Múcio e a Odebrecht

09.10.20

O presidente do Tribunal de Contas da União, José Múcio Monteiro, oficializou nesta semana a antecipação de sua aposentadoria. Ele poderia ficar mais dois anos, mas resolveu que deixará a corte no final deste ano. O que poucos sabem é que, há poucos meses, a força-tarefa da Lava Jato na Procuradoria-Geral da República preparou um pedido ao Supremo Tribunal Federal para que Múcio fosse investigado por suas relações com a Odebrecht. A petição, encaminhada ao gabinete de Augusto Aras, se baseou em arquivos ainda inéditos que apontam que o ministro teria uma espécie de “conta corrente” no departamento de propinas da empreiteira. O apelido dele nas planilhas era “Nono”. No acordo de delação fechado pelos executivos da Odebrecht no fim de 2017, Múcio não foi citado, mas o nome dele apareceu durante a análise de mais uma nova leva de e-mails trocados pela cúpula da companhia. Os pagamentos teriam sido feitos, segundo os procuradores, porque Múcio atuou em favor da empreiteira em um julgamento que envolvia a hidrelétrica de Belo Monte. Ao falar aos investigadores, Marcelo Odebrecht afirmou que a relação do ministro com a empresa é antiga, anterior até à entrada dele na política.

Agência BrasilAgência BrasilJosé Múcio diz que antecipou a aposentadoria porque quer “descansar”

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

Só R$ 1,90* no primeiro mês

Edição nova toda Sexta-Feira. Leia com Exclusividade!

Assine a Crusoé

*depois, 11 x R$ 14,90

Deixar para mais tarde

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Nono vai colocar pijama e ficar quietinho para não descobrirem seus maus feitos.... Vá viver com seus 40k de Reais de aposentadoria, que está sendo muito bem recompensado pela bela lambança em sua vida profissional....

  2. Certamente para fugir dos holofotes e seguir sua vida, aproveitando o patrimônio conquistado pelo "nono". Outros, com o mesmo apetite, virão substitui-lo.

    1. Mais ele deixará Vital do Rêgo que dará continuidade a seu trabalho

    2. Mais ele deixará Vital do Rêgo que dará continuidade a seu trabalho

  3. O que será que teria acontecido se, por uma obra do acaso, não tivessem descoberto que havia um esquema sinistro de desvio de dinheiro lá na Petrobrás? Seríamos o Haiti? Assustadora a situação!

  4. No caso comprovado e depois da ampla defesa pode-se cassar a aposentadoria do meliante se assim ficar provado. AGU e o Tesouro devem pedir na Justiça que isso ocorra. Sei que é igenuidade acreditar nisso, mas é possivel!

  5. Enquanto todos tribunais superiores, seus membros ,forem indicados pelos governantes,à corrupção não diminui , os governantes nomeiam seu comparsas para obterem favores mais para frente. Membros dos tribunais superiores tem que ser por votação da corporação ou concurso público.

  6. Em 2022 SÉRGIO MORO “PRESIDENTE LAVA JATO PURO SANGUE” é nossa resposta ao ACORDÃO de BOLSONARO com o ESTABLISHMENT! Não seremos LUDIBRIADOS com o “velho plano de MELHORAS NA ECONOMIA!” Triunfaremos!

    1. Se não existe brasileiro honesto, de que país seria o candidato? Acha mesmo que, depois do desembarque do Moro do governo e da luta desesperada do PT, da família Bozo, doTofoli, do Maia e de tantos outros para se livrarem da cadeia, se houvesse, de verdade, alguma coisa contra o Sérgio Moro, ele estaria livre, até hoje? Tenho certeza que tem uma equipe que não dorme, inclusive do PSDB, só armando para cima dele e do Deltan. Introduzir dúvidas para minar a confiança do possível eleitor.

    2. Deus te ouça. Eu também fui na conversa o que estou decepcionado

    3. Caro Claiton, não sejamos iludidos, torço para que surja um novo nome no horizonte que contemple verdadeiramente os ideais do povo brasileiro, mas, com certeza, esse nome não é Sérgio Moro, pois até hoje tem umas coisas muito mal explicadas no caso BANESTADO, onde figurava interesse do PSDB, filiação a qual Moro é estranhamente próximo, além de algumas "estórias" distorcidas da banca advocatícia da sua esposa, envolvida em negócios espúrios, mas isso é o Brasil, "se gritar pega ladrão"...

Mais notícias
Assine
TOPO