Adriano Machado/Crusoé

MP defende novas eleições em casos de candidaturas laranjas de mulheres

13.02.20 13:20

Em casos de cassação de mandatos de vereadores, deputados distritais, estaduais e federais por conta de candidaturas laranjas de mulheres, deve haver novas eleições. A tese é defendida pelo vice-procurador-geral Eleitoral, Humberto Jacques. Para ele, a realização de novo pleito em situações como essa deve valer também para cargos proporcionais, e não só em eleições majoritárias. O representante do MP Eleitoral defendeu esse entendimento durante sessão do Tribunal Superior Eleitoral, na noite dessa quarta-feira, 12.

O posicionamento foi apresentado no julgamento de um caso relacionado a candidaturas fictícias de mulheres no município de Viadutos, no Rio Grande do Sul, nas eleições de 2016. O Tribunal Regional Eleitoral do estado cassou os mandatos de políticos que foram comprovadamente beneficiados com recursos de candidatas mulheres, que entraram na disputa de forma fictícia, apenas para cumprir a cota de 30% de candidaturas femininas.

Esse é o debate inaugural sobre o tema, desde a primeira cassação de mandatos por conta de candidaturas laranjas. Em setembro do ano passado, o TSE cassou seis vereadores eleitos em um município do Piauí, por fraudes à cota de gênero. Esse caso é visto como jurisprudência para outros grandes processos que podem chegar à corte no futuro, como o do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio (foto). Ele foi denunciado pelo Ministério Público por três crimes envolvendo o lançamento de candidatas laranjas em Minas Gerais.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

Só R$ 1,90* no primeiro mês

Edição nova toda Sexta-Feira. Leia com Exclusividade!

Assine a Crusoé

*depois, 11 x R$ 14,90

Deixar para mais tarde

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Cotas são um atestado de atraso de mentalidade. Mulheres não precisam de cotas quando se interessam por qualquer assunto! Vamos acabar com essa obrigatoriedade de candidaturas femininas?

Mais notícias
Assine
TOPO