Agência Brasil

Contrariado, ministro diz que gratuidade de bagagens é ‘menos relevante’

24.05.19 16:10

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, minimizou nesta sexta-feira, 24, a decisão do presidente Jair Bolsonaro de sancionar a medida provisória 863, que obriga companhias aéreas a despacharem bagagens gratuitamente.

Pessoalmente contrário à gratuidade, Freitas afirmou que o mais importante da MP foi a aprovação do trecho que libera a participação de até 100% de capital estrangeiro em companhias aéreas brasileiras.

“(O mais importante) É a entrada de novos operadores. Agora, a porta está aberta para outras empresas entrarem. Por isso, estou muito feliz com a aprovação da MP. A bagagem é menos relevante”, afirmou a Crusoé.

Bolsonaro confirmou a medida em entrevista no Recife, onde faz sua primeira visita ao Nordeste. “Meu coração manda sancionar, porque quando começou cobrar a bagagem, as passagens não caíram, pô. Não adiantou nada”, disse.

Já é assinante?
Assine a Crusoé ou nosso combo e ganhe o novo eBook de Mario sabino

Assine a Crusoé

*válido até 30/06/2021

Assine a Crusoé ou nosso combo e ganhe o novo eBook de Mario sabino

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Falou besteira, a cobrança de bagagens não é para o preço das passagens caírem, é para atrair as empresas “low cost” para o Brasil, elas cobram por bagagens lá fora e possuem preços populares de passagens, com a “gratuidade” obrigatória, muitas cias low cost desistirão de operar no país ou aumentarão o preço da passagem pra todos, até pra quem não vai despachar, como diz o ditado, não existe almoço grátis.

  2. Concordo com o ministro Tarcísio em relação a liberação de 100% de capital estrangeiro em CIAs aérias brasileiras e Bolsonaro está corretíssimo em sua avaliação "as passagens não caíram, pô. Não adiantou nada" cobrar a bagagem por fora!

  3. Concordo plenamente com o presidente. A Canalhada nunca perdeu uma oportunidade de tungar o brasileiro. Boa iniciativa!

  4. NAO tem uma mdida, positiva, pro povo que sustenta esse troço, nada, e so pra piorar ou pagar mais, politica de sadismo, com quem , paga para melhorar a vida, o BRASIL E ESTRANHO.

  5. A abertura para o capital estrangeiro é o que importa, vai resultar em maior concorrência. Os benefícios vão surgir futuramente.

    1. Abertura de capital estrangeiro era o que faltava para chegada de empresas lowcost, como a Ryanair, no Brasil. Com a obrigatoriedade de despacho “gratuito”, esquece!!

  6. Bagagem paga è para alta concorrência e low cost. Não em um país que tem 3 companhias aéreas. A Europa tem muitas. Pode ter. Com 200 a 300 R$ se vai de una capital até a outra. Aqui tem serviços de low cost e custo alto. Tem que acabar com isso sim. Bagagem gratuita e coloque no preço de venda e pronto. Parabéns Presidente. Quem está contra ou não viaja ou têm interesse pessoal.

  7. Um dos ministros que mais se destacou até aqui neste governo do capitão, Tarcísio de Freitas tem razão, pois a abertura do mercado é a conquista a ser comemorada. Franquia de bagagem deve ser decisão de mercado e não de governo. Mas, no BR, o intervencionismo do Estado está sempre presente, acompanhado do populismo, é claro.

  8. Nao ha nada mais importante para o presidente da república fazer ? Cobrar ou não por bagagem aérea deveria ser coisa no máximo para a agência reguladora que entende do negócio !!!! Bolsonaro fala de radar , multa de trânsito e outras coisas similares porque está no nível intelectual dele !!!!

  9. No meu ponto de vista, não é a cobrança ou não de uma bagagem que vai fazer com uma empresa estrangeira venha para o Brasil. E sim o cenário econômico, a tributação que é muita agressiva e com muita burocracia e diferenças em cada estado e por último e não menos importante, um dos únicos lugares que mesmo por condições climáticas adversas as aéreas tem que custear alimentação, transporte e hospedagem a todos os envolvidos... A bagagem tem uma relevância pequena perante a isso.

  10. Em nosso País,se vai haver reajuste ou queda em qq serviço ou produto por qq empresa q for,pq não se resolve entre empresas e o consumidor ??? Tem q o Presidente dar subsídio ou não ??? Q tal fazermos valer nossos direitos e irmos pra luta ( lembrao da inflação diária ??? Substitua por outro meio ou produto qdo der) ou seja boicotar,fazer pressão na compra ou ...

  11. Bolsonaro sendo Bolsonaro. Inflando o supérfluo e olvidando o principal. Ainda bem que no governo tem quem consegue avaliar os fatos corretamente.

  12. É fato que o anúncio foi de que os preços das passagens cairiam, o que todos sabiam que não iria acontecer! A história se repete equem se dana é o povo. Diversas empresas quebram. É o risco do negócio, assim como o lucro também!

  13. Esse é o problema: para analisar se houve queda ou não, é preciso usar o cérebro, e não o coração, sr. presidente. Nesse meio tempo, dólar subiu e Avianca faliu. Tem que separar a influência de cada um desses fatores para saber o efeito da permissão para cobrar bagagens.

    1. Político limitado com um técnico altamente capacitado!!! Simploriamente

  14. A imprensa marron sempre querendo jogar os integrantes do governo, aqueles que ganharam a eleição (se lembram?), uns contra os outros.

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO