Agência Brasil

Entidades médicas criticam posição de Queiroga sobre vacina em adolescentes: ‘desinformação’

17.09.21 13:30

Entidades médicas e associações de especialistas criticaram a decisão do Ministério da Saúde de suspender a imunização de adolescentes contra a Covid-19. O ministro Marcelo Queiroga usou dados equivocados para justificar a medida e reconheceu que paralisou a vacinação de jovens depois de conversar com o presidente Jair Bolsonaro.

A Associação Médica Brasileira manifestou “preocupação” com a decisão da Saúde. O Comitê Extraordinário de Monitoramento da Covid da entidade lembrou que órgãos regulatórios nacionais e internacionais, como a Anvisa e o FDA, dos Estados Unidos, aprovaram a aplicação da vacina da Pfizer em adolescentes. “A decisão foi baseada em rigorosos ensaios clínicos randomizados que incluíram milhares de voluntários e demonstraram eficácia”, informa a AMB.

A entidade médica também desmentiu a informação do Ministério da Saúde de que a Organização Mundial da Saúde seria contra a imunização de adolescentes. “A OMS recomenda a vacinação de adolescentes entre 12 a 17 anos sem comorbidades, desde que obedecida a priorização da imunização de outros grupos mais vulneráveis”.

Apesar do número de mortes em adolescentes ser baixo em comparação com outras faixas etárias, mais de 2 mil pessoas menores de 18 anos perderam a vida durante a pandemia. A Associação Médica Brasileira afirmou que a nota informativa do Ministério da Saúde “colabora para a desinformação e insegurança em relação à vacinação no país”.

A Sociedade Brasileira de Infectologia também se posicionou sobre a suspensão da vacinação nesta sexta-feira, 17. A entidade lembrou que “os benefícios da vacinação de adolescentes superam substancialmente os riscos”. “Vários países já iniciaram a vacinação de adolescentes. A investigação dos eventos adversos nesta população é motivo de atenção e acompanhamento. Porém, em nenhum local, houve a suspensão desta recomendação por essa razão”, afirma a sociedade.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Esse Quidroga, capacho do genocida, envergonha a classe dos médicos que heroicamente arriscam as suas vidas para salvar e cuidar dos infectados pelo covid. É um canalha como seu seu chefe e dono...

  2. Não deveriam criticar. Deveriam sim pedir a prisão imediata do delinquente e a cassação do seu diploma médico. Médico Bozista por si só significa médico delinquente.

  3. Realmente o ministro da saúde não cansa de fazer besteiras, com a anuência do laranja da vez que, no momento, é o Quidroga.

  4. Chega a ser cômico: as "entidades médicas" levando a sério o cara, criticando as posições dele como se ele se comportasse realmente como médico, e não como um dos capachos amestrados do broncossauro como de fato é! Vive unicamente para tentar "encaixar" e "adaptar" os surtos do demente nas providências que deveriam ser apenas condutas absolutamente médicas!!!! Ou são todos ingênuos ou são debochados, irônicos!!!!

    1. Houve um momento em que parecia realmente querer fazer prevalecer a Ciência mas, aos poucos revelou que é mesmo o """charlatão geral""" - no exercício ilegal da medicina - é quem manda fazer as covardias e asneiras e todos obedecem. Cegamente.

    2. Houve um momento em que parecia realmente querer fazer prevalecer a Ciência mas, aos poucos revelou que é mesmo o """charlatão geral""" - no exercício ilegal da medicina - é quem manda fazer as covardias e asneiras e todos obedecem. Cegamente.

    3. Houve um momento em que parecia realmente querer fazer prevalecer a Ciência mas, aos poucos revelou que é mesmo o """charlatão""" - no exercício ilegal da medicina - é quem manda fazer as covardias e asneiras e todos obedecem. Cegamente.

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO