Exército

Na deep web, hacker vende acesso a servidor das Forças Armadas; ‘por segurança’, Defesa não revela medidas adotadas

02.12.20 07:30

O Ministério da Defesa silenciou sobre um anúncio que circulou em um dos principais sites dedicados ao cibercrime na deep wep, o submundo da internet, há duas semanas. No fórum, um hacker anunciava a venda de um acesso a um servidor das Forças Armadas por 390 dólares.

“O Ministério da Defesa e as Forças Armadas monitora de forma sistemática suas redes, incluindo ações de Defesa Cibernética, de modo a identificar, mitigar e impedir eventuais tentativas de invasão. As medidas de Defesa Cibernética adotadas, por questões de segurança, não são divulgadas”, diz o Ministério da Defesa, em nota a Crusoé.

Especialistas em cibersegurança consultados pela reportagem avaliam que, a partir das informações do anúncio do hacker, não é possível ter certeza que as redes da Defesa foram comprometidas. Muitas vezes cibercriminosos se vangloriam de feitos que não realizaram, apenas para aumentar o valor de seus serviços oferecidos na internet profunda.

Nesta terça-feira, 1º, começou a funcionar o Sistema Militar de Defesa Cibernética, SMDC, criado no mês passado pelo Ministério da Defesa. O sistema tem o Comando de Defesa Cibernética como órgão central, mas é integrado por oficiais e praças das três Forças.

Já é assinante?
Assine a Crusoé ou nosso combo e ganhe o novo eBook de Mario sabino

Assine a Crusoé

*válido até 30/06/2021

Assine a Crusoé ou nosso combo e ganhe o novo eBook de Mario sabino

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. As medidas de defesa não foram divulgadas porque não tem mesmo. ahahahaahahahaha país de m...Aqui só político se dá bem.

    1. Se não tivesse tanta gente negligente e incompetente no setor público não estariam passando por isso.

    2. João, você está muito desatualizado, eu trabalho com tecnologia a 25 anos, tenho 44. Minha Pós é em segurança de sistemas e criptografia a maioria dos profissionais que atuam contra crimes cibernéticos, empresas de segurança da informação tem a minha faixa etária. O que esses hackers fazem não é inovador, eles pegam partes de códigos que exploram vulnerabilidades expostas e muitas vezes já corrigidas pelos fabricantes e usam contra os sistemas que não foram atualizados por negligência.

    3. Charles, meu camaradinha...vc só vai começar a meter medo no Poder Executivo quando completar 66 e 6 meses.

    4. Eu tenho 66 e tenho curso de como ranquear e-mails e servidores dos babacas do poder executivo

  2. Eu só gostaria de entender que no LEP top do Marcelo Odebrecht, na época da lava jato, a força tarefa teve que mandar para o exterior para descriptografar. E as forças armadas aqui, TSE, STJ são tão vulneráveis, como estamos vendo.

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO