Reprodução/redes sociais

Na porta dos bancos

As investigações sobre o "doleiro dos doleiros" fazem a Lava Jato avançar sobre bancos nacionais e estrangeiros. Há suspeitas até sobre uma instituição financeira de um ex-presidente do Paraguai
07.06.19

O surgimento das primeiras citações do envolvimento de Dario Messer, o “doleiro dos doleiros”, e seus agregados com o departamento de propina da Odebrecht era motivo de tensão nas rodas de conversas dentro de grandes bancos brasileiros ainda em 2017. Enquanto o suspense sobre até onde iria a Lava Jato dominava a cena, os banqueiros se movimentaram e aprovaram no Congresso, com a ajuda do presidente Michel Temer, uma lei para regulamentar acordos de leniência, espécie de delação de empresas, entre as instituições financeiras e o Banco Central. Era uma salvaguarda para caso as coisas piorassem. Não adiantou. Em maio do ano passado, a operação “Câmbio, desligo”, um desdobramento da Lava Jato no Rio de Janeiro, revelou os 47 doleiros ligados a Messer cuja clientela ia da empreiteira baiana a políticos, artistas, esportistas e todo tipo de empresário. Neste ano, sem muito alarde, a operação permanece em andamento. A Polícia Federal já prendeu três executivos do alto escalão de um banco de médio porte, o Paulista. Na última semana, no Rio de Janeiro, levou para a cadeia dois gerentes-gerais do segundo maior banco privado do país, o Bradesco. Seria o início de uma devassa no sistema financeiro nacional?

Os números do próprio Banco Central sugerem que o avanço da Lava Jato sobre o sistema financeiro não para por aí. Atualmente, o BC conduz 16 processos administrativos sancionadores (PAS), como são chamados os procedimentos internos do órgão federal, cujos alvos são os maiores bancos brasileiros. Desse total, apenas um foi encerrado desde o início da operação. Cinco estão, segundo o BC, em fase final. Os outros não se sabe em qual ponto se encontram, uma vez que são sigilosos. Sabe-se, porém, que estão na mira os gigantes Bradesco, Itaú Unibanco e Santander.

Cada um desses procedimentos tem por objeto analisar uma possível falha nos sistemas de controle dos bancos que permitiu que empresas e operadores financeiros lavassem milhões de reais provenientes de transações obscuras — muitas vezes, relacionadas ao desvio de dinheiro público e corrupção. Embora só recentemente tenham se tornado alvos diretos da investigação, os bancos já haviam sido citados em fases anteriores da Lava Jato. A Receita Federal chegou a divulgar um balanço em 2018 no qual apontou a omissão por parte dessas instituições financeiras em operações de câmbio feitas pelo grupo de Alberto Youssef, um dos primeiros delatores da operação. Outro caso era a movimentação bilionária das empresas de fachada de Adir Assad, o operador das principais empreiteiras do país.

Apesar de as duas mais recentes investidas sobre os bancos terem origens distintas, ambas possuem alguma relação com Messer. O Banco Paulista, por exemplo, é investigado pelos procuradores de Curitiba por ter lavado 48 milhões de reais para executivos da Odebrecht. Além disso, está na mira da Procuradoria de Curitiba e do Rio de Janeiro a relação do Paulista com o Banco Basa, do ex-presidente paraguaio Horácio Cartes. O banco brasileiro importou, entre 2014 e 2016, 6,7 bilhões de reais em espécie do Basa. Autointitulado “irmão de alma” de Messer, Cartes e sua família são os atuais donos da banca que tem origem no Banco Amambay, criado pela família Messer.

Roberto Casimiro /Fotoarena/FolhapressRoberto Casimiro /Fotoarena/FolhapressNa última semana, no Rio de Janeiro, a Lava Jato levou para cadeia dois gerentes-gerais do segundo maior banco privado do país

O caso envolvendo os gerentes do Bradesco, por sua vez, é fruto das delações de dois funcionários de Messer, os também doleiros Vinícius Claret, o Juca, e Cláudio Barboza, o Tony. O Ministério Público é taxativo no pedido de prisão dos dois gerentes do Bradesco: “Foi possível revelar que também o sistema bancário e instituições financeiras oficiais estão sendo usadas atualmente no Brasil para lavagem de dinheiro, por meio da geração de reais em espécie, por conta de falhas em seus sistemas de compliance”.

O ponto central dessas falhas de compliance citadas pelos procuradores é o chamado “conheça seu cliente”, em que o banco é obrigado a ter informações sobre quem são os beneficiários das contas abertas nas agências. O objetivo, entre outros, é evitar, como no caso dos dois gerentes do Bradesco presos, que contas sejam abertas por empresas fantasmas em nome de laranjas para lavagem de dinheiro. O Banco Central tem duas cartas circulares onde reúne as normas a serem seguidas pelos bancos brasileiros no combate a esse crime. O descumprimento resulta nos procedimentos citados anteriormente. Segundo o BC, os bancos “devem implementar políticas, procedimentos e controles internos, de forma compatível com seu porte e volume de operações”. Para isso, diz a instituição, são obrigados a “coletar e manter atualizadas as informações cadastrais de seus clientes permanentes”.

É aproveitando-se dessas falhas no compliance dos bancos que os doleiros conseguem fazer seu trabalho ilegal, que consiste na disponibilização de dinheiro em espécie para empreiteiras, empresários e afins. No caso do Bradesco, replicado com outros bancos, as contas eram apenas parte de um complexo esquema para fornecimento de dinheiro vivo. A primeira ponta era formada por comerciantes do mercado de importação — por exemplo, vendedores da região da famosa rua 25 de março, no centro de São Paulo, que precisavam pagar seus fornecedores no exterior.

No esquema, as várias partes envolvidas não sabiam do todo. Só os doleiros Juca e Tony tinham controle sobre todas as pontas das transações que ao fim tinham como objetivo gerar dinheiro vivo. Funcionava assim: comerciantes, em especial aqueles importadores de eletrônicos, entregavam cheques recebidos em suas lojas aos doleiros Vinicius Claret e Cláudio Barboza, os administradores do “Banco dos Doleiros” de Messer. Os comerciantes não ganhavam nada com a transação, apenas repassavam os cheques, uma vez que necessitavam da ajuda dos doleiros para pagar em dólar empresas no exterior de quem importavam produtos. Esses cheques, por sua vez, eram depositados em contas abertas em nome de empresas de fachada, com a ajuda dos gerentes dos bancos. Como eram de valores pequenos (por isso chamados “chequinhos”), os depósitos não chamavam a atenção do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), o órgão federal de inteligência financeira.

Só o dinheiro na conta da empresa de fachada, contudo, não resolvia a questão, era preciso tê-lo em espécie. O passo seguinte era sacar os valores da conta sem chamar a atenção das autoridades, para, enfim, ter o dinheiro em mãos. Para isso, era preciso mais uma camada de transações, agora com empresas de transporte de valores, em especial a Transexpert. A empresa transportava, além de dinheiro, milhares de boletos de empresas varejistas e cobrava uma porcentagem para ceder os boletos aos doleiros. As empresas de fachada pagavam esses boletos, sem chamar a atenção das autoridades, visto que pareciam ser pagamentos normais de qualquer firma legal. Em troca, a Transexpert fornecia o valor dos boletos, descontada a sua porcentagem, em dinheiro vivo para os doleiros. A última parte desse esquema era entregar o dinheiro em espécie a grandes empresas interessadas em notas de 50 e 100 reais para pagar propina a políticos. A principal cliente de Juca e Tony era a Odebrecht e o destino desses valores já é bem conhecido.

Sérgio Lima/FolhapressSérgio Lima/FolhapressAssad: ele movimentou 1,8 bilhão de reais por 14 agências de seis bancos

Crusoé apurou com investigadores que os casos de lavagem de dinheiro envolvendo bancos brasileiros é uma das principais frentes de apuração de 2019, principalmente no Rio de Janeiro, onde os doleiros fizeram a delação. Além dos desdobramentos da investigação sobre todos os operadores registrados no “Banco dos Doleiros” de Messer, a força-tarefa fluminense também mira o banco Paulista e seu relacionamento com o Banco Basa, do ex-presidente paraguaio. Há uma intensa troca de informações entre as autoridades do país vizinho e brasileiras. O objetivo é tentar entender qual a verdadeira relação entre Messer e seu irmão de alma. O MPF já sabe que parte do dinheiro amealhado nos negócios conduzidos por Juca e Tony era investido por Messer no Paraguai. A expectativa agora é descobrir se Messer e Cartes eram mais que amigos e se há digitais dos “doleiros dos doleiros” na relação do Basa com o banco Paulista.

