. Realmente no governo do Genocida não tem pouca corrupção…

    1. Concordo,integralmente, Heloisa. "Malandragem desde o exército... aperfeiçoada no baixo clero", é perfeito.

  4. O setor público brasileiro é fonte de recursos aos larápios da república, armam esquemas pra meter a mão na cumbuca qq que seja o governo. Este servidor teve atitudes honestas e merece o nosso aplauso como contribuinte. Aos ladrões e sanguessugas só resta uma saída a cadeia.

    1. Zezinho,então foi a ARENA a criadora da quadrilha do,PT?? (Santa ignorância …)

  5. A base de todos os escândalos de corrupção no Brasil é sempre o PP, o partido de origem do genocida. Para quem é novo e não sabe, o PP foi uma vez ARENA, que por sua vez era o partido de apoio da ditadura militar. Por isso eu sempre falo, o principal impacto da ditadura militar no país foi a formação via a ARENA dos maiores quadrilheiros da história deste país.

    1. Jose, correção - a Arena virou PDS. Uma parte saiu e fundou o PFL, q virou DEN. A outra parte acabou virando o PP - partido do ícone da corrupção Paulo Malu, q foi até candidato dos militares a presidência.

    2. Ontem na saída do hospital, na companhia de quem??? Bispo Valdomiro Santiago 171 !!! Kkkkkkkk

  6. Ricardo Barros,Arthur Lira e Ciro Nogueira são os bolsonaristas que atuam no governo para desviar dinheiro público. O p r sempre se auxilia de quem não presta. O sujeito é criminoso mesmo.

  7. A precisa tem que pagar pelos remédios não entregues de qquer forma. O que deve ser feito é o bloqueio de recursos em conta corrente da empresa junto à bancos através da justiça.

  8. Essa quadrilha tem de ser desmontada e punida no rigor da lei, embora os políticos contem com os sinistros das altas cortes.

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO