Edu Andrade/ME

A cronologia da operação na Receita Federal para blindar Flávio Bolsonaro

06.02.21 10:07

No dia 25 de agosto do ano passado, Jair Bolsonaro recebeu, no Palácio do Planalto, as advogadas Luciana Pires e Juliana Bierrenbach, defensoras de Flávio Bolsonaro no caso do rachid operado por Fabrício Queiroz. Elas foram à sede do governo para uma reunião que contou com a presença do diretor-geral da Abin, Alexandre Ramagem, e do ministro-general do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno Ribeiro. Documentos da Receita Federal e do Ministério da Economia obtidos por Crusoé confirmam que o governo trabalhou ativamente nas demandas das advogadas para blindar o filho do presidente.

No primeiro encontro, as advogadas narraram ao presidente da República a suposta existência de uma organização criminosa dentro da Receita Federal que teria acessado indevidamente os dados de Flávio, posteriormente usados como prova na investigação do rachid. Naquele mesmo dia 25 de agosto, as advogadas de Flávio entregaram um pedido de “apuração especial” na Receita sobre o caso. Luciana Pires, então, foi aconselhada a protocolar a petição no dia seguinte, 26 de agosto, o que foi levado a cabo. Ela e a sócia, Juliana Bierrenbach, se encontraram pessoalmente com José Tostes, secretário da Receita Federal. A partir de então, a Abin passou a acompanhar o caso – posteriormente Ramagem entregou às advogadas dois relatórios para auxiliar na defesa de Flávio.

A primeira tentativa de pedir a investigação à Receita ficou nas gavetas do órgão por duas semanas. Auxiliares de Alexandre Ramagem posteriormente sugeriram a substituição do chefe da corregedoria da pasta, José Pereira de Barros Neto, por suspeitarem que ele pudesse integrar o grupo que havia consultado os dados fiscais de Flávio. No dia 8 de setembro as advogadas voltaram à carga e protocolaram uma nova petição, que tramitou de forma expressa pelos gabinetes da Receita. Naquele mesmo dia, o procedimento para apurar as denúncias foi “instruído com petição contendo alegações e questionamentos relativos a circunstâncias e fatos que dizem respeito à área de atuação correicional”, conforme registra um ofício do órgão. Quatro dias antes, Tostes recebeu Juliana Bierrenbach em Brasília.

Segundo registros da Receita, José Tostes se encontrou com Jair Bolsonaro duas vezes após a instalação do procedimento: primeiro no dia 9 de setembro, ao lado de Paulo Guedes, e depois no dia 11, quando esteve também com a cúpula jurídica governo, incluindo o advogado-geral da União, José Levi, e o então ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Jorge Oliveira. Na semana seguinte, no dia 17 de setembro, Tostes recebeu o próprio Flávio Bolsonaro e uma de suas advogadas.

As demandas de Flávio foram analisadas primeiro pela própria Receita Federal, durante 48 dias, e em 29 de outubro seguiram para a Corregedoria do Ministério da Economia. O procedimento, que ainda está em curso, permite que os responsáveis pela apuração acessem informações sensíveis que podem dar sustentação às alegações de Flávio Bolsonaro. Els podem, por exemplo, acessar computadores, e-mails funcionais, agenda oficial, sistemas eletrônicos, telefones de trabalho e até as gavetas e armários usados pelos funcionários suspeitos de fazerem parte da suposta conspiração, que Flávio aponta para tentar a investigação do rachid.

No início de 2021, a corregedora-geral no Ministério da Economia, Fabiana Vieira Lima, pediu exoneração para assumir um cargo de chefia da área de controle interno do Ministério do Desenvolvimento Regional. Ela negociava a mudança desde dezembro. O governo ainda nomeará um funcionário para assumir a chefia do órgão, que está sendo exercida de forma interina pelo auditor federal Marcos Pires de Campos.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. É deprimente para os brasileiros de bem ter que suportar uma família tão despreparada para ocupar cargos tão importantes!! Meu Deus! Onde o Brasil vai parar? No esgoto?

  2. É simplesmente estarrecedor os encaminhamentos que esse governo vem tomando. Um presidente despreparado, descompensado, que na ânsia de proteger um filho, passa por cima de todos os princípios e deveres do cargo que ocupa.. É lamentável.

  3. O gado se manifesta. Os Srs comentaristas “não gado” estão com síndrome STF, primeiro condena depois investiga. E SEM DIREITO À DEFESA. Tenho dito

  4. Começa a ficar cada vez pior. Se os montantes são tão inferiores ao esquema anterior, como ainda compensa contratar tantos advogados ? Tudo isso fede muito.

  5. É triste que o PR prefere salvar a honra da família, em vez de lutar contra o regime corrupto, como prometido para ser eleito. Pobre povo brasileiro, sistematicamente roubado por um congresso de deputados federais e senadores corruptos, com conivência de um STF incompetente e um PR medíocre!

  6. Tá tudo dominado!!! Este povo medíocre tem mais é que tomar no cú. Ainda elege e dá foro privilegiado pra este bandido. Acorda Brasil!!’ 🇧🇷🇧🇷🇧🇷

  7. Vai tudo ser abafado. Políticos, juízes, advogados ... todos interessados em manter as coisas como estão, sob controle da corrupção.

  8. Um país bananeiro. Cadê o PGR para cumprir seu dever de investigar o PR - dentro do inquérito já aberto (contra Sergio Moro) ???????

  9. Só conluio . Uma vergonha o pior a corda arrebenta do lado mais fraco.As evidências de roubalheira perde se pelo caminho?????

  10. Depois de todas estas manobras do governo para proteger o Bozokid corrupto, o que os bozistas desajustados podem dizer? Não eram eles os honestos? Não eram eles anti-corrupção? Onde estão os bozistas? Porque estão calados quando se descobre que a família presidencial está atolada até o pescoço com corrupção? Cadê a ética bozista? Bozistas, respondam se vocês forem capazes!

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO