Foto: Roque de Sá/Agência Senado

O desconforto de Alcolumbre com as cobranças para marcar a sabatina de Mendonça

22.09.21 13:05

O atraso para a sabatina do ex-ministro da Justiça André Mendonça, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para uma vaga no Supremo Tribunal Federal, gerou um bate-boca na sessão da Comissão de Constituição e Justiça desta quarta-feira, 22. O presidente do colegiado, Davi Alcolumbre, que deliberadamente travou o debate sobre a indicação, foi pressionado por colegas para que paute a sabatina de Mendonça. Alcolumbre não gostou dos questionamentos e reagiu mal.

O embate começou depois que o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra, do DEM, fez um apelo ao presidente da CCJ pela realização da sessão para a sabatina de Mendonça. Alcolumbre havia acabado de mediar um acordo entre senadores favoráveis e contrários à nova Lei de Improbidade Administrativa.

Vossa excelência poderia aproveitar esse espírito de entendimento para marcar a sabatina”, pediu Bezerra. “Vamos deixar meu espírito para esse entendimento. Para outros entendimentos, (a decisão) vai ser outro dia”, disse Alcolumbre.
Em seguida, o senador Alessandro Vieira, em tom mais incisivo, também fez cobranças pela marcação da sabatina. O parlamentar do Cidadania pediu que Alcolumbre apontasse “um único motivo republicano” para não realizar a sessão.

O presidente da CCJ ficou muito irritado com a cobrança. “Depois que se lançou candidato à Presidência da República, vossa excelência passou a usar essas frases de efeito”, disse Alcolumbre a Vieira. “Vossa excelência está há alguns meses ofendendo este senador, peço respeito”, acrescentou o presidente da CCJ. Apesar dos apelos e do bate-boca, Davi Alcolumbre encerrou a sessão sem sinalizar a data da sabatina.

O senador é contra a nomeação de André Mendonça para o STF e, por isso, decidiu barrar a tramitação da indicação. Alcolumbre tenta articular a retirada do nome de Mendonça e a indicação do procurador-geral da República, Augusto Aras.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Meu Deus! Nada anda nesse congresso. A egolatria, o toma lá está em alta. Precisaremos votar melhor para tirar as maçãs podres dali.

  2. Não gosto desse senador, mas é bom ir enrolando sim a votação. Nenhum dos 2 presta, tomara que o imbróglio siga até a saída do Bolsonaro.Outro Kassio não dá, já temos Toffoli e Gilmar dentre outros, poluindo o STF.

  3. É muito poder para um baixote desse!! Não deveria uma só pessoa ter tanto poder assim. Como pode mudar isso?? Alguém sabe informar??

  4. O problema não está no governo, mas nos bandidos que continuam controlando a política brasileira. Precisamos tirá-los de lá.

  5. Este é o problema deste desgoverno, até para nomear tem que pedir penico; chama Conde Temer, aí resolve este assunto, só quem nomes rápido é o Centrão, que o diga Kassio Nojeira!!!Quem assina contrato com o diabo , tem que aprender andar no fogo!!!

Mais notícias
Assine 50% off
TOPO