No caso do Bradesco e de outros bancos que hospedaram contas de operadores e empresas utilizadas em grandes esquema de lavagem de dinheiro, o objetivo, relatam os investigadores, é saber até qual nível hierárquico houve responsabilidade pelas falhas no compliance. Até o momento, ela tem recaído somente sobre os gerentes das agências que abrem as contas. O histórico dos casos da Lava Jato envolvendo bancos é eclético em relação às instituições financeiras.  No caso dos contratos de câmbio da trupe de Youssef, o Bradesco hospedou 39 contas de empresas de fachada mantidas pelo grupo. O Itaú Unibanco, 18, e o Santander, 13. Além deles, o Banco do Brasil hospedou 11 contas, a Caixa Econômica Federal, 13, e o Citibank, outras 15. Considerado o maior fornecedor de dinheiro em espécie de empreiteiras em São Paulo, Adir Assad movimentou por suas empresas de fachada 1,8 bilhão de reais por 14 agências de seis bancos. Duas agências do Bradesco, em São Paulo, sozinhas concentram 1,2 bilhão de reais do total movimentado pelas empresas de Assad. Também hospedaram contas dele o Itaú Unibanco, Santander, Citibank e Banco do Brasil. Procurado, o Bradesco não quis se manifestar. Por meio de nota, o Santander disse que adota “políticas rigorosas de compliance e cumpre estritamente a legislação e as normas de prevenção à lavagem de dinheiro”. O Itaú Unibanco disse ter rompido o relacionamento com as empresas alvos da Lava Jato do Rio dois anos antes da operação da última semana.

Até o momento, afora os dois gerentes presos do Bradesco, ninguém foi preso, denunciado ou condenado. Os procedimentos em andamento no Banco Central são mantidos em sigilo. Não é possível saber, portanto, se as recentes operações são o início de uma devassa no sistema financeiro nacional. Mas o fato é que sobram casos para serem investigados.

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. A coisa está indo bem, já destruíram a industria da construção civil, a mineração, a industria da carne, do petróleo, agora chegou a vez dos bancos, o último a sair que desligue a luz, só não sei quem vai pagar as mordomias "legais" diga-se, dis juízes, eu é que não, acho que vai ser o Bolsonaro, nem que precise interromper o pagamento das aposentadorias dos pobres, pois Moro e Bretas deram uma mostra do que acontece quando o dinheiro acaba para eles.

  2. Esse é o jornalismo sério. Investigativo, esclarecedor, que faz da busca da verdade sua missão. Que evoluam as investigações e que sejam exemplarmente punidos todos os que zombaram das leis, da democracia e do povo brasileiro.

    1. O que me chama muito a atenção é o sobrenome deste doleiros chefes Assad, Youssef e por aí vai...

  3. Fácil de entender toda essa maracutaia financeira........tudo contaminado e dominado pela Orcrim LuloPTista........onde a "grana" está acima de qualquer opção........o Brasil Continental está definitivamente arruinado, contaminado, viciado, pelo "crime oficial"......não temos mais opção de solução imediata através dos trâmites democráticos.......tá tudo contaminado.....FFAA........é nossa única e última esperança de uma rápida solução para ressuscitar o Brasil Continental.

    1. Entendo que precisamos continuar lutando por um país melhor. Não basta fiscalizar quem está no poder. Precisamos, além de tudo, explicar aos "eleitores de cabresto" que nossos escolhidos não têm liberdade para trair a nós e ao País. Assim acontecendo, deverão responder pelos crimes porventura cometidos. A operação lava-jato prestou e continua prestando bons serviços ao Brasil. Vamos ver agora o que a banda podre do STF vai aprontar!

  4. Muito boa a reportagem, mas é difícil de entender esses esquemas dos doleiros e das lavagens de dinheiro. Sugiro fazer infográficos nas próximas reportagens para facilitar o entendimento pelo leitor.

  5. Quem conhece o mercado financeiro sabe que não é de hoje que os Bancos estão envolvidos nas falcatruas de doleiros. Nos anos 70 e 80 era até normal que um Banco estrangeiro com agência no Brasil abrisse contas de pessoas físicas no exterior, sem o dinheiro transitar pelo próprio Banco em moeda nacional, mas por transações de doleiros. Se abrirem a conta CC5, criada pelo próprio BACEN, notarão o que é dinheiro saindo do país. O Banestado é fichinha. Os doleiros e os Bancos são irmãos siameses.

  6. Parabéns Fabio, isto é jornalismo de qualidade. É difícil acreditar que um jornalista deste nível, tenha que conviver no mesmo veículo, com a mediocridade de um Igor Gadelha.

    1. Concordo plenamente. Inclusive cancelei minha assinatura por "jornalistas" como o "fofoqueiro" Igor Gadelha".

  7. Eis aí o verdadeiro inimigo da nação: o oligopólio dos cinco grandes bancos. Eles não se contentam apenas com a espoliação dos seus clientes, com suas absurdas taxas de juros e lucros insanos mesmo nas piores crises. Eles querem mais, muito mais. Agora aguardam loucamente a bolada que virá com o regime de capitalização da previdencia.

    1. uma boa matéria, que explica as maracutaias. Mais dessas, por favor!

  8. O nosso sistema judiciário é extremamente lento e funciona muito mal pelo tanto que ele custa a nós o povo que sustenta tal sistema. Como é que Dilma, Luis Sérgio Gabrieli, Paulo Bernardo, Gleisi Hofmann e tantos outros bandidões ainda estão soltos? Precisamos um judiciário altamente informatizado e 10.000 vezes + produtivo. Todos os banqueiros envolvidos em roubalheira precisam ter seus bancos confiscados e o dinheiro deve voltar para o tesouro e ser aplicado no País.

  9. Se Alguém tinha dúvidas sobre o envolvimento dos bancos nacionais e outros, não te mais. Queremos todos na cadeia. É uma vergonha!!!

  10. Que bom que a Lava Jato está indo p cima dos gde bancos. Somente assim saberemos o quanto de reais convertidos em verdinhas foram e continuam a serem mandados p os paraísos fiscais!!

  11. Não podemos esquecer q Sérgio Moro surgiu no esquema do Banestado-PR em 2006 onde Alberto Yussef já operava para os políticos de Brasília. O esquema foi descoberto na Operação Sathiagraha, depois anulada por Gilmar Mendes. O Banestado foi privatizado rapidinho e o esquema esquecido. Yussef reapareceu na Lava Jato, por isso conduzido por Sérgio Moro no Paraná, q já o investigava de outrora. Yussef é de Londrina, q formou o grupo de José Janene do PP q comandava o esquema com Paulo Roberto Costa.

    1. Esses bandidos são como salamandras. Ante o perigo abandonam o rabo para distrair o pedrador e escampam velozes pois sabem que dito rabo vai se regenerar e continuarão salamandras como sempre.

  12. Fábio, tua reportagem bem minuciosa. A Crusoé fez a investigação, o que ultimamente é raro. É sempre " segundo o Globo, a Folha etc. Parabéns.

    1. Repito o elogio e comentário. Belo trabalho de jornalismo.

  13. Qto menos corrupto é um país, mais confiantes são todos os olhares e mais riquezas sustentáveis se produzem. Não se morre por falta de vagas em hospitais, por culpa do dinheiro público desviado, por ladrões de colarinho branco, quase intocáveis pela justiça bras. apesar de muito conhecidos aos olhos de todos. Lembremos da Ministra da NORUEGA, que deu uma bela chamada em público lá, no então Pres. TEMER, sobre a corrupção no BRASIL.

  14. Acredito que aqui será a grande oportunidade de fazer uma boa limpeza nas estruturas sujas do Poder. A seguranca do grupo da Lava a Jato deve ser dobrada. Autoridades americanas parecem que irão ajudar (caso Hsbc). A pressão nessas ilhas paraísos fiscais e Suíça poderá trazer a tona os santos vigaristas.

  15. Já no mensalão havia um banco envolvido e obviamente o Petrolao não tinha como funcionar sem o envolvimento do sistema financeiro. No início havia um sujeito expert em mochilas (sabia qto $ cabia numa mochila), depois vieram as malas ate sermos apresentados a apartamentos cofres. Afinal no Brasil tudo é grandioso, continental.

  16. O SITEMA, so e duro com pobre, vai sacar 5 pratas, tem que pedir ate, pro vigilante , bilhoes, rodaram pelos bancos, sem um quetionamento, onde tava BC, coaf, e continua, e pra ser corupcto, e carteiraço, no pobre, fecha tudo, esse troço nao funciona, esso pra mafia, essa tal demonicracia, so pra eles, esta tudo fucionado dentro do mecanismo.

  17. e temos meia dúzia de bancos e o governo não dá conta de cuidar, imagina qdo forem mais de vários mil que o governo quer, como será?

  18. Vamos lá autoridades do bem que de fato lutam para acabar com a roubalheira neste País. A merda, quanto mais mexe mais fede, mas podem mexer bastante mesmo, o povo fica feliz com o fedor. Queremos ladrões na cadeia e todo o produto do roubo, recuperado.

    1. Já diz, Sérgio Moro, a corrupção se descobre, seguindo o dinheiro. Simples assim.

  19. Ô Brasil colonial!!! Não toque em seus bancos privados: faça como o FHC, reverencie-ou com bilhões de dólares em nome do saneamento do mercado. ETA FHC q dá saudades. Ô Brasil, não toque no seu judiciário Brasil . Não mude meu Brasil a forma como são geridos os seus cartórios sacrificando todo o seu povo. Ô Brasil, ñ faça uma reforma política meu Brasil. Ô Brasil que a URSAL seja um novo país dos estados do NE, totalmente independente das outras regiões.

  20. Lendo este artigo eu me pergunto: será que a política de centralização do mercado financeiro, posta em prática nos últimos governos, e que permitiu a fixação de um verdadeiro monopólio dos negócios financeiros no Brasil, não tinha, entre seus fundamentos, o de permitir a formação dessa gigantesca lavanderia de dinheiro sujo?

Mais notícias
Assine
TOPO