Brian Sollis

Apagão do Facebook e WhatsApp: as explicações, as teorias conspiratórias e o impacto

05.10.21 12:37

O Facebook afirmou nesta terça-feira, 5, que o apagão de seis horas que derrubou a rede social, o WhatsApp e o Instagram ocorreu devido a “alterações de configuração” na sua rede. O problema interrompeu o fluxo de dados entre os datacenters e gerou um “efeito cascada“, afetando 3,5 bilhões de usuários.

Nossas equipes de engenharia descobriram que as alterações de configuração nos roteadores que coordenam o tráfego de rede entre nossos datacenters causaram problemas que interromperam a comunicação“, disse o Facebook em nota. “Essa interrupção no tráfego de rede teve um efeito cascata na maneira como nossos datacenters se comunicam, interrompendo nossos serviços.”

A empresa de segurança Cloudfare divulgou uma mensagem em um blog explicando em termos mais simples a interrupção: É como se alguém tivesse tirado os cabos dos datacenters todos de uma vez e os desconectado da internet.

De noite, o diretor da empresa, Mark Zuckerberg (foto), publicou uma mensagem pedindo desculpas. “Facebook, Instagram, WhatsApp e Messenger estão voltando online agora. Desculpe pela interrupção de hoje — eu sei o quanto vocês confiam em nossos serviços para se conectar com as pessoas que gostam“, escreveu ele.

O último grande apagão do Facebook havia ocorrido em 2019. Um problema técnico deixou os sites da empresa fora do ar por 24 horas.

Desta vez, diversas teorias conspiratórias foram ventiladas na internet sobre o apagão tecnológico. Uma delas, logo refutada, foi a de que se tratava de um ataque hacker vindo da China.

Seguidores do movimento Qanon, de extrema-direita, espalharam que a interrupção seria para desviar a atenção do depoimento de Frances Haugen, uma ex-funcionária do Facebook. Ela alega que a empresa sabia que as redes sociais eram prejudiciais aos usuários, principalmente para as meninas, e decidiu não fazer nada em nome do lucro. Depois de dar uma entrevista para o programa 60 minutes no último domingo, Frances depôs para um comitê no Senado nesta terça, 5.

O prejuízo econômico do apagão ainda está sendo estimado. Empresas que dependem das plataformas para promover seus produtos, receber pedidos e realizar vendas registraram perdas.

O Facebook também foi diretamente prejudicado porque ficou seis horas sem veicular anúncios de terceiros, o que afetou sua renda. A cada hora, a empresa ganha 13,3 milhões de dólares em receitas. A perda total então pode ter ultrapassado os 60 milhões de dólares.

Na segunda-feira, 4, as ações da empresa caíram 4,9%. Com isso, o valor do Facebook foi reduzido em 40 bilhões de dólares. Nesta terça, as ações já tinham subido 2% até o meio-dia.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO